sexta-feira, julho 29, 2016

O Sr. Barroso no seu melhor



No destacado restaurante "Arcoense" de Braga há algum tempo que não tínhamos notícia do Sr. Barroso, proprietário, mas mais do que isso, autêntica alma forte do empreendimento.

Cozinheiro, comprador das matérias primas, cultivador da fruta e legumes ali servidos, criador dos porcos bísaros que ali também se apresentam, amigo dos clientes, e tudo o mais que lhe quiserem acrescentar em virtudes que tenham a ver com a excelência do serviço e da comidinha que se saboreia.

Questionámos as filhas (o Arcoense tem como empregados as duas filhas e acho que também os genros) que nos disseram que o Pai já só vinha aos fins de semana. Estava na quinta a descansar.

Desconfiados de algum problema de saúde lamentámos "para dentro", mas não foi por isso que deixámos de frequentar a casa. Agora é com satisfação redobrada que em duas visitas seguidas ( e não ao fim de semana) lá encontrámos de novo a jovialidade do Sr. Barroso!

Não há como ele para entender o que o cliente deseja, para lhe indicar a melhor opção daquele dia e para o ajudar na escolha final.

Sabedor da minha inclinação para cabeças de pescada logo que me viu entrar disse logo:
-" Tenho ali uma menina de Vigo com 8 quilinhos! A cabeça é para si! Aguenta-se?"
- " Oh Sr. Barroso, eu sou de Cascais! Se não me aguentasse com isso tinha que mudar de terra..."

Demorei quase duas horas e meia, mas só deixei o esqueleto.

Depois no fim ainda teve a lata de nos desafiar:
- "Amanhã ainda estão por cá? Tenho lá na quinta um lombo de bísaro mesmo bom para assarmos..."

Mas já não havia nem tempo, nem estômago... Ficará para a próxima vez!

Uma cabeçona daquele tamanho, com mais um linguado ovado de 1 kg (para o senhorio) , mais as entradas da praxe onde se incluiu "dobradinha", "sardinhas fritas" , pataniscas de bacalhau" e  "prato de enchidos de bísaro" , com um monumental melão apimentado e duas jarras de vinho branco da casa. Um épico almoço por 50 euros por cabeça.

Grande Sr. Barroso!  Muitos anos de boa vida!

terça-feira, julho 26, 2016

Volta a Portugal



Não gosto muito de ciclismos... Aprendi a andar de bicicleta e até me aventurei por trilhos mais ou menos campestres na minha adolescência, mas o certo é que rapidamente larguei a bicla e  me cheguei aos outros desportos de que gostava mais. E como no sítio onde morava e moro este meio de transporte não era prioritário (levo 8 minutos a pé para chegar à estação da CP), mais uma razão para não ter adoptado as duas rodas de tração animal.

Por isso vejo com algum distanciamento os "Jaquins Agostinhos" de Verão. Devo contudo dizer que reconheço os benefícios deste desporto, para a saúde e para a estética,  sendo sem dúvida por isso que esta moda pegou em todas as épocas do ano. Tenho até um amigo que é profissional de artes gráficas e não deixa de ser um exímio praticante de trial  - penso que será assim que se chama, mete bicicletas e longos percursos.

Desta forma a Volta a Portugal a que me refiro é a minha. Parto hoje para Braga e depois dou uma saltada a Viana.  Vou reunir para falar de selos e de livro sobre os notáveis Arcebispos de Braga. E gostaria de meter o nariz na Feira do Livro de Viana, onde temos um stand.

Posts vão estar de molho (tomara eu também) até sexta feira. Mas farei uns apontamentos sobre os secos e molhados dos locais onde parar.

quinta-feira, julho 21, 2016

Para Descansar a Vista



Neste final de semana faço uma "infiltração" na coluna. Mas das modernas, acho que se chama nucleólise de ozono , técnica não invasiva ( e de rápida recuperação) para minorar as consequências da inflamação no nervo ciático.

A qual já me incomodou mais, mas quando dá sinal de despertar não é flor que se cheire...E com uma horas de pé "a ver os aviões" com o PR piorou.

Como ainda por cima tenho para a semana trabalho em Braga e Viana do Castelo, com muitos km para fazer de carro, mais vale prevenir.

De todas as formas fico na sexta feira "esticado". Pelo que  vai já hoje o poema das sextas antecipado.

Do grande mestre Herberto Hélder aqui ficam variações sobre um poema:

Sobre um Poema

Um poema cresce inseguramente
na confusão da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo. Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
- a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

- Em baixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.
- E o poema faz-se contra o tempo e a carne. 

Herberto Hélder


quarta-feira, julho 20, 2016

Tintos de Verão?

Um conhecido escanção francês,  quando questionado sobre os melhores vinhos tintos para beber no Verão, a temperaturas ambiente perto dos 30 graus ( e mais) respondeu de forma clara:

-"Qualquer um dos grandes vinhos . O verdadeiro conhecedor bebe  em ambientes refrigerados com ar condicionado".

Pondo de lado o imperialismo da resposta - Oh miserável, vai mas é comprar à Sanyo o Ar Condicionado antes de fazeres a garrafeira no T2 onde pernoitas! - devemos saber que existem vinhos tintos  mais indicados para o Inverno e outros para o Verão.

Mesmo que  a temperatura de serviço seja a mesma em qualquer mês do ano, o certo é que os 17º da garrafa em Agosto e os mesmos 17º em Novembro nos "parecem" bem diferentes.

Direi que não só nos parecem, como também nos sabem a diferente. Para já não dizer que, em plena canícula agostiniana, muito rapidamente os 17º do vinho na  garrafita chegam aos 25º nos copos, se não bebermos depressa...

Variáveis como a idade, estrutura, casta, acidez e até a cor do vinho, podem pesar na balança da decisão sobre o que será um tinto mais adequado para as temperaturas elevadas.

De facto, são os taninos, corpo, acidez e grau álcool que normalmente vêm de mãos dadas com potencial de envelhecimento e fazem a base do que se convencionou chamar "Grandes Vinhos".

Mas nem só dos Petrus, Cheval Blanc e Barcas Velhas vive o enófilo.  E há vinhos tintos muito bons para todas as ocasiões, mesmo que seja em pleno Verão.

À beira da praia, perante um almoço de peixe grelhado, penso que apenas um empedernido apoiante do velho ditado "vinho é tintobranco é refresco"  continuaria a refugiar-se no tinto.

Mas admitindo que a noite já caiu e que estamos perante a hipótese de um jantar elaborado, onde a ementa, embora mais aligeirada, tem pratos de carne, porque não apostar num tinto jovem e mais leve?

Os antigos lavradores diziam que,  no Dão,  o branco era para o Inverno e o tinto para o Verão.  Há alguma verdade nisto, sobretudo se tivermos na mesa os brancos velhos de encruzado e os tintos mais novos de alfrocheiro ou de touriga.

Um destes tintos novos de grau álcool mais contido acompanha magnificamente pratos ditos "de verão" onde a carne predomina (ou não). Lembro-me por exemplo da família dos tártaros e carpaccios, não esquecendo os souflés e até alguns fricassés de aves.

E para não estar sempre a falar do Engº Álvaro de Castro aqui vai outra proposta: Vinha Paz (António Canto Moniz). Por cerca de 8 euros o Vinha Paz colheita de 2014 é uma proposta excelente para as noites de verão, se a comida ajudar. Tem 13º  e é um vinho macio com  fruta silvestre, fresco, pouco encorpado e elegante, com um final longo e persistente.

Claro que entre brancos e tintos aparecem os rosés... 

Algo vilipendiados pelo Macho Luso, acusados de serem "vinhos para damas". 

Todavia serão das propostas mais adequadas aos meses de muito calor e têm (os melhores) aptidões gastronómicas evidentes. Para além de serem daqueles que mais aguentam o inimigo número um do vinho: o vinagre . Do qual por vezes se abusa nos pratos mais veraneantes (escabeches frios e mayonaises vêm logo à memória).

Mas essa será uma história para discutirmos mais tarde.

terça-feira, julho 19, 2016

Espreitando pela fechadura

Estava um destes dias a almoçar no Pedro da Horta dos Brunos quando entram mais dois hoteleiros pela porta. O Sr. Evaristo com a Dona Graça (do Solar dos Presuntos) e ainda o Sr. Angelino Fernandes (Nora do Zé da Curva, em Guimarães) também acompanhado pela esposa. Este último tinha trazido dois melões de casca de carvalho bem maduros, daqueles que só se encontram no Minho. E que bons estavam!

Gosto muito de ver os oficiais do mesmo ofício a frequentarem os colegas.  É saudável e parece sempre bem. E se quisermos procurar desígnios mais "obscuros",  tem ainda a vantagem de assim se poder "espiar" a concorrência sem ter que espreitar pelo buraco da fechadura.

O que, obviamente e pelas pessoas referidas, nunca, (mas nunca mesmo !)  estaria em causa naquele dia do almoço citado.

O Pedro tinha recebido de Tondela  dois cabritos daqueles de comer e chorar por mais. E foi o que se comeu. Com um tinto argentino  assinado  Rui Reguinga, feito com  Malbec e Touriga Nacional. Um pouco estranho mas muito gastronómico.

Esta situação lembrou-me a velha Cascais da Rua das Flores (rua da lota) , lá para os anos 80 do século passado, onde os proprietários dos restaurantes se davam todos bem mas não desdenhavam espreitar pelo canto do olho o que se passava nas casas "do lado". Sobretudo quando o negócio ia mais fraco.

Nessas alturas era usual mandarem um empregado dos mais novos ir até à Rua Direita e voltar devagar, tomando mentalmente notas para depois fazer o relatório à chegada. Assim que os outros davam pelo "passeio" começavam logo a chamar coisas feias ao desgraçado. E a mandá-lo trabalhar ou, ainda pior, a "regressar à barraca"!

Nós clientes gozávamos como uns perdidos com estas cenas. Muitas vezes trazíamos as contas, que tínhamos pago numa casa , para a outra e tentávamos fazer negócio com as ditas cujas:
- Oh Sr. Américo (do Sagres)  troco esta conta do Beira Mar por um whisky velho! 
 - Ai não quer? Não faz mal que vou vendê-la ao Sr. Pinheiro! (Do Pimentão). 

Claro que era tudo na brincadeira. O meu amigo Manuel Moreira (infelizmente já desaparecido) fazia um cozido à portuguesa descomunal no Pipas, nas quartas feiras de Inverno. Eu era cliente, já se sabe.

Parece-me até que com o Luís Corte-Real e mais uns parceiros (onde o Paulinho Mendonça do Beira Mar às vezes se incluía) demos cabo do stock do Tinto de Borba rótulo de cortiça de 1964, uma pinga de cair para o lado... Quando vieram as últimas garrafas para a mesa o Manuel Moreira disse logo que aquelas não se vendiam. Era oferecidas.

 O sucesso espalhou-se. Começou a soar a história do "cozido das quartas feiras " e de como o grupo do "cozido" , que tinha começado com 4  mânfios por minha instigação, já ia em 9 ou 10.

Pelo que alguns dos colegas dos outros restaurantes pensaram logo na imitação. Quem se adiantou foi o Sr. Américo.

 E logo convidou o grupo numa quinta feira para o cozido dele. Lá fomos. Era também muito bom. Estávamos no tempo em que a  esposa ainda tomava conta da cozinha no Sagres, a Dª Maria da Luz. E ela sabia cozinhar magnificamente.

Ficámos assim com um problema. Onde ir? É que comer cozido às quartas e às quintas pode fazer-se por uns tempos, mas tende para o enjoo, como percebem.

Quem ganhou esta contenda foi o Borba de 1964. Ou seja, o Manuel Moreira do Pipas, que sempre tinha tido faro para abastecer a garrafeira quando lhe cheirava que o vinho poderia aguentar-se bem.

E lá nos íamos distraindo com estas exéquias. Bons tempos em que eram estas as preocupações. Brincar com os amigos entre garfadas e copos de muita qualidade.

sexta-feira, julho 15, 2016

Não há palavras



Há histórias que nos dão um punho no estômago logo pela madrugada, como foi a do atentado em Nice de ontem à noite.

Aqui sentados à sombra das palmeiras da nossa marginal já estávamos incomodados quando soubemos que  a marinha italiana retirara na quarta-feira mais 500 cadáveres do mar. Náufragos da fuga a caminho da Europa.

Homens , mulheres e crianças,  a quem prometeram o paraíso para depois  serem roubados e deixados à deriva por meliantes.  E digo apenas "incomodados" porque era "gente" longínqua, das Sírias e dos Iraques.  E talvez também porque são tantos estes náufragos mortos que a nossa sensibilidade já está a ficar embotada com a repetição destas notícias..

Mas quando morrem 80 pessoas em Nice, europeus como nós, porque um tresloucado usou um camião como arma de guerra, o incómodo passou de repente a ultraje, uma sensação de aviltamento que nos dá vontade de fazer qualquer coisa.

Pelo menos compreender a atitude do jovem português Mário Nunes, que desertou da FA para ir combater o Daesh de armas na mão, tendo morrido em combate.

Parece que a "táctica" do terrorismo estará agora a apostar na actuação do chamado "lone wolf" - o militante sozinho que se infiltra para depois fazer uma barbaridade daquelas, utilizando instrumentos de trabalho  em vez de armas sofisticadas ou explosivos.

São mais difíceis de detectar e causam tantos estragos, ou até mais do que o terrorista "convencional", o "bombista".

Quem se deve estar a rir por dentro com estes ataques são os partidos de extrema direita, cada vez mais a verem reforçadas as suas ideias xenófobas nos mais diversos extractos da sociedade.

E é isso que as Daesh's deste mundo pretendem.  A extrema direita no poder é terreno fértil para recrutamento de simpatizantes. Admiro-me como ainda há quem não perceba isto no ocidente e vá jogar direitinho  com as mesmas regras dos terroristas.

quarta-feira, julho 13, 2016

Não ouvir



Estou há alguns dias sem ouvir quase nada do lado direito. O meu colega dos Salesianos e agora  Otorrino em Cascais não me atende o telefone. Deve estar de férias.

Não me parece que tenha sido das emoções da grande final. Se fosse rouquidão talvez. E não atino com o motivo, embora o médico já várias vezes me tenha dito que tenho o canal auditivo muito apertado, perguntando-me se fazia surf...

Parece que é a água fria do mar que pode provocar estes "apertos" do canal. Mas Surf eu não fazia. E o mais que praticava  - no mar - era o tradicional e honrado desporto de boiar.

Agora, boiar dentro de água fria deve ser ainda pior que surfar,  dado que o surfista nem sempre está com  a orelha na água. Mas isso serão detalhes.

O mais importante é que deixei mesmo de ouvir daquele lado e passo a vida a pedir aos interlocutores que se coloquem à minha esquerda.

Muito me tenho lembrado  do Engº Emílio Rosa e dos seus problemas sociais devidos à surdez.

Uma vez estava o presidente da Federação Europeia de Filatelia do lado "mau" dele à mesa (era Emílio Rosa Presidente dos Correios) e não se conteve depois do jantar. Chamou-me de lado e disse-me que se tratava da pessoa mais mal educada com quem se tinha sentado a uma mesa! Nem lhe respondia!

Pudera...O Engenheiro não ouvia nada daquele ouvido. Nada mesmo! E tive que me rir ao mesmo tempo que explicava.

À volta cá te espero! E é bem certo.

Há coisas que não tenho pena de deixar de ouvir.  Mas o mundo não está feito de forma que as coisas boas venham da esquerda e as coisas más nos cheguem do lado direito. É pena mas é a vida...

Por isso abalo daqui a pouco para a CUF para que me façam uma ou duas mangueiradas de desentupimento.

segunda-feira, julho 11, 2016

Noite de Redenção



Nascemos para sofrer, como escreveu Jean-Jacques Rousseau. Que era francês...

Mas que bela noite cheia de peripécias que fazem empalidecer um filme de mestre do suspense.

Depois de ter visto a obra prima (classificação 10\10 do IMDb pela primeira vez na história) que foi o episódio 10 da sexta série de "Game Of Thrones", continuámos a noite com os 120 minutos mais longos de qualquer jogo de futebol a que tenha assistido.

Teve tudo: A "morte" do artista principal, o longo período de sofrimento e de perda iminente e o final feliz concretizado pelo "patinho feio" da selecção. Que nunca tinha sido utilizado ainda na fase final.

Tivemos connosco a estrelinha da sorte. Não há dúvida que sim. Mas fizemos por a merecer.

Audaces fortuna juvat.

E, já agora, espero que se lembrem daquele que era grande crente na "estrela da sorte"? Esse mesmo, Napoleão Bonaparte. Não era também ele  francês? ... Que me perdoem os corsos.

sexta-feira, julho 08, 2016

Com vista para a Esperança do Título



Haja unhas em condições de morder, haja alma e coração. Domingo às 22h logo saberemos quem leva a taça. Ou mais tarde se for tudo a penaltis.

Aconselho amêndoas torradas e um "refresco" a condizer. Evitem cognacs e armagnacs.

Há uns Portos mesmo a calhar para esta aventura: O Porto Branco Seco, quando servido com água tónica, gelo e uma rodela de limão num copo alto, o chamado “PORTONIC”, é um fantástico aperitivo! 

De todas as formas e para dar coragem impôe-se um poema de esperança.

Do velho Filinto Elísio (se fosse vivo faria 283 anos em Fevereiro) o padre poeta, mestre da Marquesa de Alorna, aqui vai um exemplo do seu "neoclassicismo".

Não aprecio muito a forma, mas adequa-se ao tema do fim de semana...

Ode à Esperança

Vem, vem, doce Esperança, único alívio
    Desta alma lastimada;
Mostra, na c'roa, a flor da Amendoeira,
    Que ao Lavrador previsto,
Da Primavera próxima dá novas.

Vem, vem, doce Esperança, tu que animas
    Na escravidão pesada
O aflito prisioneiro: por ti canta,
    Condenado ao trabalho,
Ao som da braga, que nos pés lhe soa,

Por ti veleja o pano da tormenta
    O marcante afouto:
No mar largo, ao saudoso passageiro,
    (Da sposa e dos filhinhos)
Tu lhe pintas a terra pelas nuvens.

Tu consolas no leito o lasso enfermo,
    C'os ares da melhora,
Tu dás vivos clarões ao moribundo,
    Nos já vidrados olhos,
Dos horizontes da Celeste Pátria. 

Eu já fui de teus dons também mimoso;
    A vida largos anos
Rebatida entre acerbos infortúnios
    A sustentei robusta
Com os pomos de teus vergéis viçosos.

Mas agora, que Márcia vive ausente;
    Que não me alenta esquiva
C'o brando mimo dum de seus agrados,
    Que farei infelice,
Se tu, meiga Esperança, não me acodes?

Ai! que um de seus agrados é mais doce
    Que o néctar saboroso;
É mais doce que os beijos requintados
    Da namorada Vénus,
A que o Grego põe preço tão subido.

Vem, vem, doce Esperança, que eu prometo
    Ornar os teus altares
Co'a viçosa verbena, que te agrada,
    Co'a linda flor, que agora,
Enfeita os troncos, que te são sagrados. 

Filinto Elísio - "Odes"

quarta-feira, julho 06, 2016

Gales, o adversário amigável



O País de Gales tem por tradição ser a pátria do arco longo que ganhou as batalhas de Crécy,  Poitiers e Agincourt (Guerra dos 100 anos). Os melhores archeiros do mundo eram ali criados e treinados. Não era por acaso que os franceses, naquela altura da "pancadaria",  imediatamente cortavam os polegares a todos os prisioneiros galeses que apanhavam ... Sem polegares acabava a extensão do arco.

Tem o País de Gales ainda a fama e o proveito de ter uma "língua" ainda mais esquisita do que o nórdico da Dinamarca , que é considerado pelos próprios não tanto como um dialecto mas mais como uma doença da garganta...

Para exemplo, um local (aldeia) no País de Gales tem o seguinte nome:  Llanfair­pwllgwyngyll­gogery­chwyrn­drobwll­llan­tysilio­gogo­goch

Já acabaram de pronunciar? É obra... E significa o quê? Aqui vai em inglês normal: Saint Mary's Church in a hollow of white hazel near the swirling whirlpool of the church of Saint Tysilio with a red cave.

Do ponto de vista gastronómico Gales é sinónimo do melhor cordeiro do Reino Unido. As pastagens magníficas em montanha originam das melhores carnes de borrego do mundo. O problema estará (para o nosso gosto) na maneira como o preparam.

A forma tradicional de assar o borrego é deixando-o rosado , a adivinhar-se o sangue... Segue imagem para apreciarem a coisa.

Mas esta noite o problema não é borrego, língua de trapos ou arco e flechas. É bola na relva e chuto para a frente.

Amigos de Gales, desejo-vos o melhor do mundo em tudo. Nem me ralo que tenham votado a favor do Brexit. Mas percam o joguinho se fizerem favor...

quinta-feira, junho 30, 2016

Portugal-Vietnam: 500 anos de contactos

Hoje recebo o Encarregado de Negócios da Embaixada do Vietname em França ( aqui ainda não têm representação). Fala bem português porque já foi embaixador em Angola. E estará presente na cerimónia de amanhã, quando colocarmos em circulação a emissão de selos que dedicámos - em ambos os países - a estes 500 anos de relacionamento.

Passaram 500 anos desde que Fernão Peres de Andrade, pressionado pela turbulência da monção, chegou a Da Nang, a região da Cochinchina que muitos anos mais tarde, em 1802, quando ocorreu a reunificação do território pela dinastia Nguyên recebeu o nome Viêt Nam (Povo do Sul) para designar o povo e o país.

Evidentemente que a Cochinchina dos Portugueses em 1516 não corresponde ao espaço do protetorado francês homónimo do século XIX. E, por outro lado, nunca os naturais da terra chamaram Cochinchina ao território onde viviam; apresentavam-se na corte chinesa, nos séculos XVI e XVII, como Dai-Viêt (Povo Ilustre).

O que interessa salientar neste historial longuíssimo de vivências comuns é que ao longo destas centenas de anos de contactos comerciais e culturais, nunca existiu a sombra de nenhuma guerra entre os dois povos, nem sequer nenhuma tentativa de colonização por parte dos portugueses. E é este um caso notável de exemplar relacionamento entre duas formas de ser e de estar tão afastadas no espaço e tão diferentes culturalmente como a vietnamita e a portuguesa.

Para comemorar esta efeméride decidiram os Operadores Postais Designados dos dois países lançar uma emissão filatélica conjunta. Trata-se de uma iniciativa que traduz, naturalmente, o ambiente de boas relações mútuas existente, mas que é em si mesmo um gesto que vem contribuir para reforçar os ancestrais laços de amizade que unem os dois povos.
Uma imagem expressiva desse espírito de abertura, diálogo e amizade que se deseja manter e incentivar no relacionamento entre os nossos países foi escolhida para ilustrar os selos que agora são postos a circular em Portugal e no Vietnam.


Trata-se de dois magníficos exemplos de porcelana da época deste primeiros contactos, uma executada no Vietnam e a outra em Portugal.

terça-feira, junho 28, 2016

Bienal do Azeite



.
Sempre estive mais virado para o vinho.

Que querem, o azeite fazia parte dos dados adquiridos quando casei na província.  


A "casa agrícola" dos meus sogros também tinha vinho, e bom! Mas de facto o azeite não se discutia tanto como o vinho. 

Lá estavam as árvores, lá se colhia a azeitona em Dezembro, lá se fazia a lagarada.  Enchiam-se os potes, começava a usar-se do mais antigo, a malta arrecadava uns garrafões para trazer para Cascais e pronto.

O vinho era a estrela da companhia. Alvo de provas e reprovas (nalgumas "reprovavas" mesmo para baixo da mesa). Vinham os taberneiros e donos das lojas testar os depósitos, faziam-se as travessas de febras para ajudar à festa, abria-se um queijo velho para ensopar. E quando se faziam as contas era quase ela por ela... O preço a que o meu sogro vendia o litro quase não dava para cobrir as tais "festas" das provas e reprovas.

Este azeite feito em lagar conhecido e com a nossa azeitona passou de moda.

Costumávamos fazer a noite da lagarada à espera do trabalho da pressão, assando postas de bacalhau com batatas a murro numa fogueira acesa em frente ao lagar. Não só todos comiam e bebiam bem como também era desculpa para estarmos de olho na nossa azeitona, garantindo que o azeite que se levava era o que correspondia à azeitona de nossa casa.

Hoje não funciona assim. Entrega-se a produção  e o mestre do lagar faz a mistura atendendo à qualidade e "raça" do fruto.  Paga-se  em dinheiro  e já não  em quinhão de azeite.

Em Castelo Branco realiza-se de 1 a 3 de Julho a Bienal do Azeite, desta vez centrada no tema: “O Azeite e a Dieta Mediterrânea".  Este evento realiza-se  de dois em dois anos e é organizado pela Câmara de Castelo Branco, Casa do Azeite, APABI (Associação de Produtores de Azeite da Beira Interior) e Confraria do Azeite.

Os CTT e a Filatelia vão lá estar, representados pela TerraProjectos, tal como aconteceu em Santarém, na Feira Nacional da Agricultura. 

É um pretexto para visitar a bela cidade e provar os queijos fenomenais que por lá se fazem. Idanha-a-Nova e Alcains integram os rebanhos da  Cooperativa de Produtores de Queijo da Beira Baixa, que foi muitas vezes ofuscada pela aristocracia da serra. 

Mas que agora ganham estatuto e nobreza.  Entre eles o Castelo Branco Amarelo DOP. Mas sem esquecer os "queimosos" de sabor e cheiro tão característicos que sabemos de fonte segura que a mulher do nosso amigo que nos costuma trazer uns para o “Jockey” já lhe fez um ultimato: ou vem ela ou vêm queijos desses no carro. Ambos nunca!

Vamos até lá provar o azeite, comer o bacalhauzinho e trincar alguns destes queijos.


segunda-feira, junho 27, 2016

Fim de Semana branco

Branco, de Hospital. Foi onde passei grande parte da sexta, do sábado e do domingo.

Almoços fartos e demorados foram adiados para melhor ocasião, e as santas tiveram que se aguentar firmemente. Ia dizer " ao bife", mas a verdade é que nem isso houve para ninguém...

Uma delas ficou às voltas com a "dieta" hospitalar. Pouco faltou para atirar com o prato da vitela estufada ( sem sal) à cabeça da senhora empregada lá na CUF... E a outra irmã, tal como o senhorio,  foi contentada à custa de frangos do "galego" (sem ofensa, que o gajo é rico como o Jorge Mendes).

No Domingo à tardinha, quando veio para casa depois da operação, a mãe  quis logo café. E ao ver-me com a chávena na mão indagou de imediato:  Só café? Não há nada para comer?? Isto ainda é pior que o hospital!

E logo acrescentou: "Quero ir ao cabeleireiro. A operação deixou-me o cabelo todo em pé!"

Como se vê as coisas estão a entrar na normalidade.

O maior problema foram as duas anestesias com um intervalo pequeno, que lhe deixaram a pobre cabeça um bocado azoada... Mas vamos lidando com o assunto de forma filosófica.

Até dá um certo jeito esta sensação de confusão mental...Pode ser que ela não se lembre de me pedir de volta os cartanitos...das contas bancárias...

Mas não conto muito com isso.

quinta-feira, junho 23, 2016

Para Descansar a Vista ...à quinta feira



Amanhã tenho de acompanhar a minha santa a mais uma peregrinação pelos hospitais da CUF, pelo que adianto aqui hoje o poema das sextas feiras que, aliás, está há 15 dias à espera de ver a luz do dia.

Nesta época do ano em que a maioria do povo não despega os olhos do Europeu de Futebol (e que grandes "empatas" nos estamos a sair!) fica bem temperar a emoção com poesia adequada ao tema.

Do grande Carlos Drummond de Andrade aqui vai um poema sobre o futebol:

Futebol

Futebol se joga no estádio?
Futebol se joga na praia,
futebol se joga na rua,
futebol se joga na alma.
A bola é a mesma: forma sacra
para craques e pernas de pau.
Mesma a volúpia de chutar
na delirante copa-mundo
ou no árido espaço do morro.

São voos de estátuas súbitas,
desenhos feéricos, bailados
de pés e troncos entrançados.
Instantes lúdicos: flutua
o jogador, gravado no ar
— afinal, o corpo triunfante
da triste lei da gravidade.

Carlos Drummond de Andrade in "Poesia Errante"

quarta-feira, junho 22, 2016

Limão e Laranja



Aproveitei um convite de dois bons amigos para ir conhecer uma nova locanda para dar trabalho aos dentes.

Em Lisboa. na avenida que liga Telheiras a Carnide ( Av. das Nações Unidas) aparece escondido debaixo de um prédio de escritórios e de habitação um simpático restaurante para gente simples à procura de novidades nesta cidade já um bocadinha cheia ( e perdoe-se-me a leviandade) de "alentejanadas" e de peixe crú com sotaque asiático.

Chama-se "DonLimão DonaLaranja" assim tal e qual escrevi. E fica no número 25B da dita avenida.

A sala  é bem pequena  pelo que a reserva é muito aconselhável  - 964 375 568. Nela pontifica mestre Luis e a esposa, ajudados por uma simpática empregada de sotaque açucarado.

A ideia é porem-se nas mãos do proprietário e comerem o que ele lhes disser. Ontem havia chocos assados no forno, pato idem. E mais  as Línguas de bacalhau cozidas com todos e a bela Sardinha assada no carvão. Aliás, é casa de bons grelhados no dito carvão.

Onde fica a grelha parece ser mistério, mas uma coisa é certa: não se dá pelo cheiro dentro da sala, o que é um alívio.

Os vinhos são poucos mas bem escolhidos e (segundo parece, porque não fui senhor de pegar na carteira) a bons preços.

Comeu-se nesta primeira visita as entradas de queijo fresco com massa de pimentão açoriana ao lado, chamuças com recheio da casa (acabadas de fritar) e salada de bacalhau crú.

Depois vieram os chocos assados e o pato. Melhores talvez os chocos do que o pato, ou seria o apetite já satisfeito que influenciou o paladar?

Para sobremesa um queijo de Serpa superlativo, que veio para a mesa quase inteiro e dela saiu meio "aviado"...

Vinhos bebidos: Odisseia  branco e tinto do Douro 2011; Conde da Ervideira branco reserva (um pouco de mel a mais num vinho excelente) e Lupucino Douro, também ele de 2011. Levaram a taça os dois Odisseia.

Pelo preço dos pratos - entre 9 euros e 12 euros - admito que o máximo que se poderá ali pagar, bebendo vinho, café e sobremesa, será em redor de 20 a 25 euros por cabeça. Mas como não me deixaram pagar ...

Ontem não terá sido assim uma conta tão "contida", porque abusámos dos vinhos (eram conhecedores à mesa)  e terminámos com o tal queijo de Serpa que era um "monumento" .

Este restaurante vale pela originalidade, pela simpatia do proprietário e esposa, mas sobretudo pela nota de cozinha "caseira" que dali se desprende.  Recomendado!!

segunda-feira, junho 20, 2016

Azambuja: 100 anos do 1º voo militar



Vamos montar uma pequena exposição no Museu Municipal da Azambuja - aliás um espaço notável para compreender a vida do Ribatejo - subordinada ao tema da Aviação Militar.

Temos várias emissões de selos adequadas ao assunto, mas também possuímos artefactos que foram utilizados no serviço de "correio aéreo" e que poderiam ser mostrados ao público, De entre eles destaco uma caixa de estilo "Art Nouveau" que segundo uma lenda dos correios teria sido desenhada por mestre Almada Negreiros.

De notar que os primeiros selos portugueses de correio aéreo datam de 1936, com desenho de Almada Negreiros, representando um hélice.

Uma confusão que pode ser feita pelos menos entendidos na matéria tem a ver com a emissão por parte dos CTT de várias  séries de selos comemorando o Centenário da Aviação em datas diferentes. De facto  as datas são diferentes, mas os acontecimentos também o são:

- Execução do 1º voo tripulado em Portugal - 27 Abril de 1910
- Criação da Aviação Militar em 1914 (Lei 162 de 14 de Maio)
- Execução do 1º voo militar - 17 Julho 1916, pelo Tenente Santos Leite, em Vila Nova da Rainha

A 17 de Outubro de 1909, houve também um curto voo junto à  Torre de Belém, em Lisboa, protagonizado pelo francês Armand Zipfel que  pilotou um avião Voisin Antoniette.   Por esse motivo alguns datam de 1909 o início da aviação no nosso país.

Com tantas datas diferentes pode haver alguma confusão. Razão tem a Força Aérea: está a comemorar os 100 anos começando em  2014 e acabando em 2016.

quarta-feira, junho 15, 2016

A realidade espanta mas não deve ser ignorada...



Eram 7,10 desta manhã quando caiu uma valente carga de água sobre Lisboa.

O quiosque dos jornais estava meio alagado e os proprietários (marido e mulher) amaldiçoavam S. Pedro por entre os dentes, ao mesmo tempo que se queixavam da prestação da selecção no jogo de ontem. A culpa (segundo o entendimento do casal) era da fraca forma do CR7  e dos dois centrais.

E porque é que não puseram o miúdo a jogar mais cedo??  Fernando Santos também não ficou muito bem neste retrato tirado a esta hora matinal por dois peritos no assunto.

Peritos? Pelo menos as fontes estavam sempre ali perto...Os jornais desportivos são sempre os primeiros a chegar ao quiosque. Mais do que posso dizer sobre os pretensos "peritos" comentadores que atravancam as TV's.

Mas adiante que não estamos em Amarante.

Já o vosso blogger esperava junto da porta da Versalhes que lhe franqueassem a entrada para o café da manhã quando entrou um dos meus companheiros de aventuras matinais. Vinha de cabeça descoberta e pingava.

Perguntei:
-" Mas não tinha guarda-chuva no carro?"
- Tinha, mas recuso-me a pactuar com estas reviravoltas nas estações do ano! Estamos a 15 de Junho! Devia fazer sol e calor a adivinhar o Verão. Se chove eu não me acobardo! Mostro desta maneira a minha revolta!"

Tá bem. Há casos destes, alguns dos quais estarão internados. Mas outros, como se prova, nem por isso.

Imagino se  tivessem a mesma filosofia  os revoltados alfacinhas com as obras que querem fazer a toda a pressa na nossa cidade? Entrariam alegremente com o carro pelo "canteiro" plantado pela autarquia no centro da Av. da República ( ou da 2ª circular)?

No fim de contas para eles era como se lá existisse pavimento, como sempre existiu...

Cito Lou de Olivier  (psicopedagoga, psicoterapeuta, especialista em Medicina Comportamental):

"A fuga da realidade mostra como nos esquivamos  de enfrentar as frustrações, um comportamento cada vez mais frequente, que faz o sucesso das telenovelas e dos consultórios.
E a vida real? Esta pode esperar ou até acontecer em paralelo, desde que não atrapalhe a novela"

terça-feira, junho 14, 2016

Só dá "bola"...


Resultado de imagem para Selecção, portuguesa

As minhas santas estão desoladas. A TV "só dá bola"!

Mesmo o canal preferido (CMTV), onde todos os dias viam com sofreguidão o rol das mortes e assassinatos (concluídos, pensados ou imaginados), se dedica nesta altura do mês a dar directos de França e do campeonato da Europa de futebol.

A versão pós-moderna da "Escrava Isaura" é interrompida a torto e a direito para dar entrevistas com emigrantes em França. Sacrilégio! Nódoa na honra de qualquer estação televisiva.

Já falam ambas em queixar-se por escrito. Por mim tudo bem. Trabalho nos correios e qualquer carta selada com selo mesmo é bem vinda. Até estou a ver se as convenço a enviarem uma carta cada uma...

Indignações da terceira idade à parte, estou mesmo assim convencido que esta sofreguidão em seguir a tendência e perseguir as audiências com uma indigestão de bola a toda a hora, ignora estratos respeitáveis da sociedade.

Eu gosto de futebol e até já reservei lugar para logo à noite, em frente à TV, para ver o jogo inaugural da nossa selecção. Mas entendo que esta doidice seja mal vista por quem passa o dia em casa sem mais  nada que fazer, aqueles ou aquelas para quem a TV é de facto a única janela para o mundo.

Dou um exemplo: quando se começaram a saber detalhes sobre o pavoroso assassinato colectivo em Orlando, todas as TV's nacionais abriram os noticiários com o futebol e com o que se estava a passar no estágio, as dores de barriga do Quaresma, os jogos de ping-pong do Vieirinha com o Moutinho...

É demais e é exagero. Acho eu, que, como disse, gosto de futebol e apoio os "Patrícios II".

Mas sem dúvida que houve quem "fizesse as contas" lá nos canais de Televisão. É o vil metal. O lucrozinho a chamar.

Recordo-me de uma célebre crónica de meu mestre Vasco Pulido Valente, no "Público" , por alturas do "Euro 2004" em Portugal. E dela respigo algumas frases que cito de memória:

"Cercado por todos os lados (ele morava na altura perto do Estádio da Luz) encontro apenas na abertura do centro comercial algum refrigério. Pelo menos na FNAC ainda não põem todas as Televisões sintonizadas no omnipresente futebol. Só algumas... Vou e venho provido de mantimentos líquidos e sólidos, para aguentar em minha casa que passe este destempero. E trago livros. Mesmo assim não encontrei  tampões para os ouvidos que cumprissem bem a sua função."

Existirão muitos portugueses que o compreenderão bem. E goste-se ou não de ver a "Escrava Isaura" sem interrupções, manda o bom senso que se reconheça que tudo o que é de mais enjoa.

Mas lá está, hoje é dia de ir pastar a vaca. Prá Frente Tugas!

quinta-feira, junho 09, 2016

Beja e Serpa no menu deste fds prolongado



Hoje à tarde há cerimónia no velhinho Largo do Correio em Beja, para a apresentação do Postal Inteiro Comemorativo dos Jogos Nacionais do CDCR dos CTT, que é o nosso Grupo Cultural Desportivo e Recreativo.

Logo a seguir, no feriado do 10 de Junho, teremos em Serpa - na Casa do Cante - e também pela tardinha, a evocação do Cante Alentejano Património Imaterial da Humanidade Unesco. Fizemos uma série de selos que hoje será apresentada em Serpa com um carimbo especial da mesma localidade.

"Molhó Bico" e "Lebrinha" estão na calha para experiências científicas que metem copos e pratos...Vamos a ver se ainda estão ao nível da fama que tinham.

Depois conto como foi.

quarta-feira, junho 08, 2016

O Gil Vicente, os 10 porcos (com V. licença) e o Canário



Não sei se viram ontem na SIC a grande entrevista ao Sr. Fiúza, Presidente do Gil Vicente de Barcelos , depois de sair da sede da Liga e comentando a razão que - 10 anos depois - o Tribunal Administrativo lhe deu naquela questão da inscrição supostamente mal feita do jogador Mateus.

Uma decisão que valeu a despromoção ao Gil e obviamente muitos prejuízos morais e materiais.

Ontem a FPF recomendou à Liga a integração "imediata" do Gil no 1º escalão do futebol nacional, nem que para isso seja necessário aumentar o número de clubes na competição.

Pois o Sr. Presidente Fiúza, compreensivelmente comovido e emocionado, não se conteve. Chamou os "bois" pelos nomes, atacou a Mafia existente há 10 anos na cúpula do futebol nacional e, em laia de catarse, anunciou a grande festa que está a preparar para a sua cidade:

"Serão 10 porcos assados no espeto! Vai lá estar o Quim Barreiros e o Canário (suponho que se referia ao Sr. Augusto Canário, cantor popular)!  Vai haver vinho verde! E Cerveja à descrição! E algum Champanhe ( aqui notámos alguma contenção). E estão todos convidados!"

Dou os parabéns ao Sr. Presidente, ao Clube e à magnífica cidade. Onde, mesmo sem porcos nem canários,  é mister irmos algumas vezes para comer no restaurante do Hotel Bagoeira, ou no magnífico Pedra Furada .

Viva Barcelos! Onde nunca comi galo... Lembrei-me agora.

terça-feira, junho 07, 2016

A simpatia à mesa



Fiquei um bocado aborrecido porque a reunião na Câmara Municipal de Évora  que se realizou ontem tinha sido marcada para as 14.00h (mais ou menos).

Ainda por cima numa segunda feira... depois de saber que o "Fialho" encerra às segundas feiras e a outra "ourivesaria" da cidade, a "Tasca do Oliveira",  embora aberta nesse dia só  dá almoços a partir das  12,30 h. Ou depois...

O que me levou a procurar comida num local perto da edilidade, sem grandes pretensões e sobretudo sem procurar mesa farta e de respeito.

Mesmo assim,  quando me sento para comer há "pormaiores" a que me vejo obrigado. Nem que seja pelo respeito que a mim próprio devo.

Entre eles: o bom acolhimento, os guardanapos de pano, a paparoca bem feita e a simpatia da chamada  "envolvente", onde incluo o preço justo e a vontade de voltar..

Pois onde parei ontem a paparoca não era mal feita. Quanto ao resto? Ai Jesus! E não me refiro ao do Sporting.

Devo dizer para quem me ache snob, que até  posso perdoar os guardanapos de papel,  se for em recinto atascado, mas onde o resto funciona e a tal simpatia existe.

Agora, entrar num restaurante às 12,15h e ser olhado como se fosse um bicho do mato pela tal "envolvente"? Com a desculpa de que "ainda era cedo"? Mas na porta estava escrito que abrem ao meio dia... e não estamos em Espanha!

Fruto desse pecado original tudo o resto (excepto a comida, que não era mal feita, e o grande branco da Vidigueira de Antão Vaz) correu malzinho. Eu era "aquele que tinha vindo cedo demais"...

E ainda por cima sozinho!

Não havia sorrisos para tal meliante. Não havia conversa. Havia um olhar ávido para ver se comia depressa e largava a mesa, porque à espreita já estavam alguns clientes habituais, dos que vinham a horas decentes.

Onde foi que isto se passou? Já não me lembro. Há sítios assim. Parece que passam por nós a 100 à hora e rapidamente caem no esquecimento total e absoluto.

Total e Absoluto também não posso dizer... Algum resquício do local terá que ficar na memória, para que me lembre de nunca mais lá voltar, nem sequer passar à porta. Livra!

Pôrra Compadres!!

segunda-feira, junho 06, 2016

Em Évora



Temos uma celebração marcada para o dia da Cidade de Évora, 29 de Junho .

Trata-se de comemorar os 30 anos da elevação da cidade a Património Mundial pela UNESCO. Hoje estarei com a autarquia a tratar deste assunto.

A ideia será reeditar como um Postal Inteiro  a imagem célebre do bloco filatélico de Maluda "Janela da Casa de Garcia de Resende", que foi considerado como o melhor selo do mundo e que foi emitido exactamente para celebrar a decisão da UNESCO, em 1988.



sexta-feira, junho 03, 2016

Para descansar a Vista...Olhando para o subcontinente indiano

Ainda no rescaldo da famosa assinatura do memorando de entendimento que nos vai permitir finalmente ( depois de quase 20 anos) celebrar em selos postais  as relações centenárias entre os povos de Portugal e da Índia, nada como dar ao manifesto um poema com reminiscências do grande subcontinente indiano.

Com "chapelada" à Universidade de Coimbra (de cujo site o retirei) aqui anexo "6 poemas de Goa", de Liberto Cruz (1935-).


SEIS POEMAS DE GOA

1. Atravesso
    Devagar
    A ponte
    Dos Portugueses.
    Tem cinco séculos.

Uma saudade de pedra.


2. Terra vermelha.
    Verde o arroz.
    De chumbo
    Um céu dourado.
    Sortilégios
    Multicolores.


3. Dia da cobra:
    Ninguém trabalha.
    Respeita,
    Diz-me o jardineiro,
    E serás
    Respeitado.


4. Bairro das Fontaínhas:
    Sinto-me em casa.
    A paisagem
    Respira-se
    Como quem
    Saúda um vizinho.


5. Bovinamente altivos
    Os búfalos
    Pisam os campos
    Do arroz.
    Seu território
    Percorrem.


6. Festa do Ganesh.
    Cumprida a missão
    Deslizam
    Depois
    De tromba diversa
    Pelas águas do Mandovi.

Pangim, Julho/Setembro de 1996
Liberto Cruz
Nota:  Para além da sua obra como ensaísta, crítico literário, tradutor, coordenador de publicações de obras literárias, Liberto Cruz publicou seis livros de poemas – Momento, Névoa ou Sintaxe,Itinerário, Distância, Caderno de Encargos e Sequências; dois poemas longos em forma de pequeno livro – A Tua Palavra e Ciclo–; uma Gramática Histórica, próxima da poesia experimental, um diário de guerra em brevíssimos versos- Jornal de Campanha. A sua poesia figura em inúmeras antologias.

quarta-feira, junho 01, 2016

Em conversas com a Índia



Depois de Vasco da Gama ter chegado a Calecut as relações institucionais entre os tugas e os indianos têm sido assim-assim, para não dizer com altos e baixos...

Por lá andaram uns fulanos pouco recomendáveis (do ponto de vista local) - como o D. João de Castro e o Afonso de Albuquerque - por lá fomos recebidos e roubados , roubámos e recebemos, conquistámos e fomos conquistados, naufragámos e navegámos, e acabámos por fazer de  Goa placa giratória para Malaca e para a China e Japão.

Nos tempos mais modernos houve a "invasão" de Goa pelos indianos em 1961, a quebra de relações diplomáticas subsequente e o reatar das mesmas depois de 1974.

Tentei em 1998 fazer uma emissão de selos conjunta com a Índia sobre a chegada do Gama. Chamei-lhe "encontro de culturas",  para não dar a ideia de nos estarmos a armar em neo-colonialistas ( não confundir com neo-liberais). Mas debalde. Nem de balde, nem de pá e enxada, quiseram fazer a emissão de selos conjunta naquela altura...

Passados quase 20 anos foram os amigos indianos que se aproximaram de nós a pedir para fazermos os selos com o mesmo tema e para saírem no mesmo dia. 500 Anos de Relacionamento e encontro de culturas.

Quem imaginaria uma coisa destas?

Claro que dissemos que sim e estamos a trabalhar para resolver este assunto. O tema dos selos serão duas danças folclóricas de Portugal e da Índia com semelhanças: a dos Pauliteiros de Miranda e a Dandya Dance (Gujarat).

Ontem cá recebemos duas colegas da India Post e assinámos o acordo protocolar.

Saída destes selos está prevista para 26 de Setembro.



terça-feira, maio 24, 2016

O preço das coisas



Já pouco me espanta. Mas algumas situações do dia-a-dia ainda provocam algum sobressalto.

O que me parece ser sinal que as sinapses ainda estão a funcionar. Nas minhas tarefas de "dono de casa", que cumpro com muita honra e gosto pessoal, dou por mim várias vezes a questionar o preço das coisas que vejo e depois adquiro.

Um exemplo para o lado positivo é o assombroso preço a que se podem comprar hoje vinhos de qualidade. A menos de 5 euros por garrafa  podemos beber muito bem (sem vírgula entre os dois adjectivos).
Nos brancos e sem preocupações de ser enciclopedista, temos: Adega de Pegões colheita seleccionada, Quinta de Pancas e Ana Vieira Pinto Regional Alentejano 2014.
E nos tintos: Cerqueiral Vinhão (Arcos de Valdevez), Porca de Murça Colheita, e Vinhas Boas Dão 2009 (Cancela de Abreu).

Outro exemplo mas desta vez para o lado negativo é o preço do kg do peixe de captura: Cherne a 28€, Pargo a 25€, Dourada a 23€, Robalo a 23€, Garoupa a 18€, Sargo a 15€.

Pescada grande, daquelas de 3kg? Está pelo preço do ouro e da  prata...

Quem queira trazer para casa peixe de mar para cozer e para 4 pessoas vai refugiar-se na corvina por uns 14€ o kg.  Terá de comprar um peixe com 2 kg. Fica cada posta (incluindo a cabeça) por 7€... são postas grandes. Mas mesmo assim...

O que nos deixa na obrigação de começarmos a "pesar" a questão da aquicultura.

Para quem, como eu, foi habituado a ver chegar à praia dos pescadores as traineiras com o pescado da noite , esta história de "peixe de estufa" custa-me a encarar.

Mas há quem jure e trejure que a má fama vem das antigas explorações intensivas, feitas sem método e sem supervisão, abusando dos antibióticos ilegais e quase não deixando o peixe mexer-se.

E que hoje, pelo contrário,  as modernas operações de aquicultura permitem que os peixes nadem e que a sua alimentação seja mais condigna com os preceitos de higiene e de sabor.

Faço minhas as palavras deste especialista (Manuel Meireles; Delegado Regional da DRAPLVT): A nossa aquicultura está instalada em locais abrigados, principalmente nos estuários e por essa razão sujeitas a limitações especiais: os produtores estão impedidos de os criar de forma intensiva, o que é bom para o ambiente e bom para a qualidade do pescado. Os peixes da aquicultura que consumimos são importados e produzidos de forma massiva. Serão mais baratos, mas têm o mesmo sabor?

Ou seja, até na aquicultura há que defender o que é nosso!

segunda-feira, maio 23, 2016

Tempo de Bruxas e de resumo da matéria dada



"A chover e a fazer sol, estão as bruxas no paiol, a cozer o pãozinho mole"

Este Maio vai assim estranho. Sexta de inferno, depois da chuva fora de época. Melhoria do tempo e subida das temperaturas  para ir outra vez chover já na 4ª feira, (Instituto do Mar e da Atmosfera  dixit).

Também foi uma época agourada para os meus amigos adeptos do FCP (felizmente tenho muitos). Futebóis à parte vai aqui um abraço para todos e a menção que a vida é como os alcatruzes da nora, uma vezes para para cima e outras para baixo.

Honra ao Braga que jogando sempre na melhor tradição do "catenaccio" milanês acabou por ser feliz.

O SCP esteve bem, lutou até ao final, talvez um pouco "palavroso de mais", mas a culpa não é dos jogadores nem dos adeptos.

E o meu Estoril-Praia por uma unha negra não foi este ano à Europa, por causa de uns desastres nas duas últimas jornadas, com auto-golos e coisas parecidas.

O "Glorioso" SLB sai em ombros pela porta grande. Mas depois da "sangria" dos seus melhores jogadores já ninguém aposta como será a próxima época. O dinheiro pesa...

Começa agora o Campeonato da Europa, para dar distracção ao povo, que bem precisa. A praia não está convidativa e o subsídio de férias já não é o que era...

Nesta zona de veraneio onde moro,  as esplanadas, bares e restaurantes preparam a grande faina da época alta, de Junho a Setembro. Que tenham sorte! Bons clientes que não acompanhem a refeição com água é o que lhes desejo.

Agosto é o mês de pagar o IRS... Até me doem as costas a pensar nisso.

E com esta me vou, que hoje há Médicos e Hospitais para visitar. Outra vez...

Uma dor nunca vem só.

quinta-feira, maio 19, 2016

A caminho de Viseu



Lá vou andando, para as comemorações dos 500 anos da Misericórdia de Viseu.

Ir e vir rapidamente, Por causa da "santa". Agora que está melhor pensa que é a Naide Gomes ou a Rosa Mota e já lhe foge outra vez o pé para a brincadeira...

Se não andamos de olho nela basa imediatamente porta fora para ir ter com as amigas. Um perigo!

Almoço num local novo - O cantinho do Tito - e depois digo como foi.

terça-feira, maio 17, 2016

Sovinas e outros Invejosos



Acordei a pensar num amigo infelizmente já falecido e com o qual "contracenei" vários anos nas minhas funções. Ele, e mais alguns de que não darei nomes (obviamente), eram peritos na nobre arte de passar por entre os pingos da chuva no acto do pagamento.

Provavelmente a "câmara lenta" teria sido inventada quando alguém reparou no tempo que cada um destes senhores ( e senhoras) levava a tirar a carteira do bolso do casaco ou da mala.

Estes profissionais da poupança tinham esquemas admiráveis. Um dos que presenciei consistia em , chegados ao restaurante, pedirem um vinho dos caros que não havia na carta.  Perante o lamento do funcionário que os atendia a resposta era rápida:
"- Era isto que me estava a apetecer...Se não há,  olhe, dê-me uma imperial. Mas sff traga-me só o copo quando chegar o prato de comida à mesa! Não aprecio beber sem acompanhamento!".

Era uma espécie de  gente que telefonava para quem os convidava para um acontecimento público, como um concerto, e dizia com uma "lata" grandiosa:
-"Boa tarde! Venho confirmar a minha presença no concerto. Tenho um pequeno problema que decerto me vai resolver. Em minha casa jantam hoje comigo dois amigos. Sff mande-me bilhetes também para eles."

Quando começámos a fazer apresentações públicas dos nossos livros existia uma lista de individualidades a quem dávamos os livros porque tinham colaborado com a edição, oferecido imagens, etc...

Os tais "muletas negras" das borlas pareciam os abutres do Lucky Luke à espera do cadáver.
Logo que percebiam que havia livros oferecidos e outros vendidos não hesitavam.  Dirigiam-se à "banca" e apresentavam-se, Depois continuavam a conversa dizendo que tinham colaborado activamente na divulgação do livro. Se não fossem eles nem fulano nem sicrano teriam tido conhecimento do assunto. E acabavam exigindo um exemplar.

A frase mais utilizada por tais criaturas é sempre: -"Hoje paga você. Mas para a próxima sou eu! Está combinado!"

A "próxima vez" calhava sempre a 30 de Fevereiro...

Uma vez fizemos a folha a um destes sovinas. Tratava-se de uma daquelas reuniões com centenas de colegas, num hotel da zona centro onde dormíamos de seguida.

Perante a conhecida mania do "encostanço às notas dos outros" de um colega, achámos que estava na altura de lhe dar uma lição de boas maneiras. Conseguimos saber o número do quarto dele e a partir daí todas as bebidas consumidas por nós  no bar iam para aquele quarto!

Na altura da saída - e estamos a falar da época dos "contos", onde um whisky à noite depois da reunião de trabalho não parecia nada mal, e custava uns 200 escudos - o "homem" chegou-se ao balcão e pediram-lhe 17 contos de consumo de bar!

Os uivos ouviram-se no hotel todo...Bem feito!

A inveja , tal como a sovinice, também é uma coisa feia...

Eu tinha por norma basar sempre na altura dos jantares dessas reuniões magnas de trabalho com centenas de participantes.  Ia comer onde bem me apetecia, escolhendo os melhores restaurantes da zona onde era a reunião.

O Presidente dos CTT na altura - que gostava de comer bem e de beber ainda melhor, tal como eu - ficava furioso quando percebia que o "Je" já ia a caminho do leitãozinho do Mugasa, com um ou dois colegas, deixando para trás a reles carne assada da comunidade...

Então (invejoso do caraças!) colocou as minhas colegas das Relações Públicas à espreita do (s) impetrante (s) que se baldavam ao jantar comunitário. Estava eu a sair do estacionamento do hotel e lá vinham a correr as colegas:
-"Oh Doutor! Olhe que o Dr. Pilar já anda a perguntar por si! Tem de se sentar à mesa dele!"

E lá ia eu, porque o respeitinho era de mote com uma "criatura" daquelas...

Logo que me via o Presidente mandava logo a bojarda:
- " Queria comer bem não? E Beber melhor? Pois eu também! Sente-se aqui e aguente porque eu faço o mesmo! Era o que faltava! Você no bem bom e eu aqui a comer m***!

Bons tempos malta!

sexta-feira, maio 13, 2016

Para Descansar a Vista



Lá continuo com as férias "atípicas"... Ontem fui a Lisboa para a reunião da Comissão de Honra da AHRESP e ficou o "senhorio" a tomar conta do forte. Do forte não! Da castelã... Que vai bem melhor das dificuldades físicas. O problema é a cabecita. Não será a única...
Hoje dou um salto aos serviços de manhã e regresso logo a seguir.

No Domingo haverá a mudança de nome do velho aeroporto da Portela para aeroporto "General Humberto Delgado" e lá estarei com a "caixa" dos carimbos de prata.
Será também a 1ª "carimbadela do atual 1º ministro. O Prof. Marcelo já manipulou a "ferramenta" na Gulbenkian, para os "75 anos da Liga Portuguesa Contra o Cancro".

Sai então o habitual poema das sextas feiras, hoje dedicado ao Verão. O qual deve estar como a minha "santa", Esquecidinho de todo!

Aqui vai Fernando Pessoa, no seu disfarce de Alberto Caeiro:

No entardecer dos dias de Verão, às vezes, 
Ainda que não haja brisa nenhuma, parece 
Que passa, um momento, uma leve brisa... 
Mas as árvores permanecem imóveis 
Em todas as folhas das suas folhas 
E os nossos sentidos tiveram uma ilusão, 
Tiveram a ilusão do que lhes agradaria... 
Ah, os sentidos, os doentes que vêem e ouvem! 
Fôssemos nós como devíamos ser 
E não haveria em nós necessidade de ilusão ... 
Bastar-nos-ia sentir com clareza e vida 
E nem repararmos para que há sentidos ... 
Mas graças a Deus que há imperfeição no Mundo 
Porque a imperfeição é uma cousa, 
E haver gente que erra é original, 
E haver gente doente torna o Mundo engraçado. 
Se não houvesse imperfeição, havia uma cousa a menos, 
E deve haver muita cousa 
Para termos muito que ver e ouvir ... 

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XLI"