terça-feira, janeiro 01, 2013

Começar pelo princípio...

O Troikano de 2013 começou. Por mim começou no Hospital (outra vez!) nem tanto pela santa, que aqui em casa vai recuperando e dando alegremente cabo da harmonia familiar, mas desta vez por causa de outro dos nossos velhos, o  meu tio Antunes, cunhado da santa... maleitas que não devem desaparecer tão cedo e que a idade vai trazendo e agravando.

Desta vez vi bem  a dificuldade com que os profissionais de saúde já hoje manipulam as restrições orçamentais sobre os exames que podem ou não mandar fazer, mesmo que o doente deles precise - e que não os culpem a eles, médicos das urgências, pois boa vontade não falta, mas quem tem cú tem medo, ou seja, quem trabalha a contrato e por acaso é cubano ...cuida-se.

Ainda esta procissão vai no adro... Está-se mesmo a ver que vai imperar no nosso futuro o regime da cunha e do compadrio, tal e qual como antigamente. E é pena, pois essa mania dos "favorzinhos" terá sido uma das heranças mais miseráveis que herdámos do salazarismo.

Mas falou o Sr. Secretário de Estado da Saúde sobre esta matéria:

Fernando Leal da Costa disse que os portugueses têm a obrigação de ajudar o Serviço Nacional de Saúde (SNS) a poupar , prevenindo as doenças.

Profilaxia pode ser importante e aconselhável, mas não tenho a certeza que resolva algum cancro?  A não ser que o Secretário de Estado tenha inventado alguma cura milagrosa e esteja calado?

E como se previne um traumatismo craniano? Não saindo da cama? Mesmo assim pode cair o teto em cima do desgraçado...

O velho Ti Nuno banheiro já contava a mesma história: para não pisar peixe-aranha o melhor é  não ir à praia.

Por acaso até acho que todos nós sabemos dar conselhos destes: Evita as mulas se não queres apanhar algum coice; não tomes banho para não escorregares na banheira; não saias de casa se não queres ser atropelado; não comas peixe para não te engasgares com as espinhas... E se queres escapar à morte, o melhor é nunca teres nascido...

O Dr. Leal da Costa o que gostaria era que não existissem doentes. Nem médicos, nem Hospitais. Ele e todos nós, por acaso... Mas o mundo não foi feito assim... Queixem-se a quem de direito.

Não obstante este fim-de-ano ter sido o que foi aqui em casa (de novo tudo à espera de notícias das urgências) e de neste dia de Ano Novo continuarmos na mesma, não quero deixar de desejar a todos os leitores um  2013 tão bom quanto possa ser.

E mantenho a esperança que um dia, brevemente, tal como li e gostei muito de Fenimore Cooper e do seu clássico "O Último dos Mohicanos", possa aqui escrever uma crónica dedicada ao "Último dos Troikanos"!

Isso é que era!  Volta Chingachgook que estás perdoado!

Um comentário:

Vasilievna disse...

"Abundo nas ideias de um filósofo que disse: « O Criador conserva o homem e a mulher e o mundo, como eles são, por honra da firma.»"

C. Castelo Branco, Memórias do Cárcere