terça-feira, junho 17, 2008

A "Revolta Popular" contra os aumentos de Preços



Um pouco por todo o mundo há sinais de que o aumento inexorável dos combustíveis está a fazer mazelas no tecido sócio-político dos diversos Países mais afectados pela crise do petróleo, a começar obviamente pelos que têm uma Economia mais débil e mais dependente dos mercados externos.

Até na poderosa Albion , que tem o "pitrol" do Mar do Norte mais ou menos à mão de semear, se observam já protestos de camionistas e cortes de estradas.

Quando acordarem o grande gigante norte americano aos gritos de falta de gasolina nas bombas, desde o Alaska até à Florida, o que se passará neste Mundo?

Há quem anteveja - e não me espantaria - uma nova Guerra Mundial em busca dos jazigos de petróleo, com os USA e a Europa Ocidental a ocuparem todo o Médio Oriente que a China os deixasse , ela que não deixa também de ter os seus objectivos hegemónicos, embora talvez mais virados para África.

Há até quem diga que essa Guerra já começou, disfarçada de combate ideológico entre o Islão radical e o Ocidente, mas nós ainda não nos apercebemos bem do assunto...

Se se provar entretanto que esta subida escandalosa de preços - ontem mesmo o crude atingiu os 140 dólares por Barril - tem menos a ver com o jogo da oferta e da procura e mais com a especulação, o que é que pode suceder? Uma Revolução Popular à moda das do final do Século XIX?

Os tempos são outros, já não há ideologias de suporte e os meios de combate aos tumultos que os governos hoje em dia possuem são de molde a fazer tremer os pilares de qualquer Democracia...Veja-se Guantanamo, a vergonha da América...

Estamos a tempo de desenvolver alternativas reais que impeçam uma guerra de ocupação dos territórios petrolíferos ou uma escalada imprevisível nas formas de revolta populares das sociedades mais desenvolvidas?

Isto sem perder muito tempo com os "híbridos" ou com os automóveis apenas movidos a electricidade, porque serão sempre alternativas limitadas em termos de autonomia.

A Honda Motor Company apresentou ontem um protótipo de um automóvel que funcionaria a hidrogéneo e com estreia de produção em série para 2012... O mesmo fez a BMW , apresentando no fds passado à imprensa especializada um série 7 também movido a hidrogéneo, embora um pouco mais atrasado em termos de possível produção em série.

É pouco? Pelo menos parece-nos pouco, mas se toda a poderosa industria automobilística mundial, de Detroit até ao Vale do Rur, desviasse para estas pesquisas parte considerável dos seus investimentos alguém duvida que a Ciência descobriria uma alternativa ?

E...vão esses Senhores da Indústria querer mesmo fazer isso?

Aqui é que está o problema... Pois se bem me lembro do que se dizia há poucos anos atrás, as reservas de petróleo existentes no Mundo dariam ainda para mais de 80 anos de consumos, fora as que entretanto se descobriram depois dessa afirmação, por exemplo no Brasil...

Tal como o problema do Ozono e do aquecimento global - que , aliás, com estas "estórias" está relacionado - há muito a tendência para deixar às gerações seguintes o ónus da resolução dos problemas que não quisémos encarar de frente nas nossas vidas úteis...

Que fardo e que pesada herança para os descendentes.