segunda-feira, novembro 28, 2016

Um "Ver se te avias"



Diz-nos o circunspecto Instituto Camões que a frase do título significa :"Termos de acelerar o nosso desempenho para cumprir uma determinada tarefa o mais rapidamente possível." 

Quem sou eu para discordar? Mas no vernáculo também se utiliza a frase em causa como sinónimo de "desbunda", "fartar vilanagem", expressões que pretendem designar uma pressa excessiva ou um ultrapassar dos limites em circunstâncias do dia-a-dia, e que são muito utilizadas no contexto político.

Fui almoçar à Cervejaria Ramiro, instituição quase "sagrada" da nossa restauração situada na Av. Almirante Reis,  um dia destes em que tinha obrigações de formador ali perto, na Rua da Palma.

A expressão "Ver se te avias" veio à baila pela forma de atender a malta que espera mesa à porta do dito poiso. 

Bem sei que a filosofia da famosa casa  é exactamente esta: serviço rápido, boa qualidade da matéria prima, "desimpeçam a mesa que há mais à espera lá fora". E foi coisa que não me incomodava quando era mais novo. Virava duas ou três bejecas, descascava o pratinho (agora caçoila) das gambas do Algarve, pedia um prego no pão , café e a conta. Em 20 minutos estava livre da incumbência.

Mas hoje, no virar dos 60? Aprecio outros mimos. Pano no guardanapo, simpatia, acolhimento e tempo. Sobretudo tempo para apreciar. Não gosto de ter que me levantar para dar acesso à mesa encostada à parede. E levantar-me outra vez para dar passagem à saída. 

Tenho pejo em ouvir as conversas todas por falta de espaço e intimidade, olho com reprovação os restos da mariscada no chão ou em cima das mesas. Vejo com antipatia  o casaco a arrastar-se pelo chão pela falta de altura das cadeiras. E se almoço com ele vestido passo a vida a cotovelar o vizinho do lado.

Ouço com algum horror que o bife do lombo não tem acompanhamentos  (vem a carne e pronto). Tremo de enjoo ao ver as torradas de papo seco com manteiga a chegarem às mesas em corrida, substituindo o "couvert".

A pressa com que tudo é feito traz algumas consequências. No meu caso as gambas vinham mal cozidas. A carne é boa, mas quem aguenta comer um bife inteiro sem batatas, arroz, salada, ovo a cavalo, qualquer coisa? "Peça pão" foi a resposta...

Amigos que idolatram o local e a quem me queixei (baixinho), disseram: 
-"Quem te manda lá ir almoçar? Aquilo é para petiscos!"

Uma coisa é certa: está sempre a abarrotar, cheinho de estrangeiros que afanosamente usam o dicionário no IPad para traduzir "percebes" ou "santola". Os preços são baixos, a relação qualidade do marisco (e da carne) face ao preço é excelente. Por 25 euros comem bife do lombo, gambas frescas, 3 imperiais e café.

 E como diziam os pais do MKT: "produto bom é aquele que se vende!" Ou seja, devo dar corda aos sapatos para outro lado e desimpedir o caminho para quem aprecia aquela filosofia. 

Recordo com saudade as horas passadas à volta do marisco excelente do velho Lusíadas ou da Marisqueira (ambos em Matosinhos). Que diferença. Com o pormenor (ou "pormaior") que em vez de 25 euros pagaria 125... Não há milagres.

É a idade. Juro que deve ser da idade. Estou a ficar aburguesado com certeza. Mas ali não devo voltar mais. Pelo menos  à hora das refeições principais...

terça-feira, novembro 15, 2016

O Pato (com arroz)



Arroz de Pato sempre foi um dos meus pratos favoritos.

Deixei para trás com algum desdém as receitas onde o "marreco" aparece enfornado,  com ou sem laranja, lembrando o filme clássico de Luciano Salce, com a belíssima Monica Vitti (1975).

Hoje em Lisboa o Tio Emílio (que carinho de homem!) continua a apresentar um belo Arroz de Pato, lembrando aos clientes que na Tia Matilde se podem pedir as duas versões, desossado ou com o esqueleto. Para o Norte é famoso o "Rei dos Galos de Amarante" que costumava apresentar este prato às quintas feiras. Também ouvi boas novas da Casa do Arco (uma quinta) na Maia em relação a esta confecção. E, está claro, a Tia Alice em Fátima faz um Arroz de Pato muito bom.

O famoso Arroz de Pato à moda do Minho  leva enchidos de porco , normalmente orelha, barriga fumada e presunto. Tudo da melhor qualidade.

No restaurante (tasca boa) Maria de Perre, em Viana, faziam uma bela interpretação. Mas onde o comi melhor foi em casa particular de Braga. Morada não a dou. Quem tem amigos destes resguarda-os para o que der e vier...

Em casa faço muitas vezes, utilizando toucinho de porco preto para cozer o pato e refogar o arroz, e pondo por cima paio da mesma proveniência. Aqui vai uma receita que foi muitas vezes testada e que sempre resultou bem. Claro que quando a minha sogra criava os patos na quinta,  a milho e couves,  o caso melhorava muito...

Cozemos o Pato com o toucinho numa boa panela que tem água e sal e uns grãos de pimenta preta. Quando o Pato  estiver cozido, retiramos, coamos e reservamos o caldo. Deixamos arrefecer o Pato e o toucinho e cortamos aos bocados. Para quem, como eu, gostar de manter os ossos, devemos cortar o Pato em bocados grandes.

Fazemos depois uma puxadinha ligeira com cebola fininha, alho migado,  azeite e, os bocados de toucinho. Quando a cebola estiver a ficar transparente fritamos ali dentro o arroz por 2 minutos. Depois juntamos o caldo de cozer o pato (normalmente o dobro de caldo) e quando levantar fervura vai ao forno. Quando estiver quase seco, metemos o pato aos bocados no arroz e e pomos o paio às rodelas por cima a enfeitar. Volta depois  ao forno uns minutos para tostar.


Este prato requer um tinto de categoria. Já se sabe que com alguma adstringência, para cortar a gordura do anatídeo. Um Bairrada de Baga, ou então uma bela surpresa do Douro: Passagem Reserva Tinto de 2013. Não chega a 13€ e é de cair para o lado.

segunda-feira, novembro 14, 2016

O Susto e a Superstição



Dizem as enciclopédias que o "susto" é uma reacção normal e saudável do corpo humano face a ameaças reais ou imaginadas. Exemplo: ir na estrada distraído a conduzir e ser surpreendido por uma travagem repentina do carro na nossa frente.

Enquanto que "superstição" é a crença em relações "causa-efeito" que não se podem provar cientificamente. Exemplo (estive à procura de um engraçado): "criança que brinca com o fogo faz  xi-xi na cama".

Quando é que o "susto" se encontra com a "superstição"?  Há várias formas de isso acontecer. Recordo-me que há quem julgue ser certo que pregando um grande susto a alguém afligido por soluços, estes parariam... E a história de Santa Bárbara e dos Raios e Trovões também é exemplar, sobretudo para quem se assusta com essas manifestações da natureza.

Eu respeito as superstições, depois de habituado a dezenas  anos de aldeia na serra. Não digo que acredito nelas, mas respeito as pessoas que vivem essas crendices. E quanto a sustos, também já tive a minha parte deles.

Numa noite fria, pelo S. Martinho,  vinha da igreja para casa dos meus sogros e reparámos que o velho Tio Santidade (como de costume já a ver a dobrar) estava encostado à parede da sociedade recreativa, tão branco como a dita parede.

Disse-nos que tinha passado pelo cemitério, com a aflição dos muitos copos teve de se encostar ao muro para verter águas e ouviu barulhos medonhos que vinham lá de dentro. Desatou a fugir ainda com o serviço incompleto, pelo que molhou as calças todas. E tal fora o susto que ainda demorou a fechar a "carcela" com os tremores das mãos.

Pagou-se-lhe um copo ( ou três...) para o ajudar a esquecer a má experiência e demos connosco já em casa, perto do lume, a contar histórias de almas penadas até nos irmos deitar. Foi uma  noite interessante, de que não me recordo completamente por razões que todos imaginam. Era novo, o frio apertava, à lareira é que se estava bem com um cálice na mão (sempre cheio).

E o meu sogro contava histórias de apostas e de cemitérios, e de rapazes que iam bater com uma pedra nas grades do portão do campo santo, para "despertarem fantasmas".

As histórias eram todas isso mesmo: "estórias para assustar meninos".  Mas uma coisa era certa: a GNR tinha sido chamada há uns anos atrás, quando apareceram no cemitério campas muito antigas abertas e ossadas espalhadas, sem as caveiras.

Hoje diríamos que se tratava de malta nova metida em ritos satânicos e que lá tinha ido ao "supermercado dos ossos" aviar-se de caveiras. Mas naquela altura, 40 ou 50 anos lá para trás?
Nada se descobriu, mas  à boca pequena falava-se de bruxarias.

Ainda hoje não sei (nem isso interessa) se o Tio Santidade tinha de facto ouvido alguma coisa naquela noite, ou se a história fora pretexto para enfiar mais uns copos à borla...Desconfio mais da última versão.

Se fosse vivo, ao saber da eleição do Sr. Trump lá teria molhado as calças outra vez. Desta vez com razão.

quarta-feira, novembro 09, 2016

A Vitória do Muro



Depois de andanças várias espalhando o evangelho filatélico por essas terras e falando às criancinhas, regresso a casa para ser surpreendido com a vitória de Donald Trump nas eleições Norte-Americanas , onde - aliás -  o partido republicano faz a tripla: Presidência, Senado e Câmara dos Representantes.

Uma hecatombe não prevista e que os analistas vão levar algum tempo a explicar. Mais uma vez as sondagens falharam. E logo no país que inventou a ciência da demografia política.

O peso mexicano não pára de descer face ao dólar. Será o "muro" já a espreitar no horizonte dos estados fronteiriços? Sendo o mundo aquilo que é parece-me que mesmo para construir o tal "muro" hão-de os "senhores de engenho" recorrer aos escurinhos do sul, porque na maioria dos casos vergar a espinha será abaixo da condição superior inerente à pele mais clara.

Temos assim um Presidente apoiado por todos os radicais da supremacia branca que existem na América do Norte, incluindo (pasme-se) o Partido Nazi Americano. De tal forma que Marine Le Pen já o congratulou, imaginando nós que ao fazê-lo teria a boca salivando em expectativa ao que por aí virá nas eleições francesas.

As leituras que vão tentar branquear o acontecimento serão muitas e não discuto que muito sábias. Mas uma coisa é certa: ganhou o medo.

A política a seguir  - se tomarmos em conta os discursos de campanha - vai passar por cerrar as fronteiras, assegurar a presença cada vez maior das medidas securitárias, controlar quem chega e os que lá estão, e vigiar atentamente as comunidades "suspeitas".
Sem falar na subida das taxas de juro que foi abundantemente propagandeada e que trará inevitáveis amargos de boca à Europa.

Uma coisa me dá algum conforto: todos os políticos prometem aquilo que não podem cumprir...Uma coisa são as campanhas, outra será a prática da presidência. Reparem que  Obama nunca conseguiu encerrar Guantanamo durante 8 anos de presidência...

Pôrra! Porque é que eu falei agora nisto? Ainda dou ideias estranhas à trupe do Sr. Trump.

Notas finais: 

a) Pensando bem, e se eu fosse mexicano, a construção do muro nem é assim algo tão mau para o México...É que um muro impede os mexicanos de entrar, mas também impede os americanos de sair.

b) E o Vladimir Putin? Como se deve estar a rir sozinho... Já deve ter aberto a melhor garrafa de vodka que existir no Kremlin. Que grande farra!

quarta-feira, novembro 02, 2016

Noites antigas



A noite das Bruxas deste ano foi passada no sofá de casa, a ver o Netflix e a beber um copito.

 Entreti-me com as duas épocas da série "Marco Polo" (original Netflix) a qual prova que também em televisão é possível ter acesso a conteúdos para adultos de qualidade. Não tão boa como "Game of Thrones" (também era o que faltava) mas muito agradável.

Obrigações familiares e  uma inclinação mais natural para o sossego levaram a este triste final caseiro.

Nem sempre foi assim. Na época em que o Blues Café (nas Docas) estava no seu age  - e em que nem sequer se falava de Halloween em Portugal -  era costume esta minha noite ser de farra maior (não confundir com "faina maior").

Tínhamos de ir ao Blues uns dias antes, reservar uma mesa para o jantar. A procura era muita, o que valia é que nós éramos clientes de "garrafa" e por isso preferidos quando tocava a fazer o rateio das mesas.

A  decoração completa metia abóboras, vassouras, espantalhos e o clássico "palhaço maléfico" (do excelente "It" de Stephen King). As meninas e meninos dos bares estavam vestidos a preceito, a música , que era normalmente baseada em BB King y sus muchachos, nessa noite recebia uns toques de magia. Havia concursos de máscaras e artistas ao vivo.

Estávamos em 1996, o rei dos blues tinha estado no Coliseu e passara pelo Blues Café.

Na SIC tinha começado a "Grande Reportagem" e o "Contra Informação".

O meu carro  era um dos melhores que já conduzi: um Toyota Carina E. Nunca avariava!

CMTV não existia. "Troikas" eram coisas que se liam nos livros do Pasternak e do Pushkin. A moeda "Euro" já se adivinhava à distância, mas ainda não tilintava nos bolsos de ninguém.

Portugal  estava bem. Dizia o circunspecto Banco de Portugal sobre o ano em causa:
A evolução da economia portuguesa, em 1996, foi marcada pela continuação do processo de desinflação, o aumento do crescimento económico — impulsionado pela aceleração do investimento — a estabilização da taxa de desemprego, e a redução do desequilíbrio orçamental.

No recibo que guardei dessa Noite das Bruxas de 1996 (uma quinta feira)  no Blues Café estava inscrito o valor: 6 jantares - 15 000$00.

E recordo-me , melhor dizendo, lendo do papel, que isto da minha memória parece um cartão perfurado dos primeiros computadores,  que tivemos direito a gin tónico, entrada, prato principal, sobremesa e 4 garrafas de vinho, duas Alvarinho e duas tinto - Aliança Garrafeira de 1992.

A seguir à sobremesa veio a garrafa de Jack Daniels para a mesa, a qual se deve ter bebido toda, porque lá estava mais um "recibo" a testemunhar o gasto: garrafa de bourbon - 8000$00.

Na prática saiu a noite por 23 continhos, para seis pessoas. Entrámos às 22h e saímos às 6h da manhã seguinte.

Na época almoçava bem no velho Funil por um conto e duzentos, com tudo a que tinha direito - queijo fresco, alta posta de garoupa cozida, Quinta de Camarate Branco Seco, café e whisky. Por isso consideraria "cara" aquela despesa da noite das bruxas.

Hoje 23000$00 seriam 115 euros... O preço de um almoço para duas pessoas  em casa de categoria semelhante, desde que tenham cuidado com o que bebem.

O tempo não volta para trás, nem eu o desejaria. Mas é engraçado "pescar" estas reminiscências de há 20 anos atrás.

O Blues-Café das Docas de Alcântara está encerrado. Li algures que no local do venerável Hot Club, na Praça da Alegria,  está agora aberto um "Fontória Blues, Café & Dinner".

Qualquer dia passo por lá.

Mas já não pagarei 115€ por 6 jantares completos  e uma garrafa de Jack Daniels... Acho eu.

terça-feira, outubro 25, 2016

Comida de conforto



Um destes dias estava de candeias às avessas com a vida e precisava muito de conforto.

O conforto que posso obter nesta altura do campeonato tem mais a ver com comes e bebes do que com outra coisa qualquer (suspiro).  Daí ter decidido almoçar de garfo e faca, sozinho, num local onde me conhecessem mais ou menos, servissem bem e (sobretudo) não me chateassem.

Mas também onde não me conhecessem demasiado bem, porque a familiaridade amiga nestas alturas em que um gajo está mais para o cinza escuro do que para o branco pode ser intrusiva e até contraproducente.

Tive dificuldade em escolher o local, porque das duas uma :  ou me conhecem bem ou não me conhecem.  Mas acabei por decidir num poiso. Cheguei, sentei-me e pedi uma das sugestões do dia:  Língua de vitela estufada com puré de batata.

Era um prato emblemático do velho Funil (não confundir com o atual!!), recordando-me o meu trabalho na Casal Ribeiro e belos almoços num mundo mais leve e livre de tantos sobressaltos.

A acompanhar um tinto do Dão muito bom: o Quinta de Saes 2011 Estágio Prolongado. Não tão superlativo como o Pellada do mesmo ano, mas muito digno de registo.

Estava tudo bem encaminhado para a minha necessária catarse. Mas esta falhou redondamente por causa do serviço.

O funcionário da sala percebeu que o Cliente (moi) era "dos de gastar".  Pendurou-se à minha mesa (também por falta de trabalho) e nunca mais de lá saiu.
 - "Está a gostar da linguazinha?"
 - "E que tal lhe parece o vinhinho?"
 - " Ainda tem mais lá dentro no tacho!
 - "Acha que devo abrir mais uma garrafinha?"
 - "As nossas sobremesas são todas feitas cá em casa".
 - "Pela mulher do patrão!"

E por aí fora, rematando nos intervalos com o futebol (tentado saber qual era o meu clube para não se esticar ao comprido), com a política (tentando saber para que lado é que eu jogava) e etc, etc...

Pôrra que foi cansativo. Gostei da comida, adorei o vinho. Mas ...tenho de pensar bem se lá volto a entrar...

Mal por mal, quando estiver assim  a precisar de conforto em local onde não me conheçam e amem, vou directo ao Hard Rock Café.

A comida(?) pode não prestar, mas deixam-me numa paz absoluta apenas sobressaltada com os acordes do heavy rock.

Antes isso que ser melgado daquela forma atroz..Pobre Língua de Vaca! Pobre Quinta de Saes!

Mal empregados!

Comida de conforto



Um destes dias estava de candeias às avessas com a vida e precisava muito de conforto.

O conforto que posso obter nesta altura do campeonato tem mais a ver com comes e bebes do que com outra coisa qualquer.  Daí ter decidido almoçar de garfo e faca, sozinho, num local onde me conhecessem, servissem bem e (sobretudo) não me chateassem.

Mas também onde não me conhecessem demasiado bem, porque a familiaridade amiga nestas alturas em que um gajo está mais para o cinza escuro do que para o branco pode ser intrusiva e até contraproducente.

Tive dificuldade em escolher o poiso, porque das duas uma :  ou me conhecem bem ou não me conhecem.  Mas acabei por decidir num poiso. Cheguei, sentei-me e pedi uma das sugestões do dia:  Língua de vitela estufada com puré de batata.

Era um prato emblemático do velho Funil (não confundir com o atual!!), recordando-me o meu trabalho na Casal Ribeiro e almoços num mundo mais leve e livre de tantos sobressaltos.

A acompanhar um tinto do Dão muito bom: o Quinta de Saes 2011 Estágio Prolongado. Não tão superlativo como o Pellada do mesmo ano, mas muito digno de registo.

Estava tudo bem encaminhado para a minha necessária catarse. Mas esta falhou redondamente por causa do serviço.

O funcionário da sala percebeu que o Cliente (moi) era "dos de gastar".  Pendurou-se à minha mesa (também por falta de trabalho) e nunca mais de lá saiu.
 - "Está a gostar da linguazinha?"
 - "E que tal lhe parece o vinhinho?"
 - " Ainda tem mais lá dentro no tacho!
 - "Acha que devo abrir mais uma garrafinha?"
 - "As nossas sobremesas são todas feitas cá em casa".
 - "Pela mulher do patrão!"

E por aí fora, rematando nos intervalos com o futebol (tentado saber qual era o meu clube para não se esticar ao comprido), com a política (tentando saber para que lado é que eu jogava) e etc, etc...

Pôrra que foi cansativo. Gostei da comida, adorei o vinho. Mas ...tenho de pensar bem se lá volto a entrar...

Mal por mal, quando estiver assim  a precisar de conforto em local onde não me conheçam e amem, vou directo ao Hard Rock Café.

A comida(?) pode não prestar, mas deixam-me numa paz absoluta apenas sobressaltada com os acordes do heavy rock.

Antes isso que ser melgado daquela forma atroz..Pobre Língua de Vaca! Pobre Quinta de Saes!

Mal empregados!

segunda-feira, outubro 24, 2016

Os lapsos em público



Todos conhecemos destes lapsos em directo, na radio ou na TV, que levam os autores a corar de vergonha quando se apercebem do que fizeram.

Recordo alguns que testemunhei e que acho mais engraçados:

 - Na RR um locutor especializado em temas religiosos chamou ao Patriarca de Moscovo e Metropolita de todas as Rússias, o "Troglodita de todas as Rússias".

- Mário Centeno, o crescimento e o déficit? São mais que conhecidas as vezes em que se enganou nos números em público. E sem ter a destreza circense de Mário Soares ("- Oh Homem são milhões em vez de milhares? O que é que tem?Multiplique por mil que dá tudo certo! ").

- Os "pauzinhos" que o Ministro da Economia de Sócrates Manuel Pinho pôs na AR na direcção de Bernardino Soares.

- Cavaco Silva em directo na TV: "Não faço nem  façarei!"

- Das milhares de "bojardas" de Jorge Jesus escolho esta: "Isso dos estrangeiros não é um problema. Nós já estamos a tratar do processo de neutralização dos jogadores."

- Do grande  Gabriel Alves trago duas:
 -  «O árbitro foi atingido por um objecto atirado por um telespectador"
 - Num estádio lisboeta, parte do público canta "Oh Pinto da Costa, vai pró cara...!. Comenta Gabriel Alves:  «O público, entusiasmado, a apoiar as duas equipas!»

Mas a última que ouvi na TSF foi num programa onde se entrevistam proprietários de restaurantes e tasquinhas, sempre à procura desse "Portugal desconhecido" à mesa ,  comeres e beberes tradicionais.

A senhora falava do seu restaurante, situado na Lousã.

"- E temos também sempre peixe fresco do dia, que vou buscar aos melhores fornecedores."
 - "Então e que pratos de peixe costuma apresentar aqui?
 - "Polvo à lagareiro e bacalhau assado!".

Toma lá que já almoçaste.


quinta-feira, outubro 20, 2016

Dia do Exército em Elvas

As tradicionais comemorações do Dia do Exército são este ano na Cidade de Elvas, nas magníficas instalações do Museu Militar.

Para quem não conheça ainda, o Museu Militar de Elvas é um dos mais importantes da Europa na sua especialidade. Podem ler aqui sff:

" ...um dos maiores museus do País, onde o visitante pode ver, para além da monumentalidade das fortificações, dos Quartéis do Casarão, do claustro do Convento de São Domingos e da Fonte de São José, todo um conjunto de elementos de interesse: História do Serviço de Saúde do Exército; Hipomóveis e Arreios Militares no Exército; Centro de Interpretação do Património de Elvas; Viaturas do Exército.
Este núcleo museológico tem parte substancial da muralha e fortificações visitáveis, com painéis explicativos, e nas instalações do antigo quartel tem neste momento aberto ao público as seguintes temáticas museológicas: História do Serviço de Saúde do Exército, salas dedicadas à ortopedia, oftalmologia e cirurgia, sala de veterinária, sala de farmácia; Arreios Militares do Exército, com salas de dedicadas ao cavalo, arreios de infantaria, arreios de cavalaria, arreios de artilharia, sala de Intendência; Hipomóveis, com salas dedicadas ao armamento rebocado por animais, na sua quase totalidade artilharia.
Todas estas salas são antigas dependências das unidades militares que passaram por Elvas – a última foi o Regimento de Infantaria n.º 8 – adaptadas agora a esta finalidade, muitas delas em edifícios também eles históricos e que agora se procurou, dentro do possível, recuperar na sua traça original."

O vosso Bloger lá estará, para fazer a cerimónia do 1ºdia de entrada em circulação da emissão filatélica que dedicámos aos "Brasões do Exército Português".

A "Heráldica Militar" tem sido há muitos anos acarinhada pelo nosso Exército. E trabalham  (ou trabalharam) no Arquivo Histórico Militar  alguns dos maiores especialistas neste assunto.

Recordo os mestres iluministas António Galvão e José Colaço. E os Coronéis Pedroso da Silva e Guerreiro Vicente, eminentes estudiosos do tema.

terça-feira, outubro 18, 2016

A Importância das pessoas



Tive o privilégio de ser convidado para Confrade de Honra ( embora a honra fosse minha) da Confraria dos Doces Conventuais de Tentúgal.

Até aqui tudo bem. O que não esperava foi a forma como esta Confraria aproveitou a notoriedade do famoso "pastel de Tentúgal" para fazer uma obra de altíssimo mérito relacionada com a recuperação e divulgação do rico património histórico e arquitéctónico da sua vila.

Para quem pensava - e aqui dou a mão à palmatória eu mesmo - que esta vida das confrarias gastronómicas era sobretudo feita de almoços, comes e bebes e discussões de sacristia, acho que levámos todos um "banho" de história, de civilização e de bem-fazer naquele sábado passado.

Visitámos demoradamente e extasiámo-nos com as igrejas magníficas e os seus altares em pedra de Ançã pintada, com o Convento das Madres do Carmo de Tentúgal (origem da afamada doçaria que se evoca com o nome da vila), com a milenar e  recém recuperada ( pela Confraria) Torre do Relógio,  e com a  Capela onde se suspeita que repousa o maior matemático português de todos os tempos, Pedro Nunes,  de quem evocámos filatelicamente há dias os 450 anos da sua obra fundamental "Petri Nonni Salaciensis Opera" .

Tivemos ainda direito a uma reinterpretação dramática dos acontecimentos de 1807 (Invasões Francesas) e da forma como afectou o convento e a vila. Tudo isto em récita dita "de amadores" mas que espelhava bem o amor que todos sentiam pela sua terra e sobretudo o cuidado em ir às fontes e investigar o passado, para iluminar o caminho do presente.

É devido um sentido "muito obrigado" às pessoas da Confraria e da amável Tentúgal, e um enorme abraço de gratidão à "alma mater" disto tudo, a Drº Olga Cavaleiro.

São as pessoas que normalmente fazem a diferença. E que diferença amigos...

"A diferença entre as pessoas que têm iniciativa e as que não têm é a diferença entre o dia e a noite"
Stephen Covey

E é bem verdade!

quinta-feira, outubro 13, 2016

Amanhã em Matosinhos, a "enlatar" selos...


 

Acompanharei amanhã a RTP para uma reportagem na histórica fábrica de conservas Ramirez, onde a nossa emissão "Indústria Conserveira" está a ser "enlatada"!

Saem estes selos (e as latas) em 31 Outubro.

Aqui vão uns detalhes sobre o acontecimento:

Graças às suas qualidades e potencialidades gastronómicas na criação e reinvenção de novos produtos e sabores, as conservas portuguesas gozam hoje de um inegável prestígio nacional e internacional. 

Desta forma, os CTT Correios de Portugal decidiram assinalar de uma forma original esta emissão de selos dedicada à Indústria Conserveira Nacional. A forma que encontraram para este destaque foi a inclusão de 50 000 séries destes selos dentro de latas de conserva especialmente serigrafadas e preparadas para o efeito, mas em tudo idênticas às que se utilizam para comercializar o atum, a sardinha, a cavala, as lulas, etc…

Trata-se da primeira vez que uma emissão de selos é apresentada ao público em latas de conserva.

Colaborou com os CTT nesta aventura a mais antiga fábrica de conservas em laboração no mundo, a firma “Conservas Ramirez”, fundada em 1853. Por feliz acaso no mesmo ano em que foi lançado o primeiro selo português: o célebre D. Maria II, posto a circular a 1 de Julho de 1853 nas versões de 5 réis e de 25 réis. 

A Ramirez assessorou os CTT na escolha da lata especial e na sua serigrafia, assim como irá proceder à inclusão dos selos nas latas e ao fecho das mesmas em autoclave, nas suas instalações fabris em Matosinhos, já amanhã,  dia 14 de Outubro.

Cada um dos seis selos desta emissão contém três imagens, uma à esquerda, uma central e uma à direita. O selo com o valor facial de 0,47€ mostra um Galeão a Vapor, um pormenor de cartaz publicitário da empresa Annuario do Brasil e um Biqueirão; o selo de 0,58€ mostra o “desenvasar” da sardinha, o pormenor de gravura do livro de ouro das conservas e uma sardinha; no selo de 0,65€ constam três imagens, nomeadamente o cais de descarga do peixe para a fábrica de conservas, uma ilustração de Fred Kradolfer e uma cavala; o selo de 0,75€ demonstra o enlatamento, um cartaz publicitário das conservas e atum; o selo de 0,80€ com a secção do “vazio”, um postal publicitário de Brandão Gomes e uma Lula; e por fim, o selo com o valor facial de 1,00€ que nos mostra a secção do “cheio”, um cartaz publicitário das conservas Boavista e uma enguia. 

Todos os selos têm uma tiragem de 125 000 exemplares cada. E destes, 50 000 serão apresentados ao público encerrados em latas de conserva.

O design dos selos esteve a cargo do Atelier Pendão & Prior / Fernando Pendão. Os selos têm um formato de 80 X 30,6 mm.

quarta-feira, outubro 12, 2016

Caixeiro-viajante



Com a preparação do Dia Mundial do Correio (que foi na segunda feira) e os lançamentos e apresentações dos nossos  livros que por aí vêm ("Jesuítas Construtores da Globalização" , amanhã no Museu da Ciência; "Vinhas Velhas" a 27 ) não tenho tido tempo para passar por aqui.

Resultou destas andanças alguma reflexão sobre a necessidade de tantas viagens e de tantos km percorridos para mostrar um carimbo, apresentar uma emissão de selos, falar sobre alguma obra de nossa edição.

Quando comecei esta vida, lá para os anos 80 do século passado, o mundo era mais simples e pacato. fazíamos 10 ou 12 (um exagero já!) emissões de selos por ano, e dois livritos.

Mesmo assim seria  raro algum destes selos ou livro ter associado um evento público de apresentação.

Recordo-me com saudade da emissão comemorativa da Independência de Portugal, seria em 91 ou 92 no Palácio da Independência, onde me coube pela primeira vez assumir a "cena dos carimbos" perante o Presidente da República Mário Soares e tendo "à ilharga" os dois marechais da República António de Spínola e Costa Gomes.

Passei a noite anterior a estudar o que deveria de dizer. Quando cheguei à sala (enorme!) verifiquei que tinham posto a mesa de honra a uma ponta e a mesa da obliteração com a caixa dos carimbos a meio da sala. Era pois necessário convidar as três individualidades para se levantarem e virem à mesa do meio. Coisa que eu não tinha preparado...

Enchi-me de coragem e disse em voz alta:
"- V. Exª Sr. Presidente da República, Vossas Exas Senhores Marechais, dignam-se acompanhar-me à mesa da obliteração?"

Depois virei-lhes as costas (lapso protocolar!) e comecei a andar.  No caminho - que seriam ainda uns 15 ou 20 metros,  mas que para mim pareceram kms -  só pensava:
- "Vêm atrás de mim ou não vêm? Se não vierem não paro na mesa, continuo a andar, saio pela porta e apanho o 1º táxi para a Casal Ribeiro..."

Mas vieram, carimbaram e mostraram interesse.

Depois disso o Dr. Mário Soares tornou-se perito na tarefa, costumava empurrar os Ministros e dizia:
-" Chegue-se para lá que disto percebo eu! Tenho prática!"

Hoje é como sabemos: quase 30 emissões por ano, 8 livros. Mais de 40 Carimbos. Muitos destes com cerimónias associadas, por esse país fora.

E tendo em linha de conta a necessidade de manter  viva a chama  de um produto que todos os dias perde utilização prática, resta-nos aumentar a notoriedade institucional para que se lembrem todos do que são selos e que estes servem (também) para franquear cartas e postais.

Por isso é a minha obrigação andar por esse mundo (lusitano) a disseminar este "evangelho".

O "Impetrante escriba e apontador da carimbação" morreria se não aproveitasse estes "caminhos" e estes "Km" para dar treino à cremalheira.  Daqui nasceu também o interesse que mantenho pela gastronomia e pela restauração.

Se a vida te dá limões faz limonada!  E é bem certo!

quinta-feira, outubro 06, 2016

Na Casa de Camilo - S. Miguel de Seide



Será "Ceide" ou "Seide"?

Penso que a primeira grafia é mais antiga mas que ainda se usa...De todas as  formas todos sabemos de que estou a falar, da localidade próxima  de Vila Nova de Famalicão onde o grande Camilo Castelo Branco tinha casa, viveu e acabou por falecer em 1890.

A propósito dos 150 anos da edição do clássico "A Queda de um Anjo", lá estarei para ajudar a lançar um carimbo comemorativo do evento.

Calisto Elói de Silos e Benevides de Barbuda, morgado de Agra de Freimas e deputado da Nação apanhado no "lodo" da capital,  não merecia menos...

Vou dar nota do acontecimento, onde se incluirá a visita à amável Casa Pega, restaurante que o próprio Camilo não desdenharia de frequentar se fosse vivo.  Já o fictício Morgado era capaz de se sentir melhor no também ele magnífico restaurante "Ferrugem", também ali por perto... Depois de ter vindo de Lisboa habituado ao "Bel Canto"...


terça-feira, outubro 04, 2016

A Netflix

Aderi ao Netflix há cerca de um mês.

Tenho estado mudo e quedo, à espera de fazer o teste da utilização prática, no dia-a-dia, , para depois dar aqui conhecimento do assunto.

Como sabem, trata-se de um serviço de "streaming" de programas de televisão, que inclui milhares de séries, filmes e documentários.  Sem qualquer tipo de publicidade e já com legendas em português.

Tem um plano de adesão cujo preço depende da qualidade que desejamos para a visualização (SD, HD ou 4K) e ainda do número de dispositivos que queremos manter ao mesmo tempo em visualização. Por exemplo: a TV da sala, um computador num quarto e a TV de um outro quarto.

O mais elevado valor de adesão (4K e 5 dispositivos em visionamento simultâneo) fica por cerca de 9 euros por mês (por débito no cartão de crédito).

A maior restrição tem a ver com a qualidade da internet em casa de cada um:
- Em primeiro lugar temos de ter aparelhos visionadores (TV's, PC's, Tablet's, Apple TV, etc...) com acesso directo à Internet e à aplicação Netflix.
 - Depois, este serviço funciona com base em boas ligações de internet, as quais têm de estar sempre ativas quando dos visionamentos.

Se o aparelho onde se visiona estiver perto da antena da TV Cabo, não há problema nenhum. Caso estejamos afastados (por exemplo em andares distintos), convém comprar um intensificador de sinal internet que passa através da instalação eléctrica.

E foi o que fiz.

Em minha casa utilizo normalmente através da Smart TV (É uma Samsung da série 6). E quando esta falha (raramente)  passo para a AppleTV, que nunca falhou. Ambas têm a aplicação Netflix instalada de origem.

Na minha opinião será este o futuro do entretenimento em casa. Depois de me habituar quase nunca utilizo a TV Cabo a não ser para ver o desporto e os canais de notícias.

E como ainda não se justifica (pela quantidade de conteúdos) ter acesso à qualidade 4K, a prestação mensal fica por menos de 8€. Sem fidelização e sem aluguer de equipamento...

E se não tiverem internet ilimitada em casa, podem ainda por cima adaptar e limitar o consumo de dados através do écran da aplicação.

Fiquei adepto!


quinta-feira, setembro 29, 2016

Na Guarda (outra vez)


Jornadas Internacionais de Jogos - AJTG-Associação de Jogos Tradicionais da Guarda

Não me canso de visitar a "mais alta". E podem pensar, mas não digam em voz alta,  que é só por causa dos enchidos e do vinho!

Agora o pretexto é o Congresso Internacional sobre a História dos Jogos em Portugal, no âmbito do qual se encontra  na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço uma exposição sobre o tema "Os Jogos Tradicionais na Filatelia e na Literatura".

Esta é uma iniciativa da Associação de Jogos Tradicionais da Guarda que podem conhecer melhor aqui:
http://www.culturacentro.pt/evento.asp?id=2856

Darei notícias no local habitual.






quarta-feira, setembro 28, 2016

O opúsculo do Saraiva


Resultado de imagem para Lucky luke vulture

Tentei chamar "pasquim" ao livro mais recente do Arqº Saraiva , mas as mitologias históricas do 25 de Abril deram a essa palavra toda uma outra conotação que para mim é impeditiva desse elogio...

Não o comprei . Nem o comprarei.

Li o que apareceu na internet sobre a coisa, o que pode ser limitativo da análise que segue, mas não ficaria de bem com a minha consciência se não afirmasse isso já de início.  Por outro lado, acho que ainda ficaria pior com a minha consciência se comprasse a "obra".

Refere José Manuel Fernandes no "Observador":

"Não faço parte daquele grupo de activistas das redes sociais (e de colunistas de jornal) que não se envergonha de escrever “não li esse livro, mas…”, desatando a seguir a proferir a maiores inanidades sobre o que não se conhece."

Ora eu serei um dos "sem vergonha". Não me importo nada.

O que é certo é que com ou sem Pedro Passos Coelho aquilo esgotou. Informei-me na FNAC e na Bertrand. Os exemplares que chegam todas as manhãs  desaparecem antes do almoço, em todas as lojas. E já vai na 7ª edição, se bem que começou devagarinho, com 500 livritos.

Este sucesso editorial pode comparar-se ao de livros semelhantes noutros países. "As Sombras de Grey" vêm logo à memória. E, por memória, parece que o actual livro da polémica seria já o 3º das "memórias" do Sr. Arquitecto. E dos outros não reza a história. Terão tido os 500 exs da ordem na 1ª e única edição.

O que é que "valorizou"  este "Eu e os Políticos"? Sempre seguindo a análise fria de José Manuel Fernandes, não terão sido as confidências pessoais de políticos agora tornadas públicas - o que já existiria nos outros "romances". O que disparou as vendas,  depois de ter disparado a discussão,  foram as referências a assuntos da vida privada desses políticos, na maior parte das vezes transmitidas oralmente por terceiras pessoas, todas (ou quase todas) já falecidas...

A forma de tratar a matéria é inovadora: O escritor tem um caderno (presumo que até devem ser mais) onde anotava as confissões dos terceiros falecidos,  antes de estarem mortos. Esperava (qual abutre do Lucky Luke) pelo desfecho da vida terrena do informador bufão. E nessa altura retirava a poeira dos cadernos e punha a matéria em forma de letra publicada.

Mal comparado lembra-me aquela série da TV sobre a vida íntima de Salazar, onde se "provava" que o Presidente do Conselho teria tido várias "amigas especiais", todas perfeitamente documentadas. E quando os historiadores sérios discordavam das conclusões, dizendo nunca ter tido acesso a essas supostas "fontes", a resposta era sempre a mesma: testemunhos verbais fidedignos. E eu acrescentaria: de "malta" já enterrada.

O problema da testemunha estar  falecida tem a ver com aquela chatice da actividade jornalística honesta: corroborar a informação... A ética exige que se faça a pergunta:  Onde podemos encontrar outras fontes para corroborar essa informação? Elas estarão identificadas?

E aqui é que a porca torce o rabo... 

Se o  poeta Camões tivesse deixado um soneto reportando que tinha comido bacalhau com grão no "Mal Cozinhado", tínhamos notícia e grande : já se comia bacalhau com grão no século XVI! (Batatas é que não haveria ainda naquela tasca). 
Mas se a mesma notícia fosse reportada em 1995 por alguém que a teria lido  num livro, exemplar único que entretanto ardeu no incêndio do Chiado, o que poderíamos dizer?

-"Olhe, faça como o Miguel Sousa Tavares ou o José Rodrigues dos Santos,  amigo. Escreva um romance".

Claro que se o Arqº Saraiva tivesse intitulado o livro como uma ficção qualquer, ninguém iria agora meter-se com ele. Por exemplo: "Confissões de um Editor de Jornais; a memória ficcionada do Portugal político dos últimos 50 anos". E até se poderia fazer um filme mais tarde, dando mais relevo ao sexo e à pancadaria.  E vendia-se na mesma!

quarta-feira, setembro 21, 2016

Mudar de vida. Chegou a Hora?



Tenho que fazer nos dois próximos dias e vai ser difícil passar por aqui. E como alguns amigos se queixaram da falta da poesia, aqui lhes mando hoje um poema da minha mestra Sophia.

Fala da esperança e da vontade de recomeçar. Quantos de nós não gostariam de fazer à vida ( a alguns momentos da vida) o que se fazia na escola aos quadros negros? Apagar e escrever de novo?

O síndrome de "Burnout" (esgotamento profissional) está muitas vezes associado à vontade de fazer alterações radicais na forma de vida, sobretudo em actividades demasiado exigentes que não nos deixam tempo para mais nada.

Raramente se concretizam essas "vontades" de mudança, com medo de perder o conforto da posição alcançada. E será pena.

Porque as segundas oportunidades, os percursos alternativos (recordo o excelente filme "Sliding doors") e o arrepiar caminhos, nem sempre  implicam mudar de cidade, de empresa, de país...
Dentro de nós é que a mudança se faz. Haja vontade.

Hora

Sinto que hoje novamente embarco
Para as grandes aventuras,
Passam no ar palavras obscuras
E o meu desejo canta , por isso marco
Nos meus sentidos a imagem desta hora.

Sonoro e profundo
Aquele mundo
Que eu sonhara e perdera
Espera o peso dos meus gestos.
E dormem mil gestos nos meus dedos.

Desligadas dos círculos funestos
Das mentiras alheias, Finalmente solitárias,
As minhas mãos estão cheias
De expectativa e de segredos
Como os negros arvoredos
Que baloiçam na noite murmurando.

Ao longe por mim oiço chamando
A voz das coisas que eu sei amar.
E de novo caminho para o mar.

Sophia de Mello-Breyner


terça-feira, setembro 20, 2016

O "espião"



Sempre gostei de livros de espionagem. Devorei todos os do Ian Fleming e deliciei-me depois com a série televisiva "Fleming" que vi no cabo em 2014. Se a puderem ainda apanhar aproveitem.

Quanto aos filmes do dito 007 já tenho opinião dividida. De alguns gostei, outros detestei, sobre a maioria fiquei indiferente.

A palavra "espião" utiliza-se também para identificar a malta dos clubes de futebol que anda a ver o que fazem os adversários, usa-se nos negócios, transborda para a indústria e para as patentes, é o "infiltrado" no caso das polícias e,  na prática,  acaba por fazer parte integrante do mundo de hoje.

Na política em geral e na segurança dos estados em particular, esta questão da espionagem não terá a importância monumental que já teve na época da guerra fria - diz a tradição que se construíam vilas americanas na URSS para treinar os "infiltrados"- mas continua a ser fundamental para tentar adivinhar os planos dos terroristas.

Há países que estabeleceram uma reputação muito boa nesta matéria, o Reino Unido, os USA. Há outros que já foram bons e hoje não se percebe bem (a Rússia) e há ainda outros que sempre foram um pouco para o anedótico.

Vêm à memória os acidentes de Bruxelas, só para dar um exemplo recente.

Lá mais para trás devem estar lembrados da história do espião búlgaro em treino, nos anos 60, que tentou fazer chantagem com um diplomata sueco mostrando-lhe fotografias tiradas num quarto de hotel com ele em actividade horizontal muito dinâmica, sobre uma bela mulher que não era a sua. O diplomata adorou as fotos e pediu logo umas cópias das melhores para enviar à esposa...

E depois temos Portugal, que deve ser um caso particular (daqueles mesmo "à parte).

Todos se recordam do "caso das secretas". Aquele senhor que ao fim de 22 anos de serviço público se passou para a "OnGoing" levando consigo um alforge bem carregado de informações e de contactos privilegiados. E que mandou vasculhar a vida privada de um jornalista já depois de não ter (supostamente) autoridade para o fazer. Violação de segredo de Estado, acesso ilegítimo a dados pessoais, abuso de poder e corrupção activa e passiva para acto ilícito são os crimes em causa neste processo,

Mais perto de nós, a NATO estaria a preparar uma "inspecção" aos nossos serviços de segurança, depois daquela história interessante do pacato funcionário português do SIS apanhado em Roma a tentar vender documentos secretos a um colega russo do mesmo ofício e defendendo-se por "ter exigido recibo da transacção"!!

Para mim, que ando um bocado perdido na história, com a vontade de celebrar condignamente os "500 anos do Correio em Portugal", espião mesmo, mas dos bons, daqueles que envergonharia qualquer destes tristes de hoje,  foi Pêro da Covilhã! E em boa hora saiu nova edição do Livro de Deana Barroqueiro (Casa das Letras)  sobre esta importante figura: "O Espião de D. João II".

Aqui vai um resumo, para vos abrir o apetite por mais:

"Pêro da Covilhã, o formidável espião de D. João II, injustamente esquecido pelos historiadores e quase desconhecido dos portugueses, é uma personagem histórica invulgar, cujas acções tiveram enorme repercussão no xadrez político da Europa.
Escudeiro do rei, que o escolhia para as missões mais secretas e arriscadas, era dotado de qualidades e talentos excepcionais: memória fotográfica, extraordinária aptidão para aprender línguas, mestria na arte do disfarce para assumir as mais diversas identidades, capacidade de adaptação ao imprevisto, perícia no manejo de todas as armas do seu tempo, uma imensa coragem e espírito de sacrifício, ideais cavaleirescos da Demanda, da Aventura e do culto da Mulher e do Amor.
Em 1488, Pêro da Covilhã e Afonso de Paiva são enviados, ao mesmo tempo que Bartolomeu Dias, a descobrir por terra o que o navegador ia demandar por mar: uma rota para as especiarias da Índia e notícias do misterioso reino de Preste João. Disfarçado de mercador do Al-Andalus, o espião de D. João II vai realizar proezas admiráveis que causaram espanto no mundo do seu tempo."


segunda-feira, setembro 19, 2016

Mais um pouso bom



Depois de um fds familiarmente mais complicado aqui estou de volta à liça para lhes falar de uma amável casinha onde nos servem bem e barato, mesmo no centro de Lisboa.

Esta aventura começou com um convite de alguns amigos, uma tertúlia enológico-gastronómica que se junta de vez em quando para provar vinhos (o mais importante) e acompanhar essa prova com petiscos "à maneira".

Normalmente trazemos uma ou duas garrafas mais "estranhas" de casa, juntamos todas e vai de abrir e provar. Mas desta vez a escolha dos vinhos
(e a respectiva oferta) foi de um conhecedor profundo deste meio, o qual trouxe para provas coisas admiráveis, que só pecavam pelo excesso.

De facto, ao fim de 4 ou 5 garrafas diferentes, todas muito boas - a começar com Champanhe Billecart Saumon e a terminar no grande Bordéus que é o  Chateau Lafitte-Rothschild - o palato começa a evidenciar sinais de "overdose"... Está sobrecarregado pelo que se passou antes e pede água, muita água para intervalar.

O tempo é inimigo destas lides, que exigem calma,  paciência e almofadas nos assentos...
E como o vosso blogger anda sempre a 100 à hora , teve pena de não ter podido dar mais valor a quem o merecia.

Todavia sobrou o tempo para dar notícia da casa que nos acolheu e onde foi possível acomodar tais preciosidades com uma roda-viva de sabores com prevalência do Alentejo, mas sem exclusividade dessa província.

Desde os ovos mexidos caseiros com batata (de outra vez com cogumelos do campo), até ao arroz de coelho criado em casa, passando pela sopa de tomate, pela pescada assada no forno, não esquecendo as entradas onde sobressaíam o patê ali mesmo feito e as empadas, estaladiças e de recheio mimoso, com presunto segadinho e carne picada. A perdiz de escabeche é um monumento comparável à que se come no Oliveira, em Évora, e este é o maior elogio que lhe posso fazer.. Os pezinhos de coentrada (são desossados) e têm um paladar do paraíso!

 O "patrão" da casa  é de Murça, por isso não falta o Toucinho do Céu , vindo expressamente daquela localidade todas as semanas.

Tudo é muito bem feito. A amabilidade no trato é notória, a mão de forno e fogão está bem treinada, a matéria-prima é de grande qualidade. E há sabedoria na orientação que é dada.

O maior  problema é que se trata de um pequeno restaurante (sentará cerca de 18 ou 20 pessoas) e está sempre cheio. Marcações apenas se fazem para grupos a partir de  4 manducantes.  E mais ainda, vende para fora em take away!

A boa novidade é que a cozinha funciona sem interrupções desde as 12,00h até às 24,00h! Quem gosta de almoçar às 16,00h é bem vindo!

O "patrão", mentor , cozinheiro e gestor deste novo empreendimento é o Sr. Belarmino de Jesus, a grande alma do "Salsa e Coentros", que tendo deixado o sócio Sr. Duarte no afamado restaurante de Alvalade desceu a Av de Roma para nos deleitar com a sua arte.

E a casa chama-se: Bel'Empada, mesmo ao lado da garrafeira Napoleão da Av. de Roma, no cruzamento desta com a Av João XXI.

Venham cedo, e depois digam coisas... Admirável em vários aspectos,  qualidade soberba e preço maneirinho. Por isso recebe o "selo": Recomendadíssimo!

terça-feira, setembro 13, 2016

Regressar ao Méson Andaluz


Resultado de imagem para Méson andaluz

O Senhor Almeida é personagem importante na história da gastronomia da Costa de Lisboa. Desde a Parede até ao Cascais Shopping, e agora em Lisboa, perto da Rua do Alecrim.

O seu "Méson" foi e é uma casa de bem servir.

Mestre Almeida passou por muitos trabalhos e teve de ultrapassar muito "penedo",  nestas veredas da restauração em Portugal, sobretudo quando a aposta é em alguma coisa fora do normal: Comeres andaluzes, vinhos espanhóis, tapas e sangrias. Música ambiente destilada das tabernas ciganas de Sevilha.   Touros e toureiros nas paredes.

Debatendo-se com as dificuldades dos primeiros tempos, em que os "patas negras" entravam em Portugal disfarçados, nunca se deixando vencer pelas contrariedades, sempre arvorando a boa disposição e o sorriso cativante que o distingue.

Hoje na Travessa do Alecrim,  este restaurante teve de alterar alguma da ementa porque os clientes , em 40 anos de vida, também eles mudaram.

Por encomenda ainda se podem degustar ( en su tiempo) o "Cochinillo al horno" e o "Lacón con grelos", embora actualmente a cozinha esteja mais virada para a modernidade da sinergia dos sabores, para a composição quase japónica dos pratos e para a delicadeza da confecção.

Mas a filosofia da casa é sempre a mesma: encantar o cliente, que sai já como amigo.

Num almoço de "tapear" entreguem-se nas mãos do mestre: Comecem pelo Pata Negra ( que será dos melhores que se podem comer em Portugal). Depois é continuar:  Huevos rotos, Atum em duas texturas, Vieiras, Escalopes de foie gras, Ceviche de bacalhau...  Um queijo Manchego e ao lado o picante Cabrales.

Peçam os vinhos a copo (muitos e bons). Iniciem com uma Cava excelente e terminem com um Orujo de Hierbas ou uma aguardente "Albariña".

Grande casa e grande profissional. Recomendadíssimo!

Nota: para estacionar utilizem o parque subterrâneo em frente à Praça da Ribeira, na Praça D. Luis I. Depois é uma caminhadazita de uns 100 metros ( se forem) desde o Largo de S. Paulo até às escadinhas.

segunda-feira, setembro 12, 2016

Onde pára a Polícia?


 

Festejam-se hoje os 125 anos da criação da Polícia Municipal.

Em 1891 - ano do nascimento desta polícia - as coisas estavam meio escuras para Portugal: foi-nos servido o Ultimato por Sua Majestade Britânica, e logo de seguida o Governo da nossa Majestade , o Rei D. Carlos I, declarou Bancarrota...

Mas já havia polícia à porta da edilidade para prevenir desacatos! Foi o que nos salvou...

É engraçado pensar que qualquer destes guardas de antanho era suposto ter pêra e bigode. Quanto mais farfalhudos mais respeito deviam impor ao transeunte, fosse ele meliante ou cidadão cumpridor.

Esta Polícia Municipal tem raízes antigas, obviamente que no Corpo de Polícia Civil.  O Rei D. Luis fez publicar, em 2 de Julho de 1867, a lei que o criou em Portugal  - mas ainda mais para trás,    nos “quadrilheiros” de D. Fernando, também conhecidos nos "bas fonds" da capital  por “sisudos”, “morcegos” ou “nocturnos”, e na Guarda Real de Polícia do Intendente Pina Manique.

Sendo que se deve evitar hoje em dia chamar à autoridade "sisudo", "morcego", e nem sequer "nocturno", sob pena de sermos nós a ir passar a noite à esquadra...

Agora,  se tentarem chamar "quadrilheiro" ao guarda municipal que está a colocar a cinta da EMEL na v. viatura, embora tenham a compreensão de muita gente não se devem livrar de uma bastonada entre os olhos. Para não dizer entre os c*****, que é feio. Feia a palavra e mais feio ainda levar com um bastão nos ditos.

quarta-feira, setembro 07, 2016

Museus, Cultura, pratos e talheres



Li num estudo recente sobre o turismo nas nossas cidades (e cito de memória):
 "Na falta de Museus de referência e Eventos culturais importantes que atraiam visitantes,  as principais cidades de Portugal oferecem sobretudo a gastronomia, a hospitalidade e o tipicismo dos bairros antigos(...)".

Dá que pensar.

Lisboa não é Nova Iorque, com o MET,  e o Porto não é Bilbao, nem tem  o seu Guggenheim Museum. Em Braga não haverá todas as semanas concertos de Mozart e Strauss, como em Viena. E , para não deixar o sul apeado, em Évora não encontramos uma cena dramática tão envolvente como em Berlim.

Temos é o Jockey e a Horta dos Brunos, o Solar e o Beira Mar, mais  a Cozinha do Manel e o Abadia,  o Arcoense e o Fialho, e ainda o D. Joaquim...

Comes e bebes, fado e azulejos velhos, calçadas artísticas e mar à vista.  É só isto? Nem o MNAA, nem o Soares dos Reis? Nem a Gulbenkian? Nem a Biblioteca Joanina?

Mas depois recebemos 23 prémios no concurso internacional dos "Óscares do Turismo". Podem ler aqui:
http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/turismo___lazer/detalhe/portugal_ganha_23_oscares_do_turismo.html

Coisa estranha... Ou talvez não.

Mas uma coisa é certa: cuidem da mesa, cuidem da restauração e da hotelaria, formem bons profissionais, cuidem dos nossos vinhos e dos nossos comeres. Disso depende grande parte da nossa  sobrevivência neste mundo do "turismo".

segunda-feira, setembro 05, 2016

Sombra de Pecado



Não está em causa o filme de Fonseca e Costa, com Mário Viegas e Vitória Abril (belo filme, aliás) mas sim o que podemos sentir quando "prevaricamos"... O remorsozinho do day after.

Eu "prevarico" sobretudo à mesa.

Alguns dos marotos habituais estarão já a pensar que deito as parceiras em cima da mesa para depois resolver o assunto daquela forma menos ortodoxa. Mas com verdade vos digo que - com o perfil, o peso e a idade que assumo -  já me custa erguer do chão o cesto da roupa para estender, quanto mais levantar assim 50 quilitos de  boa-ventura para os estender em cima de alguma mesa, mesmo que fosse baixita.

Não compadres! Aqui o problema é mesmo abusar à mesa, comendo e bebendo do que não devia.

Com o açúcar a entrar nos 110 não posso abusar de doces, nem de cerveja (que tem açúcar que se farta). E como estou a perder peso para compensar a glicémia  ( devagar, não se assustem!) de cada vez que enfio carbo-hidratos ou gordura a mais ( o queijo da serra...) sinto logo um aperto de consciência.

Sem doces passo bem. O meu doce preferido é bacalhau com grão. Agora em relação ao resto vivo intensamente o "prazer da mesa ". E como cozinho e sei o que lá ponho , a "fórmula" tem sempre a ver com o azeite extra-virgem ou a banha de porco alentejano ( margarina não existe na minha cozinha) , ainda mais "culpado" me sinto.

Quando fiz 61 anitos passei a manhã divertido a trabalhar duas pernas de borrego lá da Beira Alta. Salteei grelos de nabo, assei batatas no forno. Bebi uma bela garrafita de tinto (Montes Claros Garrafeira de 2011) e afinfei um cálice ( ou dois, ou três) de Lagavullin.

Nessa noite a "sombra do pecado" que me assolou  parecia a sombra da pirâmide de Kéops... Enorme e pesada.

Perguntarão se  dormi bem e sem indigestões, apesar da transgressão?

Pois o problema é que dormi . Mesmo bem.

A questão será mais psico-somática? Nem isso. É mesmo sentimento de culpa sem reflexo no físico.

Se ao menos me desse uma dor de barriga, já um gajo tinha mais respeito... Assim temos que nos apoiar no auto-controlo.

Mas a carne é fraca. E o peixe, e o bacalhau, e os percebes. Tudo fraco. E a lampreia? Essa então é fraquíssima...

O mundo está mal feito.

sexta-feira, setembro 02, 2016

Sobrecarga emocional



Há quem imagine ser este um país de "brandos costumes", onde a resolução de problemas de água a golpes de enxada era coisa do tempo do Júlio Dinis e da "Morgadinha dos Canaviais" , quando os camponeses andavam pouco esclarecidos e debaixo do sapato (da bota) dos feudos.

Não sei se lhes fez a mesma comichão do que a mim o caso do jovem de 14 anos agredido (assassinado) em Gondomar por outro rapaz de 16 anos, à pancada ( usando uma soqueira)? Tendo sido o móbil do crime aparentemente uma discussão por causa da namorada do primeiro?

Um  "puto" daquela idade andar já de soqueira em punho (porventura ao lado da ponta e mola, do "chino") enquanto não arranja umas massas para comprar a pistola?

Quando questionados, "amigos" de ambas as partes intuíam que "aquilo era uma coisa antiga, gangues diferentes e assim..."

Agora pomos na equação o "caso de Ponte de Sôr", onde a única coisa que se sabe mesmo é que está mais um "puto" entre a vida e a morte no Hospital.  Gente da Vila esclarece em surdina que "há gangues, há grupos. Encontram-se para se embebedar e andar á porrada...O bar já é conhecido pelo mau ambiente".

Parecem histórias do Bronx, lá das Novas Iorques...

Onde pára a polícia, GNR, Brigada de Intervenção, ou lá o que deve ser, que não fecha esses bares onde menores bebem e andam "à porrada"?  Bebem , comem, e chutam para a veia com certeza. E, nos intervalos da peça, matam-se.

Estamos civilizados demais, ao que parece. Andámos depressa desde o tempo do Júlio Dinis , e como o mundo é redondo, viemos parar ao mesmo sítio.

Quem é que quer ser Regedor desta freguesia? Pôrra Compadres!

terça-feira, agosto 30, 2016

Ir ao mar

Ontem a equipa directiva a que pertenço teve uma sessão de "team-building" a bordo de dois veleiros, passando um dia engraçado no Tejo, a resolver enigmas e a aprender os rudimentos da vela.

Houve pormenores deliciosos desse dia fora do normal, para além da convivência em alegria mas falando de coisas sérias.

Colocando o assunto na primeira pessoa, e pedindo desculpa por algum exagero poético, dedico o Post de hoje a recriar alguns desses pormenores.

Começo por dizer que a minha outra   experiência de mar, nesse caso mar aberto, foi há muitos anos atrás, quando um bom amigo me convidou para umas horas de navegação a bordo de um iate a motor da categoria "sea wolf".

Com  800 hp de força nos dois motores Volvo, e 50 pés de comprido, aquilo era quase um transatlântico visto de terra na doca de Vilamoura. E assim fui enganado...

Depois de lá estar em cima, quando os motores começaram a "falar" e o barco a bater fortemente de chapa nas ondas, foi o bom e o bonito...Só à força de vodkas tónicos ( com pouca água tónica) consegui disfarçar o susto.

Quando me apeei (ou lá como se diz) as pernas tremiam mais do que se tivesse andado num daqueles "roller-coasters" malucos dos USA que fazem "loops" e tudo. É claro que a litrada de vodka também não teria ajudado ao equilíbrio...

Velejar nunca tinha experimentado. Mas estava desconfiado. Claro que aquilo ontem era no Tejo e não no mar aberto entre Vilamoura e Puerto Banús. E ver as duas margens com o rio ao meio ajudou.

A primeira peripécia consistiu em resolver enigmas a bordo, tirando fotografias das soluções encontradas, que tinham todas a ver com pontos da costa entre a Praça do Comércio a a Baía de Cascais.

O rio\mar estava que parecia um espelho, a malta lá ia escrevendo e palpitando resultados, pelo que  essas primeiras 3 horas passaram-se bem. Tirando a necessidade de deslocar do veleiro para o cacilheiro do almoço a minha imponente figura através das duas amuradas.  Parece simples, mas convido a que o façam tendo a envergadura da besta que se assina.

Passa a perna por cima do cabo de aço. Segura-te à porta do outro lado, cuidado que a maré está a bater e os 30 cm são agora 50 cm... Tenta outra vez. Já está! Sem esfolar demasiado as canelas.

Almoço a bordo, em frente à zona histórica do Seixal e tendo por pano de fundo a Quinta da Atalaia, onde já se trabalhava na Festa do Avante deste ano. Um almoço sem  muita história gastronómica, valendo pelas anedotas e pela boa disposição das tripulações.

Como não há almoços grátis (já estávamos avisados) seguiu-se a horita da introspecção e do sermão da quaresma, que o ano vai assim-assim, mais a dar para o assado...

De tarde estava combinado fazer-se a "regata". Eram dois veleiros, a malta foi distribuída pelos dois e, chegados a certo ponto do trajecto Seixal-Padrão dos Descobrimentos, fomos "largados" à vela.

De repente o "mar-chão" encorpou e começou a falar com voz mais grossa. A esse atropelo juntaram-se as onditas dos catamarans,  cacilheiros modernos que se cruzavam connosco. O vento desatou a fazer-se ouvir  e estava criado o ambiente para o desporto.

Apesar dos adversários terem ligado o motor a meio do desafio (BÙUUUUU) foi o veleiro onde eu ia que ganhou a regata. Provavelmente porque ia mais baixo na linha de água? Não preciso de dizer a razão.

Chegámos à Doca do Bom Sucesso sãos e salvos, sem sustos de maior e, o que é o mais estranho, quase todos a falar em dialecto. O conhecido "maritimês de veleiro"

Caça a escota dessa vela imbecil! Orça! Orça! Força no molinete! Folga a grande! Folga a grande! Vamos arrear a genoa! Deitem as defensas!

Pôrra! Senti-me quase o Fernão de Magalhães!

Nota: Só não entendi porque motivo nos mandaram levar uma muda de roupa num saco... medo sim, mas não a esse ponto... Acho eu.

quinta-feira, agosto 25, 2016

Para Descansar a Vista...em Itália

Antecipo o "momento de poesia" já que na sexta feira não estou por cá.

A desgraça do terremoto no centro de Itália lembra que  - contrariamente aos que muitos pensam, na sua arrogância de espécie supostamente dominante - a humanidade ainda não controla o planeta onde mora.

Estragar pode estragar e tem estragado, tal e qual como algum grupo de holligans pode dar cabo de um bar no hotel onde pernoitam.

Mas quanto ao resto, ao mais importante, somos quase como os cachorros dentro do laboratório do Dr. Pavlov. Salivamos quando toca a campainha, mas nem fazemos ideia da motivação do célebre cientista russo para essa experiência.

Entrego a todos , in memoriam das vítimas, um poema belíssimo sobre a perda. É de Florbela.

A Minha Dor

A minha Dor é um convento ideal 
Cheio de claustros, sombras, arcarias, 
Aonde a pedra em convulsões sombrias 
Tem linhas dum requinte escultural. 

Os sinos têm dobres de agonias 
Ao gemer, comovidos, o seu mal ... 
E todos têm sons de funeral 
Ao bater horas, no correr dos dias ... 

A minha Dor é um convento. Há lírios 
Dum roxo macerado de martírios, 
Tão belos como nunca os viu alguém! 

Nesse triste convento aonde eu moro, 
Noites e dias rezo e grito e choro, 
E ninguém ouve ... ninguém vê ... ninguém ... 

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas" 
Resultado de imagem para terremoto em Itália, imagens


terça-feira, agosto 23, 2016

Culpados



Estejam descansados que não vou falar do episódio de Ponte de Sôr, o qual já cheira mal em todos os sentidos.

Aqui os "culpados" têm a ver com os incêndios,  a propósito do último grande fogo de ontem e hoje, andando lá por cima, muito perto da nossa quinta, na zona de Seia.

O meu cunhado chegou a fazer parte das equipas camarárias que faziam prevenção de incêndios florestais no parque natural da Serra da Estrela. Eram pagos pela autarquia, com ajudas governamentais , no tempo "daquele primeiro ministro" que todos ( ou muitos) querem agora fingir que nunca foi eleito (e duas vezes).

Nesses anos havia fogos na zona, claro, mas eram menos e mais controláveis no chão. Porventura as condições de temperatura e de vento ajudavam, mas havia algum cuidado em prevenir.

As equipas de ajudantes  camarários assinalavam as principais áreas de risco, iam lá, falavam com os proprietários, ajudavam na limpeza da floresta. Trabalhavam 8 ou 9 horas por dia, entre Abril e Setembro. Sempre no jipe (era um velho UMM) enquanto houvesse luz do sol.

E traziam de lá "estórias" fantásticas. Daquelas que não gostamos muito de ouvir mesmo que sejam verdade. Como por exemplo, o facto de que muitos dos incêndios se deviam aos proprietários, que continuam a fazer queimadas quando e onde não deviam.

Não é apenas por deixarem as matas sem limpeza! É por queimar restolho nos meses de Verão...

Porque são criminosos? Não!! Porque são velhos e velhas, de mais de 80 anos, que não têm outra forma de limpar os terrenos para  plantarem algumas batatas, cebolas ou feijão .

Porque são mais do que pobres . E dependem do que cultivarem para sobreviverem. E porque não sabem fazer melhor, nem têm dinheiro para pagar, se soubessem. E mesmo se tivessem dinheiro, quem iria desbastar mato para esses locais perdidos nos vales? Onde habitam 3 ou 4 tristes?

Devem ser castigados e multados! Diríamos todos com razão derivada do código civil.

Mas onde estaria o dinheiro para pagar essa multa? Nem que fosse em géneros... Se pagassem 200 euros de multa os velhotes não iam à farmácia durante 6 meses.

O país não é Lisboa, nem sequer as plantações tipo "jardim" das modernas empresas agrícolas. Muita da área "cultivada" (entre aspas)  é destes pequenos proprietários que já não podem fazer o que faziam.

Porque, e esta será talvez a mais importante preocupação, nem só de SPA's, Quintas de Lazer e Resorts turísticos é feita a nossa ruralidade... É feita de idosos cada vez mais sozinhos e cada vez mais velhos... E quem não entende isto não entende o país onde vive.

Claro que depois há os "outros", os incendiários que deitam fogo por vingança, psicose, ou outro transtorno ligado ao diagnóstico de piromania. Mas o  deserto em que se vai transformando o país rural também tem por consequência a cada vez maior probabilidade dos incêndios florestais. E essa parece ser uma raiz do problema. Talvez a mais importante.