quinta-feira, novembro 22, 2007

Selecção no EURO... mas sem deslumbrar...

Estamos no EURO!!!

Estar estamos, mas porque é que não jogámos melhor e convencemos os adeptos de que somos, de facto, das melhores Selecções a apresentarem-se na Suíça e na Austria para o ano que vem?

Parabéns a todos, começando pelo Treinador (mau feitio...viram a conferência de Imprensa de ontem?) e acabando nos Jogadores.
Mas fica a noção que o nosso "futebolão" se está a transformar num "futebolzinho" e isso custa-me.

Ontem até não jogámos mal, fomos "certinhos e delicadinhos", mas a Finlândia ajudou, não tendo sido um adversário à altura de um jogo onde tinha obrigatoriamente que ganhar, mostrando-se "mansa e mole" até dizer chega... O que vai acontecer quando encontrarmos algumas das selecções "hard core" que também se apuraram?

O Sargentão Scollari não tem que se enfadar porque criticam as exibições. Afinal de contas - e embora lhe custe a acreditar - antes de ele ter chegado a Portugal já cá se praticava futebol.

Podem dizer que Figo e Rui Costa não são facilmente substituíveis e que o que interessa hoje em dia são os resultados e não as exibições.
Certo, mas sem grandes exibições, grandes golos, grandes jogadas e grandes defesas dos guarda-redes, perde-se a magia associada a este jogo desde sempre e que o tornou o mais popular do mundo.

E se a magia "ao vivo" se perde o melhor é passarmos a jogar nas consolas o UEFA Soccer Championship 2008. Aí, pelo menos, há emoção!

Um comentário:

Fernando Bernardo disse...

Suíça, Suíça...
Áustria, Áustria...

Por muito que nos custe, temos que admitir o óbvio: falta alguém com classe e crédito que "carregue às costas" a nossa selecção. Creio que não é necessário avançar com um ou dois nomes para...
Qualidade!? Qualitativamente, que mais poderíamos esperar da selecção com uma linha média formada por jogadores com estas características?
Quanto a Scolari: é diferente (pra melhor) dos outros porque é forte no trabalho psicológico e teve a coragem de não se submeter ao depravado poder instituído; tecnicamente, não acrescentou nem trouxe nada de novo; fora das quatro linhas, é o que se vê e sabemos, i.e., uns abominam, outros apreciam e outros ainda, nem tanto...
Restar-me-á o consolo das emoções que só o futebol nos proporciona, observar (mais uma vez!) o país num grande palco europeu e observar a vaga de compatriotas a pintar de vermelho e verde o território helvético.

PORTUGAL! PORTUGAL!

Saudações Filatélicas,
Fernando Bernardo (Suíça)