quarta-feira, janeiro 30, 2008

A sombra de 2009



Terá sido a proximidade do ciclo eleitoral de 2009 que levou José Sócrates a remodelar, embora timidamente, o seu executivo?

Acredito que sim, e também talvez as veladas críticas do Sr. PR, sobretudo ao que se passava na área da Saúde.

Faz-me pena ver um dos mais bem preparados Ministros deste Governo (falo de tecnicamente preparado, uma das pessoas que mais percebe do sector da saúde neste País) sair assim sem fama nem proveito deste Ministério...

Mais uma vez se prova que nem sempre ganha a guerra da comunicação quem tem a razão do seu lado, mas sobretudo quem se sabe explicar melhor... E este Ministro, embora tenha razão nas suas reformas, não as soube explicar como devia ser ao País.

O que deve ter sido considerado quase que um Crime por este PM que fez da Comunicação e da "baratinação" dos MCS uma das suas melhores armas. As voltas que dá a demagogia...

E - convém desde já dizê-lo - este País que não compreendeu o Dr. Correia de Campos é o País que interessa para as autárquicas, o País profundo, dos caciques (Mealhada e Anadia...), dos Padrinhos, das coisinhas que são só deles, da beata e reverenda postura perante os notáveis locais que alimentam e dão empregos aos indígenas, enfim o País da demagogia e do mau provincianismo.

Fala-se , agora que a Caixa de Pandora do grande Tabu foi entreaberta, que não faltarão outras remodelações - talvez de 4 ou 5 Secretários de Estado...

Pode ser que assim seja, mas quem sai , sem dúvida , vencedor desta refrega são: O Eng. Mário Lino (AlcoxeteJámé!), o Dr. Manuel Pinho, a Oposição e o PR ...



Não falo da Ministra da Cultura? Mas será que a anterior existia de facto ou era apenas uma imagem virtual que se entrevia nas televisões?

Posso confirmar que existia porque a cumprimentei várias vezes por causa da nossa Filatelia. E acho que é pessoa simpática e bem disposta. Mais não posso afirmar por desconhecimento (de todo) do que se passaria naquele Ministério...

Faz-me também pena ver José Sócrates abandonar, pelo menos assim à primeira vista, a postura de Estado que o fazia afirmar "levar tudo pela frente" enquanto não implementasse as reformas que achava serem necessárias ao País.
Foi uma postura que durou 3 anos... Agora estará na altura de preparar as Eleições e a Reconquista do Poder.
E, como dizia o outro, essa é outra conversa ... e muito diferente, acrescento eu.

Um comentário:

Manuel disse...

Pergunto-me se era possível vencer, em campo aberto, os MCS. Estes estão, actualmente, arvorados em porta-vozes dos descontentamentos populares. Porque é isso que está a dar. E em instigadores, se necessário, porque também faz render. Veja-se, aliás, a postura perante os responsáveis políticos, com impertinente acinte, como se tivessem sido eleitos representantes do Povo (terão existido eleições?). Quando se diz que CC não soube explicar a sua Política de Saúde, pergunto(-me) se a quem conduz "máquinas pesadas" no sentido da reorganização e racionalização em ruptura com os interesses instalados é dada a oportunidade de explicar. Veja-se a abertura dos telejornais da SIC e TVI no domingo, anunciando 2 mortos diferentes como se as mortes tivessem um responsável: o ex-MS.
Cumprimentos
Manuel