quarta-feira, julho 01, 2009

Vergonha!



Uma reportagem de Lisa Schlein (Voice of America) fazia-se eco deste facto incrível anunciado pela FAO-ONU : atingimos , em Junho de 2009, mais de mil milhões de pessoas com fome neste mundo !

Um sexto dos habitantes mundiais - sobretudo em África e na Ásia - passa fome regularmente.

"A new report found more than one billion people around the world are going hungry. The report by the UN's Food and Agriculture Organization or FAO blamed the global economic crisis and high food prices for pushing a record number of people into hunger. According to the FAO report, one-sixth of all people on earth are going hungry. It said almost all of the billion people who are not getting enough to eat live in developing countries. The Director of FAO's Agricultural Development Economics Division, Kostas Stamoulis, said it is the first time in human history that there are so many hungry people in the world. He said this should not be happening because a lot of the world is very rich despite the economic crisis. So what is happening, he said, contradicts what historically has happened."

"Eu não tenho capacidade para medir a fome de mil milhões de pessoas..." Como muito bem refere hoje no "Público" José Victor Malheiros na sua coluna habitual, ao escrever sobre este facto vergonhoso.

Mas basta pensar apenas numa criança ou num velho, mais perto de nós do que poderíamos imaginar, que vasculhe numa lixeira os restos de alguma lata de comida para nela enfiar os lábios gretados e a língua seca, para nos deixar na mente uma pálida ideia do que aquele número obsceno pode significar no dia-a-dia...

Numa altura em que existe riqueza desmesurada que vive ombro a ombro com a mais esquálida miséria, não sirva a "Crise" de desculpa para os ricos fecharem ainda mais os olhos e distrairem-se com ocupações de classe alta em "resorts" construídos ao lado das favelas...

Ou, como dizia e bem o cronista de S. Paulo: , "tema-se que os favelados desçam dos montes e desfaçam pelas suas mãos sujas de pólvora, cocaína e merda os privilégios de quem não soube nem teve coragem para resolver o problema quando este ainda tinha solução..."


Nota
: está a decorrer nos CTT uma campanha contra a pobreza e a exclusão social. Todos os trabalhadores são convidados a colaborar. Ofereçam qualquer coisa. Roupa, livros, comida, etc... Aquilo que temos a mais pode fazer a diferença. Não se detenham a pensar na potencial demagogia desta Campanha (que também a terá, como todas as similares) pois quem precisa mesmo não perde tempo com essas análises: come o que lhe dão e veste o que lhe oferecem...Sem mais.

4 comentários:

LPontes disse...

Pela primeira vez transcrevi um texto de outro blog no meu.
Foi este! Pela sua coragem e desassombro, parabéns!

... e desculpas pelo atrevimento, mas de facto este é um texto que não pode ser calado!

Anônimo disse...

Este grito de alerta e participação, que incomóda verdadeiramente,mas que é a realidade que dia a dia se vai instalando cada vez mais, num mundo aonde a irradicação da fome a da miséria deverá ser a primeira de todas a prioridades.Parabéns Raul pelo alerta.Quanto á demogogia infelizmente faz parte da ementa que diariamente nos é servida em doses cada vez maiores, mas isto em nada nos impedirá de agir, porque quem nada tem para comer, nada tem a perder e para ele será amanhã tarde demais, porque não sabe se sobrevirá.Um bilião de pessoas com fome e em Portugal cerca de dois milhões, no limiar da pobreza?....é dramático mas urge agir.Parabéns.

Anônimo disse...

Isto é sério, muito sério.

Pessoalmente faço votos, para que estes "gritos"toquem as consciências individuais, colectivas, e governamentais.

É das calamidades mais horriveis, que se possam imaginar.

A sociedade civil mais tarde ou mais cedo deverá pedir contas às passividades nacionais e internacionais dos que com "cantigas de embalar" nos mendigam os votos.

Acautelem-se pois.

A comunidade política internacional e nacional, não pode, nem deve viver "apalaçada" e na sombra das "muletas" das ONGs, hà que despir a camisa ou arregaçar as mangas e por uma vez que seja, tocar e provar esta amarga lama.

O Homem moderno,na sua plenitude , não é isto nem nunca merece isto...
Peninha

Anônimo disse...

O dever é uma coisa muito pessoal; decorre da necessidade de se entrar em ação, e não da necessidade de insistir com os outros para que façam qualquer coisa.

Madre Teresa de Calcutá