sexta-feira, novembro 28, 2014

Para Descansar a Vista

Os dias estão cheios de incertezas. Estava eu a apoiar o meu Estoril (viro-me sempre mais para o Estoril-Praia quando os vermelhos me dão desgostos) e a vibrar com as recuperações de resultado face aos alemães, quando já não houve segunda parte por causa da chuva...

Vão ver que hoje, com o solzinho a brilhar, os alemães ainda nos ganham, apesar do nome do nosso clube ser bem solarengo, acima como a cor das camisolas.

Existe também incerteza em relação a coisas mais sérias, de onde destaco obviamente a evolução do Desemprego. Sem dúvida a maior chaga social e a mais importante consequência da crise que assolou o mundo ocidental. Depois do Verão e do trabalho temporário como se evolui?
Para trás, como seria de esperar.


Por isto tudo aqui vos deixo um poema que bem poderia ilustrar estes novos tempos.
Poema de um grande, enorme, poeta alentejano, pois nesta data importa louvar o "Cante" e a sua subida a Património Imaterial da Humanidade! (obviamente com direito a selo postal comemorativo!).

Dona Abastança

"A caridade é amor"
Proclama dona Abastança
Esposa do comendador
Senhor da alta finança.

Família necessitada
A boa senhora acode
Pouco a uns a outros nada
«Dar a todos não se pode.»

Já se deixa ver
Que não pode ser
Quem
O que tem
Dá a pedir vem.

O bem da bolsa lhes sai
E sai caro fazer o bem
Ela dá ele subtrai
Fazem como lhes convém
Ela aos pobres dá uns cobres
Ele incansável lá vai
Com o que tira a quem não tem
Fazendo mais e mais pobres.

Já se deixa ver
Que não pode ser
Dar
Sem ter
E ter sem tirar.

Todo o que milhões furtou
Sempre ao bem-fazer foi dado
Pouco custa a quem roubou
Dar pouco a quem foi roubado.

Oh engano sempre novo
De tão estranha caridade
Feita com dinheiro do povo
Ao povo desta cidade.

Manuel da Fonseca, in "Poemas para Adriano"


quinta-feira, novembro 27, 2014

Gelado na Boca

Andei 3 horas dentro da Casa Forte do Museu Postal, onde a temperatura ambiente é de 12º. Em mangas de camisa.
O que levei desta aventura foi uma carraspana das antigas. O que antigamente se chamava "um resfriado".

Mas como era ontem dia de arrancar mais um dente do sizo (pôrra! Porque é que são 4?? Só vai ainda no segundo...) lá fiz das tripas coração e ala para o dentista.

Não sei se alguma vez arrancaram um dente tendo o nariz completamente entupido? Não o recomendo.

Sem poder respirar pelo nariz, e com  a boca cheia da água do destartarizante, a sensação é semelhante à daquela técnica de interrogatório desenvolvida pelos "médicos americanos" , o "waterboarding".

Já passou, mas enquanto durou deu para perceber a eficácia dos interrogatórios. Livra! Livra como "da-se " e "pôrra" (repito),  mas do que me não livrei foi de um maxilar mais uma vez cosido a linha de costura e de um inchaço na gengiva.

Havia que "pôr gelo" e apenas comer coisas frescas, de preferências em estado líquido ou fluido...

Chegado a casa levava debaixo do braço uma embalagem grande de gelado haagen dazs. Sendo Inverno havia poucas na superfície comercial . Lá escolhi uma de "caramelo". Também, por azar, se não levasse o "caramelo" teria que levar outra de ..."caramelo". Era o que havia.

Não gosto de coisas doces, e estava convencido que a malta "amaricana" era nesse aspecto bem mais suave no açúcar do que a portuguesada...

Enganei-me. Aquilo era mesmo muito doce... Comi como se fosse remédio ( e resultou!) e porque tinha alguma larica, mas foi um sacrifício.

Hoje estou a pensar abancar ao almoço nalgum lado onde me façam uma açordinha, de preferência morna, e com uma posta de pescada lá dentro.

Ao jantar? Gelado outra vez. Mas vou-me tratar ao Santini!! O Santini dá 10 a 0 ao haagen dazs!

Farmácia por farmácia, prefiro o gelado ao Ibuprofeno... E , comprando gelado acho que  há reduzidas hipóteses de um gajo ser arrastado para algum processo de Mega Fraude na distribuição dos medicamentos.

O país está perigoso, andam a prender toda a gente. Perdeu-se o respeito...

Viva Verdi!

terça-feira, novembro 25, 2014

A Operação do Marquês e o consequente Processo

O Marquês foi operado há uns anos. Na impossibilidade de o levarem ao Hospital - a estátua (incluindo o leão) deve pesar toneladas -  foi o Hospital ter  com o Marquês. Levou algum tempo a ser convenientemente limpa de todas as profanações, incluindo a dos entusiastas de Carnide, bêbedos de glória ( e com o resto, obviamente) que assinaram "casal ventoso".

Foi o cirurgião Dr. A. Costa que se encarregou da Operação, e parece que não ficou satisfeito por ter de desembolsar o dinheirinho da CML para corrigir a obra dos vermelhos...

Quanto ao Processo do Marquês, esse é um pouco mais antigo.  Devemos começar por observar que enquanto o Marquês foi Primeiro Ministro não houve ninguém com coragem para o acusar de nada...

Mas depois o reviralho foi tremendo. Acabando o enterro de D. José, lá apareceu D. Maria e foi o que se viu.

Em princípios de 1779, desencandeou-se o célebre processo instaurado por Francisco Galhardo de Mendanha, residente em Abrantes, a quem o Marquês teria enganado na venda de uma propriedade, exilando-o depois para a Ilha Terceira, a fim de o reduzir ao silêncio.

Três graves acusações pendiam sobre o dito Marquês: abusos da sua posição oficial para defraudar particulares, entre os quais o de obrigar pessoas a vender-lhe propriedades por preço inferior ao seu real valor, e o de não pagar as suas dívida.  Roubos ao Estado, como nos contratos dos diamantes, e do tabaco e ainda na apropriação, para a família, de valiosos terrenos na capital. Finalmente, diversas  arbitrariedades de natureza política.

Estando o Marquês sempre negando as acusações, após 4 meses de interrogatórios,  a rainha acabou por ter em conta a idade do  acusado (80 anos) e acabou por o exilar  20 léguas para fora da corte.

Morreu nas suas terras de Pombal em Agosto de 1782.

Uma coisa foi certa: Apesar do descrédito que se lançou em cima de Pombal, lá está o centro da Praça emblemática de Lisboa ocupado com a sua carantonha severa, passeando o bichano de estimação... A estátua começou a ser construída 100 anos depois da sua morte, com fundos provenientes de donativos. E porque lhe construiram a estátua (perguntarão os leitores)?

Porque, entre outras coisas:
"Reedificou Lisboa.
Animou a Agricultura.
Estabeleceo as Fabricas.
Restituiu as Sciencias."

Um verdadeiro Homem  da Construção!

A história é uma coisa engraçada... Parece uma nora com os seus alcatruzes para cima e para baixo, sempre a girar.

Haverá quem imagine , daqui a cento e cinquenta anos, uma nova estátua em Lisboa, talvez no início da A1, olhando para os km de auto-estrada que se perdem no horizonte, com uma mão  empunhando uma colher de pedreiro e mantendo um Magalhães debaixo do outro braço?

Sei lá eu??!! Já vi coisas mais esquisitas... Porcos a andar de  bicicleta, e até vidas abastadas em Paris com o vencimento de funcionário público português.

sexta-feira, novembro 21, 2014

Para Descansar a Vista

Aproveitemos este Sol de Inverno para pôr a roupa ( e a consciência) a arejar um bocadinho.

Mas será de pouca dura.


The Winter is Coming...

Aos que a Felicidade é Sol, Virá a NoiteQuero ignorado, e calmo 
Por ignorado, e próprio 
Por calmo, encher meus dias 
De não querer mais deles. 

Aos que a riqueza toca 
O ouro irrita a pele. 
Aos que a fama bafeja 
Embacia-se a vida. 

Aos que a felicidade 
É sol, virá a noite. 
Mas ao que nada 'spera 
Tudo que vem é grato. 

Ricardo Reis, in "Odes" 
Heterónimo de Fernando Pessoa

quinta-feira, novembro 20, 2014

O Mocho

Os mochos e corujas não se comem (de um modo geral e salvaguardando ocasiões especiais, onde a fome grassa e tudo quanto mexe é considerado comida, tenha 1, 2, 3 ou 4 patas).

Refazendo a frase, o mocho não tem aptidão gastronómica que eu conheça. Recordo que estas coisas são sempre relativas, pois até ter comido morcego nas Ilhas Seychelles também nunca acreditaria que tal alimária era comestível ( sem ser nas tais ocasiões).

Animal que não serve para comer terá outras funções na ordem geral das coisas, mas para mim perde parte do seu interesse. Não digo grande parte, porque por exemplo eu adoro cavalos desde puto e recuso-me a comer a carne. E se souber que há alguém do meu circulo que a consome, acabou-se a amizade logo ali.

O Mocho controlará as chamadas "pestes", os ratos, esquilos, coelhos e coisas dessas.  Deve ser um trabalho importante , mas eu, francamente, não sendo biólogo nem estudioso das sustentabilidades ambientais, não lhe detecto grande utilidade. 

Resta a questão estética. E aí sim! os grandes Mochos (mesmo os pequenos) são lindos de morrer. Têm um olhar que mete medo e um porte altivo que fará pensar duas vezes  qualquer águia (excepto aquela  vermelha).

A mim sempre me meteu um bocado de respeito a figura do mocho. Tínhamos um empallhado na secção dos antigos alunos dos salesianos (o mistério da sua aparição naquele local nunca foi por mim desvendado) , e eu juraria que quando me apanhava lá sozinho, o bicho virava a cabeça mesmo depois de morto e embalsamado, para nunca deixar de me fitar. Enervante!

Cheguei a virar  a coisa para a parede, mas quando lá chegava no dia seguinte a  senhora que cuidava da limpeza da sede já o tinha colocado no sítio certo.   A relação entre o mocho e a minha pessoa era tão estranha que nunca lhe cheguei a dar um nome, com medo que ele não gostasse...

Mesmo hoje em dia, se vou a algum lado onde há mochos ou corujas embalsamadas, apresso normalmente o passo e não me detenho muito na observação da espécie.

Imaginem então um dia do meu passado recente, por ocasião do lançamento do nosso livro e selos sobre a  arte da falcoaria, em Salvaterra de Magos,  onde uns senhores muito amáveis da Associação Portuguesa de Falcoaria , me queriam passar para o pulso um Grão Duque ...  Um Grão Duque é uma espécie de mocho criado  com esteróides anabolizantes. Tem mais de  70 cm de altura e pesa para burro!

Pôrra!  Grão Duque ? Só se viesse com ou dois ovos Faberger fugidos à Revolução de Outubro nas garras... E mesmo assim tinha que pensar bem no assunto. Ala meano! E basei.

Sou cobarde nestas coisas de mochos...Ou corujas...

quarta-feira, novembro 19, 2014

Falta de Audácia

Tenho algum apego a ser bem tratado. Quem não tem??!!
Gosto que me recebam bem. Gosto que saibam aquilo que mais me agrada e que me reconheçam quando entro a porta.

Para mim o reconhecimento é isso mesmo. Tu sabes onde eu poiso o casaco, eu sei onde tu deixas a mala de mão.  Mas não estamos a falar de casamentos ou relacionamentos desses.

Aqui a questão é mesmo  sobre os restaurantes onde costumamos ir e aqueles onde nunca vamos porque não nos conhecem.

Não nego que ter algum "conhecimento interno" é importante. Que o diga a malta apanhada nas malhas do Processo dos Vistos Gold...

E não nego também que tenho retirado até trunfos desses conhecimentos pessoais: mesas de restaurantes "todas reservadas" e que por milagre se abrem ao "Je", miminhos dos chefes para  o meu prato, e coisas assim.

Nunca deixei de pagar ( coisa que me faria nunca mais voltar) a não ser em casos excepcionais. O mais que aceito,  quando estou acompanhado, será um "cheirinho" de whisky no copo do senhorio, porque eu normalmente não bebo digestivos.

Mas com estas ideias de velho acomodado vou perdendo a emoção da "caça"... E não é apenas  dessa "caça" em que estão a pensar! Da "caça e captura" das boas novidades que se podem ir abrindo no ramo da restauração.

Bem posso ir lendo as mensagens da Fátima e do Mário no Face, sempre a "abrir" nesta área. Bem posso ler as crónicas do Fugas (Moreira e Fortunato fazem um bom trabalho!). Bem posso penar com saudades do meu Zé (melhorando, devagarinho, da maleita na vista)...

Mas quando chegamos aos "finalmentes", à hora de escolher? Lá vai o gordo para os mesmos lados outra vez: O Beira Mar, o Solar, o maluco do Pedro da Horta, o Galito, o Jockey, a Tia Matilde...

Por isso estimo as  deslocações, que me permitem variar. Bem, variar um pouco apenas, porque tudo o que é demais deita por fora.

Esta falta de audácia terá a ver com a idade ? Ou com o necessário aprumo da escolha, agora que o dinheiro está cada vez mais caro  e que não tenho ninguém (como nunca tive) para pagar as contas?

E se for para ir, sentar, comer mal, pagar e nunca mais lá pôr as solas, porque diabo iremos?

Lembra-me esta conversa as minhas aulas de análise de risco, quando associava valores de probabilidade a certas decisões de gestão.
Quanto maior o risco (medido em custo ,  despesa, ou prejuízo potencial) mais alta deveria ser a medida de probabilidade que aconselhava a acção.

Ou, dito por outras palavras: "Se vais ter uma reunião importante de tarde e almoças antes, tira a gravata de seda à mesa!"

Há ainda tanta casa boa e conhecida  para comer... Porque é que havemos de correr o risco?

Porque quem não arrisca , não petisca.

E é o caso aqui. Não petiscas mesmo!

terça-feira, novembro 18, 2014

O Alentejo e seus vinhos

Uma região que muito lucrou com as modernas técnicas de MKT aplicadas ao sector dos vinhos e da vinha (enoturismo, etc..) foi o nosso Alentejo.

Ainda hoje , em número de garrafas vendidas no mercado nacional (talvez não em exportação, onde avoluma o mercado do vinho do Porto), será o Alentejo o "campeão das grandes superfícies".

Mas reparem como  a frase "campeão das grandes superfícies" pode levar o leitor para um paradigma de quantidade, sem que aos produtos vínicos transtaganos possam ser igualmente atribuídas as grandes medalhas da qualidade.

Essa interpretação não é correcta.

No Alentejo há hoje também muita qualidade. E quando ouço dizer que "ainda não têm o seu Barca Velha", só me apetece dizer que ainda bem! Pois o Douro é o Douro e a Planície é outra coisa distinta. Se bem que - em termos de preços na restauração - o Pera Manca não fique muito atrás do mito duriense.

Onde provavelmente o Alentejo ganha, como começei esta conversa, é nas técnicas de MKT aplicadas à actividade no seu todo, desde as acções de relações públicas até à publicidade e promoção, passando ainda por uma correcta relação com a distribuição. Se entrarem num qualquer supermercado que seja especializado em vinhos, poderão ver que o maior espaço é dedicado ao Alentejo. O que traduz obviamente a imensa área que está dedicada à vinha nessa região, mas também a abundância de marcas e a estratégia de ponto de venda.

Claro que o "Tio Belmiro" e outros quejandos acabam por colocar nas cabeças das gôndolas e ao nível dos olhos do consumidor os vinhos que lhes rendem mais. E a esse nível das margens que o vinho liberta para o produtor e para o vendedor, pode ser que a quantidade de garrafas produzida seja um trunfo que o Alentejo esgrime com maior evidência do que as outras regiões...

Em contraponto recordo apenas a Bairrada e o Dão, onde existem vinhos magníficos, e que parece subalternizada nas cartas de vinhos dos restaurantes da nossa terra, bem assim como nas grandes superfícies.

Hoje em dia o grande problema do Alentejo é que a notoriedade da região apaga a notoriedade das suas marcas (com as clássicas excepções que todos conhecemos!)... E como estas se multiplicam, o consumidor não tem já condições para poder provar de tudo.

Do Alentejo, e em complemento da viagem que fiz ontem a Évora em trabalho, trago aqui  três vinhos pouco conhecidos, mas muito bons.

- Joaquim Madeira, Branco DOC de 2013: um vinho gordo e com notas de bela madeira. Um
branco de Inverno que agradará a todos os que estão um bocado fartos dos vinhos frutados e a cheirar a maracujá. Custa cerca de 8 euros. Tem Antão Vaz, Arinto e Chardonnay.
- Torais, Tinto de 2008: Belo tinto pelo mesmo preço do branco anterior. Um vinho "de ataque", para beber todos os dias e que não deixa ficar mal a "coudelaria", Tem 14 graus e é feito com predominância de Shiraz e Aragonês.
- Ponte das Canas DOC, Tinto 2010: Um pouco mais caro, pelos 15 euros. É marca do Mouchão, a seguir ao D. Rafael e antes do Mouchão verdadeiramente dito, o que lhe dá logo respeitabilidade teórica.  E tem Alicante Bouschet, está claro! Na prática é um tinto cheio de aroma e de cor, muito bom na boca e com laivos de fruta preta madura. Não tem o corpo do "pai" Mouchão", mas por este preço não há milagres...

A provar para depois contarem as vossas opiniões.

sexta-feira, novembro 14, 2014

Para Descansar a Vista

Do grande Poeta Manoel de Barros, agora desaparecido, relembro alguns poemas :

O fazedor de amanhecer

Sou leso em tratagens com máquina.
Tenho desapetite para inventar coisas prestáveis.
Em toda a minha vida só engenhei
3 máquinas
Como sejam:
Uma pequena manivela para pegar no sono.
Um fazedor de amanhecer
para usamentos de poetas
E um platinado de mandioca para o
fordeco de meu irmão.
Cheguei de ganhar um prêmio das indústrias
automobilísticas pelo Platinado de Mandioca.
Fui aclamado de idiota pela maioria
das autoridades na entrega do prêmio.
Pelo que fiquei um tanto soberbo.
E a glória entronizou-se para sempre
em minha existência.


Tratado geral das grandezas do ínfimo

A poesia está guardada nas palavras — é tudo que eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias

(do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogios.


Nota: Manoel de Barros foi (e é, poeta não morre!) um dos grandes poetas brasileiros de todos os tempos. Lá para os confins do Mato Grosso e do Pantanal exerceu o seu múnus publicum, ao mesmo tempo que tomava conta da fazenda paterna.
Para ele "a Frase era mais importante que a verdade, mais importante que a própria fé". Logo por aqui se entende o apego que desde muito novo sempre teve com o Padre António Vieira, grão-mestre da língua lusa.
Leiam aqui sff:
http://www.releituras.com/manoeldebarros_bio.asp

quinta-feira, novembro 13, 2014

O Aabrão do Eente!

Tenho uma dentadura notável. Sempre me orgulhei desse facto, que atribuí durante muitos anos a nunca ter usado fio dental e a lavar os dentes com alguma parcimónia, apenas uma vez por dia e essa vez bem rápida.

A completar sessenta anos tudo aquilo que está  dentro da minha boca (excepto a comidinha, que vai e vem) é meu. Não há chumbos nem chumbinhos, não há tachas nem tachinhas, não há um buraco.

Pensei até ilustrar este Post com a radiografia (admirável) da minha dentuça, para todos verem aquela perfeição. Mas não consegui que a fotografia ficasse decente.

Ultimamente andava a sangrar das bochechas, tendo o dentista assumido - depois de vários exames e radiografias - que os meus quatro dentes do sizo estavam meio inclusos no maxilar, e apontavam para o lado, em vez de ser para baixo, como lhes competia.

Nem discuto o facto de uma criatura ter chegado aos 60 com dentes do sizo ainda a "crescer". Nem discuto que esse crescimento tenha sido para o lado. São coisas que acontecem...Agora, o resultado prático disto tudo é que, pela primeira vez na vida, tenho de extrair dentes!

Dentes perfeitamente saudáveis, que o único pecado que fizeram nesta vida foi o crescerem para os lados. Não haverá aqui alguma coisa de fascista nesta mania de que todos os dentes têm de apontar para o mesmo lado? Foi para isto que fizemos o 25 de Abril? Para que o unanimismo triunfasse?

Mas divago. Adiante que não estamos em Amarante.

Eu sabia teoricamente o que era "tirar um dente", mas não tinha a experiência prática. E o homem apanhou-me pela primeira vez à falsa fé.

Começei a preocupar-me quando vi umas alavancas (tenazes mesmo) de aço. E ainda mais me preocupei quando a criatura ia dizendo para a ajudante:
-"Olhe, dê-me aí uma mais  larga que este é dos difíceis".
-"Mas que coisa, está bem fixo. Olhe, não há destas ainda mais largas?"
-"Já saíu! Olhe que grande! E não custou nada? Vamos é ter que cozer o buraquinho..."

Uma hora e meia de sacrifício, embora a anestesia tenha dourado esta pílula o melhor que sabia e podia. E no final das festas lá fiquei mais pobre ( de mais do que uma maneira!!)

Agora não posso comer para aquele lado, e comer é eufemismo! "Imbibo" líquidos, papas e sopas.

Vivi eu tanto ano sem saber o que era esta  sobremesa...E, francamente, acho que podia ter esperado mais uns anitos ...

Tenho que por lá aparecer mais 3 vezes. Vou pensar bem no assunto, mas acabarei por ir. É o Karma...

O Lucky Luke quando ia ao barbeiro encostava a pistola ao cú do artista, não fosse a lámina escorregar para onde não devia... Pode ser que aqui resulte a mesma técnica. Barbeiros já tiraram dentes.. E alguns ainda tiram...

quarta-feira, novembro 12, 2014

A Hospitalidade

Num conto  que li em menino, e cujo nome e autor não consigo agora situar , falava-se de um antigo hábito de certos povos da Oceânia. Quando recebiam alguém em suas casas emprestavam-lhes à partida sempre um objecto que lhes fizesse falta - por exemplo, uma faca - de forma a que o hóspede e amigo nunca se esquecesse de voltar, trazendo consigo o objecto "emprestado".

Em Portugal também temos fama e proveito de sermos hospitaleiros. Tenho-o provado no meu corpo e no meu espírito. Não só tenho "Provado" como  tenho mesmo "Comido" essas larguezas da hospitalidade lusa.

Eu tenho também dado muitas vezes a experimentar a quem nos visita o melhor que temos. Na cozinha e nas vistas, usos e costumes. De tal forma que começou a criar corpo no âmbito dos nossos colegas internacionais a ideia que , se marcassem férias para Portugal, alguém os ampararia devidamente.

Não me custa nada ajudar nas marcações de Hotel e propor visitas e restaurantes, Faço-o sempre com gosto. E normalmente convido também sempre quem por cá aparece para almoçar ou jantar.

Mas, no meio desta crise existencial que assola todos, mais cedo ou mais tarde, dei por mim a pensar onde deveriamos traçar a fronteira entre a Hospitalidade e o Provincianismo.

A fronteira deve ser traçada algures entre a  nossa forma de estar aberta e afável, pronta para agradar, e a bajulice própria do  "pequeno" que recebe o "grande", estando (ou não) à espera de rentabilizar futuramente esse "investimento".

Claro que a distinção entre "pequeno" e "grande" é relativa. Não estamos no tempo das "Cours Itinérants du Roi Soleil", onde a comitiva real era obrigatoriamente recebida pelos nobres e autarquias da região onde passava, levando muitas vezes à falência alguns deles com a exigência pesada da respectiva acomodação.

O que me leva a reflectir é que, para  alguns e neste enquadramento de bem receber,   "grande" será sinónimo de "visitante estrangeiro" , enquanto que a ele, ao tuga, caberá bem o epíteto de "pequeno"... E isso não pode ser.

Tal como  "velhos são os trapos",  então "pequenos devem ser os toma***"  de quem pensa assim e age em conformidade.

"Liberté, Egalité, Fraternité" tem a  Igualdade no meio... Já tinham reparado?

terça-feira, novembro 11, 2014

De regresso

As vantagens do meu trabalho são muitas. Entre as que mais aprecio é a possibilidade de todos os anos conhecer pessoas novas, ter novos assuntos para explorar, criar novos amigos espalhados por todos os locais do país onde se concretizam as nossas emissões de selos e edições de livros.

Há já alguns meses que ando por Trás-os-Montes, atrás de várias cerimónias filatélicas. E que prazer tem sido poder compartilhar a mesa das reuniões e a mesa das refeições com tanta gente boa!

De tal forma que mal saímos já estamos com saudades. O que é muito português. O meu colega Miguel Esteves Cardoso dizia, e bem,  que "O português ainda não levantou voo da Portela e já está com saudades!".

Na última reunião e almoço onde estivemos, já de malas aviadas, fomos impecavelmente recebidos no complexo hoteleiro com a gestão do grupo A. Montesinho (proprietários do D. Roberto de boa fama). Entre um Butelo com Cascas e uma Posta grelhada fomos alinhavando o futuro da filatelia por aquelas terras. E muitas pistas foram ali colhidas.

Voltarei para tratar dos dois assuntos que  deixei pendurados: o Caminho Português de Santiago de Compostela, a famosa "ruta de la plata";  e a série que dedicaremos à castanha de Trás-os-Montes.

Tudo isto em 2015, o que permite antever novas viagens em breve.

Preciso ainda de vos falar do êxito que foi a Exposição Filatélica VIANNA 2014, do emocionante encontro com o Sr. Lopes Ribeiro, quase a fazer os 103 anos de idade, sempre coleccionando os seus selos. O mais impressionante é poder falar com ele e verificar que anda bem, sem bengalas e tem a cabeça melhor do que muitos de nós!! Faço aqui uma injunção ao Sr. Ministro da Saúde que mande investigar. A dieta, a água (ou o vinho verde!) devem estar envolvidos.

Dou também testemunho da presença continuada do Sr. Presidente da Câmara de Viana do Castelo, não só na inauguração mas também nos outros dias. Grande exemplo!

Agora em Lisboa apresto-me também hoje para rever velhos amigos das artes gráficas. Em volta de uma antiga e rara (aqui na urbe pelo menos) especialidade: A Feijoada de Sames de Bacalhau à moda da Gafanha.
Será no Restaurante Jockey, que debaixo da batuta de Mestre Rafael segue a sua senda de casa afável e hospitaleira para todos os clientes, tragam eles  cavalos ou mulas (salvo seja, pôrra!).

terça-feira, novembro 04, 2014

Em Viana do Castelo e em Bragança

Armado de pata de coelho pendurada no retrovisor, ferradura de besta quadrúpede enfiada no porta-luvas e trevo de 4 folhas no bolso (plástico, porque não tenho tempo, nem costas, para andar de cú para o ar)  parto para duas cerimónias fora de Lisboa nesta semana que ainda agora começou.

A inauguração da VIANNA 2014, XXIV Exposição Nacional de Filatelia onde participa a convite a Associação Italiana de História Postal.

E, logo a seguir, a elevação a Basílica  Menor da Igreja do Santo Cristo do Outeiro (Bragança) que mereceu um Postal Inteiro e Carimbo Comemorativo pela raridade do decreto papal.
Vejam aqui sff:
http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=29&did=155254

Os Posts com comentários de fundo podem rarear até à próxima semana , mas não deixarei de enviar fotografias dos locais por onde abancar...

segunda-feira, novembro 03, 2014

Entre mortos, quedas e bolos de bolacha...

O título é elucidativo da salganhada que foi este fim de semana tétrico.

Salvaram-se da desgraça duas coisas: o almocinho no Beira Mar com o Zé, a Fátima, o Senhorio e o Paulinho (estando o pescador Tó Simão de pendura) e , mais tarde, o jantar no "deserto" , em casa do Luiz, com o Acácio e respectivas famílias (sem esquecer os cães,  "Vitor Gaspar" e "Vasco").

Fora isso, os três dias entre Quinta Feira e Domingo foram para esquecer...

santa cá de baixo tropeçou nos degraus da minha casa e ficou com a cara que parecia um bolo de bolacha depois  do "Vitor Gaspar" (do cão)  se ter interessado por ele.  No Hospital quase me trataram como se fosse um meliante que batia na mãe, tal a semelhança dos resultados da queda com uma daquelas sovas antigas que vemos nos filmes, depois de um combate de boxe.

Não publico as fotos da santa porque, sabendo como ela é, assim que estivesse boa ainda me dava com o cabo da vassoura...

Como resultado tive de tratar das campas no dia de fiéis defuntos sozinho com a outra santa, irmã da santa abolachada. Na pressa de tratar de tudo a tempo do almoço, enfiei o canivete suiço por entre o ramo das orquídeas e quase até ao osso do meu dedo anelar da mão esquerda...

Não desejando ir ao hospital outra vez (onde ficaram algumas desconfianças sobre a minha pessoa) tentei resolver o assunto mesmo ali, ao pé das campas.

O coveiro Sr. João tratou da ocorrência, embora esteja mais habituado a outro tipo de clientes, malta mais quietinha e sobretudo mais calada.

Depois de arranjar as campas, a santa tia ainda me pediu para ir ao Hiper, porque precisava de coisas para a casa e o meu primo também lhe tinha pedido para trazer alguma mercadoria, "já que lá ia aproveitava..." 

Estou transformado na Central de Compras da família. Para as velhotas, ainda vá que não vá...Agora o meu primo também já aproveita? Ele que tem carro e é reformado? E da minha idade? Fica com o cu na cama e o "je" que se levante cedo e ature as galinhas velhas? Viver não custa...

Como a desinfecção do dedo foi passar a ferida pela água do cano, quando cheguei a casa para fazer o almoço, quase 3 horas depois,  já tinha aquilo tudo infectado...

Resultado: comeram as velhas outra vez frangos do Galego, que à minha custa vai reforçando a fama de ser o restaurador e hoteleiro mais rico de Cascais.

Há dias assim... Temos que esperar por melhorias na meteorologia. Entretanto, o conselho que dou a todos é que tenham cautela quando saírem de casa. Não vá esta mala-pata momentânea ser contagiosa.



sexta-feira, outubro 31, 2014

Para Descansar a Vista...

Neste dia que antecede a noite das bruxas manda a prudência que o humilde mortal tente passar tão despercebido quanto possível.

Daí que eu tenha sempre achado estranho ser exactamente nesta noite que os anglo-saxónicos se transvestem de tudo quanto é maléfico e vêm para a rua fazer uma grande palhaçada. Talvez porque rir é o melhor remédio, e quem canta seus males espanta...

Em tudo o que tenha a ver com maus olhados, almas do outro mundo, feitiços e quebrantos, vampiros e zombies - nos quais não acredito, mas que os há, isso há !  - costumo usar o conhecido aforismo shakesperiano "A Desconfiança é o farol que orienta o Prudente".
Se desconfiamos é de bazar imediatamente. Seja de algum automóvel com fuga de óleo no motor, ou de casa velha onde já morreram 3 ou 4 anteriores locatários.

Em memória das Bruxas venha então daí um Poema do Amigo Edgar Allan Poe, que como sabem era um bocado virado para estas coisas do Oculto:

       The Valley of Unrest

       Once it smiled a silent dell
       Where the people did not dwell;
       They had gone unto the wars,
       Trusting to the mild-eyed stars,
       Nightly, from their azure towers,
       To
keep watch above the flowers,
       In the midst of which all day
       The red sunlight lazily lay.


       Now each visitor shall confess
       The sad valley's restlessness.
       Nothing there is motionless
       Nothing save the airs that brood
       Over the magic solitude.


       Ah, by no wind are stirred those trees
       That palpitate like the chill seas
       Around the misty Hebrides!


       Ah, by no wind those clouds are driven
       That rustle through the unquiet Heaven
       Uneasily, from morn till even,
       Over the violets there that lie
       In myriad types of the human eye
       Over the lilies there that wave
       And weep above a nameless grave!


       They wave:- from out their fragrant tops
       Eternal dews come down in drops.
       They weep:- from off their delicate stems
       Perennial tears descend in gems.

Edgar Allan Poe

quarta-feira, outubro 29, 2014

O Rupestre indígena

Não se deve confundir um Rupestre com o Rupert.

O Rupert é um urso dos desenhos animados bem engraçado. Rupert é também o nome verdadeiro do actor que faz de amigo do Harry Potter , e no fim da série fica com a Emma .

Um "Rupestre" é um bronco. Trata-se de uma maneira mais simpática de chamar "troglodita" a alguém. Podemos utilizá-lo como sinónimo de "asno, ignaro, lerdo, obtuso, cavalão, pedra-pomes, bruto como as cabras, etc...". Na prática é um imbecil, estúpido todos os dias, desde que se levanta até que se deita. Pensa-se que até os sonhos de semelhantes criaturas são tacanhos e néscios.

A principal diferença entre  um "Rupestre" e um calhau é o olhar inteligente do calhau. Sendo o "Rupestre" avantajado (admito que os há de todos os tamanhos) substituiremos "calhau" por "penedo". Em casos mais extravagantes, usem "obelisco".

O mais engraçado sobre os "Rupestres" é que se lhes chamarmos isso na cara provavelmente não sabem o que é,  e ainda pensam que lhes estamos a fazer um elogio...

-"Oh Manel, estás um Rupestre feito!"
-"Obrigadinho! Comprei a camisa no Corte Inglês!"

Embora pareça do discurso até aqui feito, "Rupestre" não tem preferência de sexo. Tanto pode ser Homem, como Mulher , como outra coisa. Trata-se de uma característica das mais democráticas que existem. Há-os de todas as cores, de todas as idades, de todas as bolsas, e até de todos os Partidos Políticos. Há-os nas cidades, nas vilas e nas aldeias.

Os (e "As")   "Rupestres"  gostam de ver aquela coisa da TVI, a Casa das P**** (perdão, dos Segredos). Os (e "As")  "Rupestres" sabem ler,  devido ao 25 de Abril que decretou a escolaridade obrigatória, mas só utilizam para saberem quantas galhetas deu o Carrilho na Bárbara naquela semana.

Os (e "As")  "Rupestres" não vão ao Teatro (acham que era bem acabado). Para eles um Programa Cultural  é a "charla" dominical do Prof. Martelo, que vêem e ouvem religiosamente sem perceber a maior parte, apenas para dizer que "estiveram lá"...

Para um "Rupestre" encartado a 5ª de Mahler não é uma sinfonia, mas sim a versão alemã da Quinta das Celebridades.

Alguns "Rupestres" aparecem na Televisão.  Emendo, muitos "Rupestres" aparecem na Televisão.
A sua existência lembra-nos o que devemos aos pioneiros da TV Cabo no nosso país, que nos permitiram hoje mudar de canal  antes que a pulga dê coçeira. Bem hajam!

Abundam "Rupestres" também lá pelos Passos Perdidos de S. Bento. Não é de admirar. São gente escolhida pelos serviços prestados à causa e não pela superior inteligência. Os "pastores" têm de os treinar bem para não votarem no lado errado. O que já aconteceu...

Há "Rupestres" até bem engraçados e com quem simpatizamos logo. Por exemplo o Paulo Futre.

E há grandes espertalhões "armados em rupestres" para poderem fazer o que bem lhes apetece, e ganharem com isso debaixo da cobertura da pretensa boçalidade. Por exemplo, a Júlia Pinheiro.

Mas o maior deles todos, o "mais grande rupestre" , o prémio nobel , o Bota de Ouro... Quem será?

Esse mesmo!! O autor da célebre frase:

"Portugal não tem dimensão para se roubar tanto."

Oh Amigo Ferraz da Costa! Francamente! Não tem dimensão?

Então e a Extensão da Plataforma Continental Portuguesa para as 350 milhas??!! Ficamos com dimensão para se roubar o dobro!

Ou mais... E há quem já esteja a treinar...

terça-feira, outubro 28, 2014

Trabalho ou Emprego??

Quando entrei para os Correios havia uma empresa do nosso grupo  - éramos na altura um grande grupo conglomerado que envolvia os CTT, a PT avant la lettre, os TLP e a Marconi, entre outras miudezas - que metia inveja a muita gente.

Quem nos metia inveja era a empresa gestora dos fundos de pensões, local de alto gabarito onde os trabalhadores ganhavam bem acima da média remuneratória da actividade de comunicações. Por lá se encontravam os melhores alunos dos cursos de finanças, os melhores peritos em aplicação de capitais (pelo menos aqueles que os bancos não tinham conseguido apanhar).

Pagavam-se bónus indexados à valorização da carteira de acções e de obrigações onde os Fundos estavam baseados, e em consequência disso, o vencimento de um Director era quase tanto ali como o vencimento de um Administrador no grupo "pai". E os trabalhadores administrativos iam pelo mesmo caminho...

Havia quem trabalhasse ( e muito) nessa empresa. Eram os tais gestores de títulos que ganhavam em função da valorização da respectiva carteira. Mas os seus directores e administradores, gente que lá tinha sido posta por compadrio político, não só não percebiam nada do que se passava lá dentro, como passavam o seu tempo a jogar jogos  de tabuleiro, de guerra e de estratégia (ainda não havia a febre dos videogames).

A única vez em que se preocupavam no ano, ou no semestre, era na altura em que tinham de apresentar os resultados da valorização da carteira de títulos à Administração do Grupo. Aí preocupavam-se,  e bem, pois os bónus milionários podiam estar em causa...

Quando essa gentinha se ausentava, normalmente para congressos e reuniões pagos pela empresa, dentro e fora do país, fazia-lhes confusão deixarem o secretariado à boa vida, sem controlo dos próprios. Então do que se lembraram?

Exigir às secretárias que passassem o seu tempo a tirar fotocópias das listas telefónicas...

Juro que isto é verdade! E as visadas, como ganhavam bem e tinham todo o interesse em não fazer ondas que pusessem em causa aquele status quo, faziam o que lhes era pedido e mostravam aos energúmenos, no regresso, resmas e resmas de fotocópias que eram de imediato mandadas para o lixo.

Que diria o actual Ministro do Emprego e da Solidariedade Social destas práticas ? Pouco ou nada poderia dizer caso estivesse no activo nessa altura. Tudo isto se passava entre 1988 e 1992... Lembram-se de quem era Primeiro Ministro?

segunda-feira, outubro 27, 2014

Os biscates

Rebentou um cano em casa da minha santa cá de baixo. Houve que chamar a  Companhia das Águas para fechar a torneira "oficial".

Os representantes da entidade não se entenderam logo quanto à importante questão " a quem pertencia o cano: se à Companhia das Águas, se à moradora e proprietária da casa". Esta questão era importante para definir a quem competia fazer e pagar o arranjo do cano ou a sua substituição.

Para esclarecer o assunto houve que esperar pela chegada de um "Chefe".  O "Chefe" chegou no dia seguinte, pela tardinha. A água entretanto ficara fechada.

O "Chefe"  manifestou alguma perplexidade pela situação. Não havia dúvida que o cano vinha da rua, portanto nesse sentido seria "cano público". Mas apoiava a sua progressão em partes da propriedade, pelo que , nesse trajecto , seria já um "cano privado".

A rotura dera-se na "parte privada" do cano ( nada de piadinhas ordinárias!!), pelo que o "Chefe", com pena, não conseguia resolver o assunto à conta da Companhia das Águas.

Todavia esse mesmo "Chefe" conhecia um jeitoso canalizador que se prestava a vir imediatamente e a resolver o assunto. Pagando-lhe, claro está.

Pessoa de absoluta confiança, que já trabalhara muitos anos na Companhia das Águas e estava agora reformado.

Assim decidimos e pagámos 170 eurinhos pelo arranjo. E o trabalho ficou asseado.

Lucrámos ainda que o "jeitoso", por ter sido trabalhador da Companhia das Águas, nem precisou de aguardar pela chegada dos "oficiais" que ligariam a torneira "oficial". Puxou ele da ferramenta (que porventura se esquecera de devolver na altura da reforma) e tratou logo ali do assunto.

Em conclusão: podem o Passos e a Maria andarem por aí a oferecer Audis A4 quanto tempo quiserem..."Ele" há recibos e facturas que nunca verão o interior das repartições de finanças. Et pour cause.



sexta-feira, outubro 24, 2014

Para Descansar a Vista

De meu mestre Paul Verlaine aqui deixo uma das mais belas definições de amor que encontrei na língua francesa.

O tempo está de feição para amar.

Aime-moi, car sans toi, rien ne puis, rien ne suis.

Aproveitem, porque o "Inverno está a chegar".  De mais do que uma maneira...

Compagne savoureuse et bonne.

Compagne savoureuse et bonne 
À qui j'ai confié le soin 
Définitif de ma personne, 
Toi mon dernier, mon seul témoin, 
Viens çà, chère, que je te baise, 
Que je t'embrasse long et fort, 
Mon coeur près de ton coeur bat d'aise 
Et d'amour pour jusqu'à la mort : 
Aime-moi, 
Car, sans toi, 
Rien ne puis, 
Rien ne suis.

Je vais gueux comme un rat d'église 
Et toi tu n'as que tes dix doigts ; 
La table n'est pas souvent mise 
Dans nos sous-sols et sous nos toits ; 
Mais jamais notre lit ne chôme, 
Toujours joyeux, toujours fêté 
Et j'y suis le roi du royaume 
De ta gaîté, de ta santé ! 
Aime-moi, 
Car, sans toi, 
Rien ne puis, 
Rien ne suis.

Après nos nuits d'amour robuste 
Je sors de tes bras mieux trempé, 
Ta riche caresse est la juste, 
Sans rien de ma chair de trompé, 
Ton amour répand la vaillance 
Dans tout mon être, comme un vin, 
Et, seule, tu sais la science 
De me gonfler un coeur divin. 
Aime-moi, 
Car, sans toi, 
Rien ne puis, 
Rien ne suis.

Qu'importe ton passé, ma belle, 
Et qu'importe, parbleu ! le mien : 
Je t'aime d'un amour fidèle 
Et tu ne m'as fait que du bien. 
Unissons dans nos deux misères 
Le pardon qu'on nous refusait 
Et je t'étreins et tu me serres 
Et zut au monde qui jasait ! 
Aime-moi, 
Car, sans toi, 
Rien ne puis, 
Rien ne suis.

Paul Verlaine.


quinta-feira, outubro 23, 2014

Foi um "jeito" que lhe deu...

Esta história de acordar com dores nas costas e na perna lembrou-me a explicação que lá em cima na Serra se dava sempre que alguém se queixava do mesmo:

"Deu-lhe um Jeito. Foi um Jeito que lhe deu".

A palavra "Jeito" explicava as artroses, os bicos de papagaio, a dor ciática (cabrona de m***!); os torcicolos e outras entorses.

O "Jeitoso" do endireita tomava normalmente conta destas ocorrências. Aparentemente esta era uma daquelas maleitas onde o médico "só estrovava". Médico e remédios eram para quando havia febre.

 O tal "jeitoso" podia ser algum ferrador de bestas, perito em queimar o nervo atrás da orelha com um ferro em brasa, operação que faria mitologicamente desaparecer a dor. O que se passava era que a dor da queima era de tal ordem que superava qualquer outra dorzita que a "besta" trouxesse à forja...

Mas podia ser também um homem de virtude e saber, que cuidava de pôr os ossos e os tendões no sítio certo, através de manipulações adequadas. Era o antepassado dos quiropráticos de hoje.

O avô da minha mulher  era comerciante de gado, pastor e queijeiro. Levava com ele  5 cães da serra  mais 3 ajudantes e quase 500 ovelhas pelas encostas da Estrela acima. E quando estavam marcadas as maiores feiras de queijo, na Carripichana ou em Gouveia, era normal fazerem 20 ou mais km com as cestas dos queijos à cabeça, durante a noite, para estarem de madrugada na Feira.

As pernas (as "patas" como ele dizia) eram o maior "activo" que ele posssuía naquela altura, por volta de 1940. Sem pernas como podia fazer a sua vida?

Ora um certo dia , depois de uma queda aparatosa ficou com um "problema" numa das pernas que o apoquentava imenso. Recorreu ao amigo "endireita", mas desta vez o "jeitoso" não teve habilidade para resolver o assunto. E como era pessoa honesta e sensata, depois de lhe ligar fortemente a perna recomendou que "fosse a um  hospital".

O Hospital era em Coimbra, a quinta era entre Seia e Gouveia...  as ovelhas  não esperavam pela ida ao hospital e, para além disso, meteu-se-lhe na cabeça que podia por lá ficar alguns dias internado, o que só piorava a situação de trabalho.

Com estas e com outras deixou passar o  Março, o  Abril e o  Maio. E foi apenas a Coimbra em Junho, altura em que as ovelhas já não tinham leite e o trabalho era mais comedido.

Feita a radiografia o que se descobriu foi que tinha partido a perna... E é claro que, depois de 3 ou 4 meses, a fratura tinha sido "naturalmente"  regenerada, embora essa perna até ao fim da sua vida (morreu com 95 anos) tenha sempre ficado mais curta do que a outra.

Quando questionado se "não tinha sentido dores" naquele período, sempre caminhando sobre a perna, o Avô Correia dizia que "tinha lá aquele Jeito ao fundo da canela, mas que o importante era apertar bem as ligaduras e massajar todas as noites com aguardente".

Teve sorte? Disseram os médicos que teve mesmo muita sorte. Ou então, como se dizia também na Beira:
" Se se salvou foi vontade de Deus. Caso tivesse morrido, a culpa era do médico"

Onde ele nunca foi...

quarta-feira, outubro 22, 2014

As calorias (assunto obnóxio)

Nota prévia:  "Obnóxio" significa Desprezível, Baixo. Humilde ou Funesto.

Para os amigos ( e amigas...) que passam a vida a medir as calorias , lembrei-me de falar aqui um pouco sobre a importância do vinho e dos destilados alcoólicos nestas andanças do controlo do peso.

Segundo os especialistas,  o álcool fornece 7 kcal/g de energia, superando os carboidratos e proteínas, que geram 4 kcal/g, e perdendo apenas para as 9 kcal/g da gordura.
 
Acresce ainda que os nutricionistas classificam o álcool como uma "caloria vazia, pois não possui nutrientes significativos para o corpo. O corpo humano reconhece o álcool como uma toxina, dá prioridade à sua eliminação e deixa em segundo plano a queima da gordura, dos carboidratos e das proteínas – o combustível do organismo. Por isso, quanto maior o consumo de bebidas alcoólicas, menos gordura é queimada e mais os alimentos são armazenados como gordura."
 
O vinho tinto, branco ou rosé é limitado caloricamente em cerca de 70 calorias por 100 ml (menos para o tinto, um pouco mais para o branco) . 100 ml é um copo a vinho tinto  mal aviado. Uma garrafita tem 6 a7 vezes mais...
 
Um whisky, aguardente velha , bagacinho ou Gin  valem já cerca de 240 calorias por 100 ml. Neste caso admito que 100 ml sejam duas doses no bar ...Ou uma dose em casa...
 
A Vodka é mais mansinha (cerca de 120 calorias pelos tais 100 ml). E a cerveja até 4º não chega às 50 calorias. Moscatel, Porto e outros vinhos de sobremesa afinfam-lhe já com umas respeitáveis 150 a 160 calorias, sempre por 100 ml.
 
Termos de comparação: uma dose "à maneira" (350g)  de leitão da Bairrada com molho e batatas fritas vale no prato cerca de 750 calorias. Tanto como a garrafa de espumante que bebermos a acompanhar ! Com o pãozinho da ordem, um queijinho fresco e um whisky de malte para "rematar" fica a refeiçãozinha (sem sobremesa doce!!)  por  apenas 2000 calorias.
 
Um atleta de endurance  (corrida de fundo) com 75 kg, 1,80m , deve ingerir cerca de 3000 calorias por dia. Um "atleta" de escritório, com 95 kg, 1,88m e que deseja manter o peso?  Talvez deva limitar o consumo a 2300 calorias por dia...
 
Deduzo daqui que quem atascar o "depósito" na Meta dos Leitões ou na Nova Casa dos Leitões (abençoadas sejam e muito anos de vida!) , deve chegar a casa e beber um chazinho antes de deitar. sem açúcar.
 
Esta conversa está a dar-me alguma sede e a fazer levantar ameaçadoramente o meu  indicador da "larica".  Nunca mais é hora de almoço, pôrra! 
 

terça-feira, outubro 21, 2014

As Castanhas de S. Martinho

Já há castanhas, embora o tempo neste momento esteja mais para "Olás fresquinhos".
O solar da castanha em Portugal é Trás-os-Montes, e dentro do planalto nordestino serão os soutos de Vinhais e dos seus arredores os mais conceituados.
Claro que há também castanha nas Beiras, Alta e Interior, mas em menor quantidade.
A castanha está também a tornar-se um caso sério para a economia nacional. Leiam aqui sff:

"Trás-os-Montes, com 85% dos castanheiros nacionais (mas também as Beiras), transformou Portugal num dos maiores produtores do mundo de castanha – só ultrapassados na Europa pela Itália. Mas os italianos têm os soutos dizimados pela mosca-asiática que se encasulou nos castanheiros e os está a amputar a eito.  (...) 90% dos soutos italianos estão com troncos ao alto e sem ramos, e por isso o valor da castanha portuguesa tem subido nos últimos anos, porque a Europa vem abastecer–se a Portugal."
Texto de Daniel Deusdado.

Quanto vale o negócio? A produção de castanha gera, anualmente, 20 milhões de euros nos concelhos de Vinhais e Bragança , sendo provavelmente  a cultura mais rentável da região de Trás-os-Montes.

E junto com a castanha vem o turismo, aproveitando estes dias para fazer percursos belíssimos por entre os soutos  e observando os ouriços, deslumbrantes.

O maior concorrente de Portugal na produção da Castanha é a China. E sabendo-se da abundância de ouro por aqueles lados todo o cuidado é pouco...O "irmão" chinês já até começou a investida. Vejam aqui um artigo do Público:

"O maior grupo produtor mundial de castanha, o American Lorain, de capitais chineses mas cotado na bolsa de Nova Iorque, vai apostar no Nordeste Transmontano para abastecer sobretudo o mercado francês, mas também o alemão e o holandês. O grupo adquiriu, recentemente, uma participação maioritária (51 por cento) da luso-francesa Conserverie Minerve, que já detinha uma unidade de produção em Vinhais, a Cacovin, que será agora recuperada depois de encerrada há dois anos após ter sido vendida pela autarquia."

Eu gosto das castanhas assadas ou cozidas. Gosto delas na sua época. Que é agora. Agora mesmo! Nesta altura brilham em pudins, em sopas, junto da perdiz ou do javali. Frescas e suculentas.

Já não aprecio muito a castanha que nos dão em Lisboa acompanhando certos pratos, dos quais o mais conhecido (tipo arroz doce  que não falta a nenhum casamento) serão os "Rojões à moda do Alfacinha" ( não sei que nome lhes chamar) onde a castanha impera todo o santo ano. Congeladíssima e sequíssima...

Uma sugestão: Em 24, 25 e 26 deste mês vão a Vinhais, à festa da Castanha e aproveitem para atascar violentamente no excelente fumeiro de Bísaro lá da zona. E se estiver ainda quente demais para as alheiras, vinguem-se na posta! Ou comprem um presunto que por lá deve estar a secar há já um ou dois anos...Isso é que era.
Aqui vai uma morada adequada: http://www.bisaro.pt/?lang=pt&page=homepage/homepage.jsp
Fica em Gimonde. Não se arrependerão!!

segunda-feira, outubro 20, 2014

Borrego ou Cabrito?

A guerra pela supremacia entre a carne de pelo e a carne de lã é antiga como o mundo.

Os manuais de referência colocam o cabrito no cume da gastronomia nacional, sempre assado no forno e de origem certificada. Com mais ou menos alho, com mais ou menos pimentão, acolitado ou não pelo arroz de forno dos seus miúdos e  quase sempre com a batata assada no mesmo molho da carne  e  com os grelos salteados (ou ervas grossas).

O cabrito grelhado (ou guisado) é desdenhado pelos peritos como formas plebeias de estragar uma matéria prima de grande qualidade.

O cordeiro (ou borrego) é um outro produto de excelência da nossa pastagem serrana ou transtagana, talvez não tão incensado como cabrito, excepto nos locais onde se exalta o queijo de ovelha e onde a existência de cabras nos rebanhos é mal vista. A cabra dá um rendimento de leite bem superior ao das ovelhas das raças certificadas e por isso existe sempre a tentação de a usarem para "arredondar" as latas de leite que vão para queijar.

No prato, todavia, e partindo do excelente princípio que não se devem comparar alhos com bugalhos, o borrego também é superlativo. Com a vantagem que pode continuar a ser utilizado como ingrediente principal da nossa gastronomia tendo uns anos ( e uns kg) mais avançados do que o cabrito. Cabrito que ultrapasse os 5,5 kg e meio (limpo) já é por muitos considerado "cabrão" (com vossa licença).

Mas um borrego "mamão" continua a dar prazer em assados ou em guisados muito para além desse peso . Quase que até aos 11 kg,  se bem criado com produtos naturais ao lado da mãe.

Este fim de semana fiz uma jardineira de borrego, estando o tempo de feição para um prato que em tempos era primaveril, acompanhando a carne jovem com o feijão verde ou as ervilhas, a batata nova e as cenouras infantes.

Não custa nada pedir no talho que vos cortem (para 4 pessoas) 1kg e meio de  peito e costela de borrego. Depois, em chegando a casa,  lavem com vinho branco e façam uma marinada com alho aos pedacinhos, cebola picada, uma colher de massa de pimentão, umas pitadas de pimenta preta e uns rebentos de salsa. Juntem azeite e vinho branco e mexam. Mergulhem os bocados do borrego e aguardem de um dia para o outro.

No dia do almoço preparem uma puxadinha da forma usual (alho, cebola, azeite e uma mão cheia de sal). Deitem também uma colher de sopa cheia de polpa de tomate de boa qualidade.  Em  ficando loura introduzam os bocados do borrego temperados .

Nota: Se o borrego for mais adulto considerem alourar os bocados numa sertã, em azeite ou em banha, a gosto, antes de deitarem no tacho. Caso seja um borrego mais "menino" não há necessidade dessa tarefa inicial.

Deixem apurar uns minutos os pedaços do borrego no refogado.
Depois deitem as batatas cortadas em cubos (duas batatas médias por pessoa) , o feijão verde (ou as ervilhas, a gosto) e as cenouras às rodelas grossas.

Reduzam o lume e vai guisando lentamente por cerca de hora e meia. Vão provando e rectificando de sal. Quando o garfo entrar bem nas batatas está tudo pronto a ir para a mesa.

Para acompanhar bebemos um Tinto Vallado (Douro) colheita de 2011. Excelente relação qualidade\preço!

sexta-feira, outubro 17, 2014

Para Descansar a Vista

Com a velha rabugenta (a ciática) a incomodar-me outra vez em consequência das horas que passei ontem sentado na Conferência da História da Matemática em Óbidos, acordei eu mesmo também um bocado para o estragado...

Estou a ver que tenho de planear umas duas semanitas e tratar da aplicação da "pomada de canivete", como diz o meu médico a gozar (aqui só para nós, ele que vá gozar com a tia).

Mas recordei-me deste poema "a um deus verde" , de meu mestre Eugénio de Andrade, a propósito desta invenção da "Fiscalidade Verde".

E  tive  que sorrir, apesar da dorzita surda pela perna abaixo.

Aqui vai então:


Trazia consigo a graça
das fontes quando anoitece.
Era o corpo como um rio
em sereno desafio
com as margens quando desce.

Andava como quem passa
sem ter tempo de parar.
Ervas nasciam dos passos,
cresciam troncos dos braços
quando os erguia no ar.

Sorria como quem dança.
E desfolhava ao dançar
o corpo, que lhe tremia
num ritmo que ele sabia
que os deuses devem usar.

E seguia o seu caminho,
porque era um deus que passava.
Alheio a tudo o que via,
enleado na melodia
duma flauta que tocava.


quinta-feira, outubro 16, 2014

Uma paixão antiga

Os leitores imaginariam que vou finalmente perder a vergonha e contar detalhes da minha vida amorosa dos anos 70 ?

Estão enganados... A "paixão" a que me refiro é a da Matemática .

Quando casei tinha à minha frente dois caminhos: ou seguiria a carreira docente universitária (onde já estava desde 1977) mas desta vez a sério, com doutoramento e agregação e o mais que houvesse se para tal tivesse "peito". Ou então enveredar pela vida profissional.

Que foi o que fiz depois de considerar duas propostas honrosas. A da Empresa Geral de Fomento, que era apadrinhada pelos grandes mestres que foram o Eng. Gomes Cardoso e o seu colega Engº Portela. A dos CTT onde estava já o Joaquim V. Rodrigues, meu colega de turma.

Todos sabem o que escolhi. Tenho alguma vergonha de dizer que , à espera de filho, foi o incentivo do dinheiro que acabou por me decidir.

Mas o "bichinho" dos métodos quantitativos e do ensino levou-me a ficar por 30 anos ligado ao ISCTE, ensinando sempre e pensando no que poderia ter sido uma vida totalmente dedicada à academia.

Hoje vou com muito gosto a Óbidos lançar um carimbo comemorativo do 7º Encontro de História da Matemática Luso-Brasileira, onde se vai decerto evocar o Prof. Sebastião e Silva.

José Sebastião e Silva (1914-1972) protagonizou, nos anos 60, um dos mais inovadores e mais bem-sucedidos projetos de desenvolvimento curricular em matemática. Para além de outros livros de texto – justamente recordados e por muitos professores ainda hoje utilizados na preparação das suas aulas – escreve, em 1964 e 1965, os Compêndio de Matemática e os respetivos Guias para professores. Neles, se evidenciam a sua sensibilidade pedagógica e o seu talento de expositor em combinação com um profundo conhecimento de Matemática e uma visão muito rica tanto da sua história como das suas aplicações.
Sebastião e Silva , de quem celebramos o centenário com um merecidíssimo selo postal, foi um dos grandes filhos de Mértola tal como o Prof. Aureliano Mira Fernandes, seu vizinho de umas dezenas de anos antes. Talvez os dois maiores matemáticos (com Pedro Nunes) deste país nasceram ali, bem perto um do outro. Deve ser da água de Mértola e seus arredores. Devia ser analisada.
Vejam aqui mais informação sff:
http://encontrohistoriamatematicaobidos.com

segunda-feira, outubro 13, 2014

A Fuga das Galin...(digo, das idosas) no supermercado

Tenho andado mais sossegado nos últimos fds por causa da obrigatória falta de mobilidade das minhas anciãs cá de baixo, pelos motivos de saúde conhecidos.

Este bendito sossego acabou no último Sábado.

Desejosas de bater chinela e arejar as ideias (o que é difícil, são 170 anos somados, a dividir por quatro pernas trôpegas) lá me intimaram a comparecer pelas 8,45h (reparem no detalhe) para "irem às compras".

Dentro do carro - e conhecedor do habitual rumo que estas expedições tomam -  sempre fui avisando que tivessem paciência, esperassem umas pelas outras e que não debandassem cada uma pelo seu canto, como galinhas loucas à vista da raposa.

Tá-se mesmo a ver que foi isso que aconteceu. Chegadas ao local do crime e enquanto eu fui buscar o carrinho, alçaram das "canadianas" como se fossem armas de guerra e...desapareceram.

Andei com o carrinho atrás das malucas das velh... (digo, idosas) a hora e meia todinha que estive dentro do estabelecimento comercial.

Eu estava na fila do pão, elas parecia que se dirigiam para a fruta e hortaliças. Eu chegava à fruta e hortaliças e já lá não estavam. Tinham basado para os congelados. No corredor dos congelados bem espreitei e...nada. Nem sombra das desgraçadas!

Depois destas exéquias e já com vontade de as mandar chamar pelo intercomunicador (como se faz às crianças de menos de 5 anos que se separam dos pais) lá consegui vislumbrar  as impetrantes junto dos pratos, tachos e panelas. Mas logo de seguida pediram para irem ver  "resguardos e roupas de cama".

O pior foi quando cada uma decidiu que tinha "coisas particulares para fazer".

Se andar atrás das duas juntas  já era mau, imaginem eu a tentar dar com o paradeiro de cada uma delas!!

Ala  meano! Cada uma para o seu lado e o "Je" , sem poder decidir para onde apontar a antena de detecção. O que resolvi foi sentar-me na área dos livros e esperar que a loucura das duas ginjas acalmasse...

Quando questionadas para terem calma e esperarem por mim, ainda se enxofraram a dizer que andavam com o telemóvel exactamente para isso! Para serem contactadas.

Ignorando as três chamadas que eu já tinha feito para cada uma... A santa Mãe nem tinha trazido o TM, e a santa Tia tinha-o dentro da carteira, debaixo dos lenços "para não se partir" e não ouvia a campainha.

Bem sei que é bom "elas"  mexerem-se cada vez melhor e que se  refilam é sinal que  estão vivas. Pelo menos isto é o que me diz o meu senhorio, a rir-se quando lhe contei as peripécias.

Mas um mistério ficou por resolver...

Se o gajo acha graça e pensa que é natural eu ter de me revestir de santa paciência e aturar as duas destrambelhadas, por que é que ele não alça o cú da cama mais cedo  e se arma em motorista e acompanhante do "duo dinâmico"?  Das perigosas "peruas turbo"?

Deixa lá que para a semana que vem já tens o destino traçado!

sexta-feira, outubro 10, 2014

Para Descansar a Vista

Ainda com as costas a arder das horas passadas em pé e sentado , nas cerimónias do Dia Mundial dos Correios  - vão ver os detalhes à nossa página de FaceBook :


 - aqui venho dar o inevitável poema.

Começo por uma frase de Quintana, para nos fazer pensar:

"Uma borboleta amarela voa perto do chão.
Ou será uma folha de árvore que se desprendeu  e ainda não quis pousar?"

E termino, em Outubro, com  um poema a condizer pelo nosso Grão Mestre da Poesia:

Uma névoa de Outono o ar raro vela,
Cores de meia-cor pairam no céu.
O que indistintamente se revela,
Árvores, casas, montes, nada é meu.

Sim, vejo-o, e pela vista sou seu dono.
Sim, sinto-o eu pelo coração, o como.
Mas entre mim e ver há um grande sono.
De sentir é só a janela a que eu assomo.

Amanhã, se estiver um dia igual,
Mas se for outro, porque é amanhã,
Terei outra verdade, universal,
E será como esta [...]


Fernando Pessoa



quinta-feira, outubro 09, 2014

Dia Mundial do Correio

Lá chegámos a mais um dia 9 de Outubro, data em que a União Postal Universal comemora o dia mundial da sua actividade em  150 países e  operadores designados de correio.

Aqui em Portugal a cerimónia oficial será na Fundação Portuguesa das Comunicações, com a presença do Ministro da tutela (Economia). Vamos homenagear seguidamente os trabalhadores dos CTT com mais de 36 e de 40 anos de serviço,  num jantar a realizar na Estufa Fria.

E para celebrar o dia do ponto de vista filatélico, será lançada a emissão comemorativa das tapeçarias da Manufactura de Portalegre, seguida da inauguração da Exposição com  tapeçarias do espólio CTT, da própria Manufactura e do Museu Guy Fino, gerido pela autarquia. Estará patente na Fundação das Comunicações até ao final de Dezembro.

Os selos reproduzem tapeçarias de cartões assinados por: Almada Negreiros, Cruzeiro Seixas, Eduardo Nery, Joana Vasconcelos, Júlio Pomar e Maria Helena Vieira da Silva.
Podem ver aqui sff:

segunda-feira, outubro 06, 2014

O ano vínico de 2011: quase perfeito.

Não sou eu que o digo.

Kim Marcus, o provador oficial da mais antiga revista norte-americana de vinhos, especialista em vinhos portugueses, escreveu sobre as nossas colheitas de 2011:
“Condições climatéricas quase perfeitas e melhorias na vinha e adega criaram condições para um conjunto de vinhos monumental”.

Na prova extensiva de vinhos do Porto desse ano, realizada por Kim Marcus, a qualidade de 2011 ficou amplamente marcada:  o cronista da Revista de Vinhos  não se recorda  de uma prova de uma só colheita ter dado pontuações tão altas. A média foi de 95,4 valores, numa escala até 100 valores.

E como geralmente o vinho do Porto é uma boa referência para os vinhos de mesa, quem sabe desta poda está já há alguns anos a "enfeirar" tintos do Douro ( e Dão, já agora) desse ano bendito pelos deuses.

Com esta situação de enquadramento, o blogger decidiu dar a provar alguns tintos do Douro de 2011 a amigos que se reuniam em torno do famoso "Cozido de carnes e enchidos artesanais" em casa do Álvaro. Aquele cozido onde tudo é comprado a pequenos produtores, desde o porco à carne de vaca. E onde as couves, nabos e cenouras não se compram... São da horta lá de casa.

A nossa experiência antiga nesta matéria das provas que são para beber e não para cuspir (cruzes credo e t'arrenego vadio!) limita o conjunto de vinhos a não mais do que quatro. A partir daí os últimos começam a ser penalizados pela falta de perspectiva e pelos palatos já saturados.

Por último, limitámos por acordo comum o preço máximo dos vinhos em prova (numa garrafeira) a 25 euros por garrafita.

Foram testados, por ordem crescente de preços: Assobio ( a aventura da Herdade do Esporão no Douro); Quinta do Crasto Superior; Passadouro Touriga Nacional; D. Berta Reserva Especial Sousão.

Todos muito bons! O único com madeira evidente (Crasto) teve as melhores referências dos presentes, embora o Passadouro Touriga tenha ficado mesmo, mesmo colado...Uma daquelas chegadas à meta com necessidade de  "photo finish". 

O Sousão D. Berta estranhou um pouco alguns dos presentes por causa da casta pouco habitual em extreme, mas estou convencido que se insistissem mais teriam gostado muito. Pessoalmente foi este que me encheu mais as medidas...
O Assobio tem enorme perfil gastronómico, é um belo vinho para um preço inferior a 10 euros, mas perde para os outros maiorais desta competição.

Para a próxima voltamos ao ataque mas com vinhos do Dão. Sempre de 2011.

sexta-feira, outubro 03, 2014

Para Descansar a Vista...nas Férias

No último dia desta primeira semana de férias - a segunda ficará para o final de Outubro, para ir à serra quando a minha santa lá de cima estiver em convalescença - pensei em dar-lhes um poema de Lídia Jorge, a propósito do seu último livro "O Organista" , fábula que trata da criação do mundo e das relações dos homens com a divindade.



Aqui vai então, dessa grande escritora de Boliqueime um poema de Amor no Outono. Belíssimo!

Assim a Casa SejaAmor, é muito cedo 
E tarde uma palavra 
A noite uma lembrança 
Que não escurece nada 

Voltaste, já voltaste 
Já entras como sempre 
Abrandas os teus passos 
E paras no tapete 

Então que uma luz arda 
E assim o fogo aqueça 
Os dedos bem unidos 
Movidos pela pressa. 

Amor, é muito cedo 
E tarde uma palavra 
A noite uma lembrança 
Que não escurece nada 
Voltaste, já voltei 
Também cheia de pressa 
De dar-te, na parede 
O beijo que me peças 

Então que a sombra agite 
E assim a imagem faça 
Os rostos de nós dois 
Unidos pela graça. 

Amor, é muito cedo 
E tarde uma palavra 
A noite uma lembrança 
Que não escurece nada 

Amor, o que será 
Mais certo que o futuro 
Se nele é para habitar 
A escolha do mais puro 

Já fuma o nosso fumo 
Já sobra a nossa manta 
Já veio o nosso sono 
Fechar-nos a garganta. 

Então que os cílios olhem 
E assim a casa seja 
A árvore do Outono 
Coberta de cereja. 

Lídia Jorge, (Inédito)

quarta-feira, outubro 01, 2014

A Saltarilha

Nem só no Alentejo vive a Lebre! Já que estamos numa onda de Trás-os-Montes, seguimos meu mestre Torga e vamos vê-lo a caçar alguma lebre, sempre na companhia do bom amigo e padre Avelino Augusto da Silva.

Diziam os antigos transmontanos que a lebre até um ano quer-se assada na brasa apenas com sal. Entre um ano e dois já necessita de ser salteada depois da assadura. E quando tem mais de dois anos será mister guisá-la com todos os temperos a que tem direito.

Fui respingar uma receita de Lebre à Transmontana (não assevero se é muito antiga) e que vos deixo aqui com o "óbvio" conselho: como quem não tem cão, caça com gato, à falta de lebre usem coelho! (Mas...não é a mesma coisa...).

Uma lebre de um kg e meio,  350 g favas, 350 g cenouras, 8 batatas pequenas,  duas cebolas às rodelas finas, duas ou três colheres de sopa de banha, 150 g toucinho, Sal e Pimenta a gosto.
 Depois de  esfolar e lavar muito bem a lebre (com vinho branco), parte-se aos bocados e vai a uma sertã alourar em banha. Em estando alourada deita-se num tacho de fundo bem grosso, com toucinho cortado em quadradinhos, mais uma colher de banha, a cebola às rodelas, sal e pimenta. Temperem e deixem assim puxar uns minutos em lume médio a forte. De seguida coloquem os outros ingredientes e vai guisando lentamente, desta vez em lume brando. Vão provando e rectificando os temperos.
E para acompanhar? Um Tinto Transmontano de raça e corpo: Valle Pradinhos 2011 Grande Reserva Tinto, um misto de Cabernet e Touriga, a 25€. Se comprarem a lebre têm de gastar algum no vinhito!
Caso seja coelho no tacho, bebam o Valle Pradinhos Colheita do ano, que ficam bem à mesma!